Ubisoft vai alterar segundo DLC de Assassin’s Creed: Odyssey

211

Apesar de várias vezes ter sido dito que o terceiro episódio iria explicar os motivos.

Conforme recordam da nossa análise, a segunda parte da temporada de DLC “Legacy of the Last Blade” de Assassin’s Creed: Odyssey teve um final controverso. A Ubisoft ouviu os fãs e decidiu abordar o assunto com uma revisão da história de “Shadow Heritage”.

O “pomo da discórdia” surge no final do episódio, quando Alexios ou Kassandra (depende de quem escolheram para jogar) acabam numa relação fixa, tornando-se pai/mãe. Este final não leva em conta quaisquer decisões anteriores, inclusive de leviandade ou orientação sexual. No nosso caso, Alexios era um “bon vivant” mulherengo e sem grandes escrúpulos, um claro contraste com o pai de família imposto pelo DLC.

A questão mais delicada surge entre a comunidade de jogadores que decidiu enveredar por uma relação homossexual ou bissexual com as personagens e é aqui forçada numa relação heterossexual. Trata-se de um jogo e ninguém deveria achar que é um retrato da sua personalidade ou escolhas pessoais. Ainda assim, a liberdade de escolha foi o baluarte do marketing deste jogo, acabando por desconsiderar essa liberdade com um final que não encaixa nessa premissa.

Apesar de, em algumas ocasiões, os produtores terem afirmado que o final condicionado deste episódio, iria fazer mais sentido com a terceira e última parte, alegando que justificaria a forma restritiva como a história foi contada, a Ubisoft decidiu recuar nessa visão. Vai mesmo alterar ou, nas suas palavras, “aprimorar”, o final do segundo episódio.

Diz o comunicado nos fóruns da Ubisoft que, depois de ouvirem os jogadores e discutir o assunto com a equipa de desenvolvimento, fizeram “alterações a uma cena intermédia e alguns diálogos em Shadow Heritage, para melhor reflectir a natureza da relação (dos protagonistas) para jogadores que escolham uma linha de história não-romântica”.

As alterações, segundo o comunicado, irão ser implementadas na próxima actualização, alterando também o nome de um troféu/achievement (chamado “Growing Up” ou “Crescendo”, dando a entender que as escolhas anteriores eram fruto de imaturidade). Além disto, também o terceiro DLC “Bloodline” irá ser revisto antes do lançamento, garantindo que “os caminhos que os jogadores passam, reflictam as escolhas que fizeram no jogo”.

Na nossa análise, dissemos que Shadow Heritage “desaponta muita gente que queria outro rumo para Alexios ou Kassandra, vendo assim as suas escolhas deitadas por terra”. Acrescentámos que, apesar de ter bons momentos, “só isto bastou para manchar toda uma expansão”. Vejamos se esta rectificação repõe a normalidade, num jogo que claramente não merece toda esta polémica.

Se já jogaram este DLC e também não gostaram das restrições impostas, será bom aguardarem pela actualização de título a chegar nos próximos dias e repetir esta missão ou recuperar um savegame anterior.