Yves Guillemot pede desculpa pelas suas palavras

11

A “novela” em torno da Ubisoft continua. As palavras de Yves Guillemot sobre o estado actual e futuro da empresa caíram mal, gerando contestação. O CEO retratou-se numa “espécie” de pedido de desculpas.

É este o poder conjunto que os trabalhadores conseguem ter. Bastou uma marcação de greve e o CEO da Ubi já vai atender a todos os seus pedidos…

Bom, nem por isso.

Quando todos esperavam que Guillemot, de alguma forma, tomasse algumas decisões para atenuar o “ruído” em torno da gestão que lidera na Ubi, apenas quis pedir desculpas por um pretenso “mal entendido”. Sim, afinal a culpa é das pessoas que entendem mal o que o CEO quer dizer.

Novamente via Kotaku, ficamos a saber que decorreu nesta semana uma reunião global com uma sessão de perguntas e respostas. Nela, o CEO disse que “ouviu o feedback” dos trabalhadores e “lamenta a forma como foi entendido”. Quando disse que “a bola estava no seu campo”, o CEO alega que pretendida “lançar a ideia que, agora mais que nunca, precisava do talento e energia” dos funcionários. Falou ainda de uma “jornada colectiva” que começa “obviamente” consigo próprio e com a equipa de liderança.

Contudo, não parece assim tão “óbvio”. Foi notado que essa restante “equipa de liderança” não participou nesta reunião, nem os funcionários sentiram que este pedido de desculpas, de alguma forma, atenuasse o receio de reduções salariais, despedimentos ou a continuidade das condições adversas entre gestão e funcionários. Para muitos, Guillemot apenas quis “limpar-se” do sucedido com a sua mensagem e pouco mais que isso.

Mas, não parece ter chegado para demover o staff dos protestos. Até ao momento desta notícia, a greve dos funcionários da Ubisoft Paris continua marcada para a data prevista.