Ubisoft planeia lançar cinco grandes jogos entre 2020 e 2021

32

Foi um anúncio recebido com um misto de perplexidade e alguma admiração. Depois da recepção morna de Ghost Recon: Breakpoint, a Ubisoft decidiu adiar todos os seus grandes projectos previstos para este ano fiscal. E agora é preciso remediar as repercussões.

Na altura deste anúncio, a produtora e editora Francesa revelou que os seus três grandes jogos AAA previstos para este ano fiscal corrente, Watch Dogs: Legion, Rainbow Six: Quarantine e Gods And Monsters, seriam adiados para “o final de 2020, início de 2021”. Segundo o director Yves Guillemot, foi a crítica, recepção e vendas de Breakpoint que ditaram os adiamentos. O director apontou as causas desta recepção, entre outros motivos, para uma necessidade de diferenciar bem as franquias. Curiosamente, foi dos pontos que ditaram a nossa opinião quando analisámos o jogo.

Gozando de uma liberdade sem precedentes, depois de se desvincular dos tentáculos da Vivendi, a empresa tem agora mais poder para tomar este tipo de decisões comerciais. E a justificação de Guillemot faz pleno sentido no ponto de vista criativo. Contudo, há um grupo que a Ubi não pode simplesmente alienar, os accionistas.

Por isso, numa apresentação de movimentos financeiros, a Ubi teve de apaziguar os ânimos por revelar que, afinal, sempre vai lançar jogos ainda em 2020. De acordo com o documento, “cinco jogos” estão escalonados para “2020-2021”. Desses cinco, três serão lançados no “último trimestre de 2020” e outros dois para o “primeiro trimestre de 2021”.

O que significa que, afinal, há mais jogos na calha. Esses cinco jogos incluem, obviamente, Watch Dogs: Legion, Rainbow Six: Quarantine e Gods And Monsters. Os outros dois jogos, são de “grandes franquias”. Quais? Não sabemos, por agora, mas podemos especular. É bem possível que sejam novas entradas nas séries Assassin’s Creed ou Far Cry ou ainda algo nas franquias Anno ou Rayman. Mas, gostávamos de pensar que estaria a caminho um novo capítulo para Splinter Cell ou Prince of Persia. Façam figas…

E não, não nos estamos a esquecer Beyond Good and Evil 2 que tem andado abaixo dos radares nos últimos tempos. Guillemot esclareceu que este jogo não faz parte deste cinco títulos, sobretudo porque ainda está previsto para 2022. E também não é o promissor Skull And Bones, esse também nem sequer está previsto para este ano fiscal.

Estas decisões abalam a condição financeira das empresas. A Ubisoft reportou que os seus actuais jogos, como Rainbow Six: Siege, The Division 2, Ghost Recon Breakpoint, For Honor, The Crew 2 e outros, continuam a gozar de bastante popularidade e lucro, sobretudo por causa do contínuo trabalho e expansões. E também o serviço de “games on demand” Uplay tem gozado de alguma popularidade e crescimento. Só que pode não chegar.

Até final de Dezembro de 2019 a empresa reportou um decréscimo nas vendas na ordem de 16% (17% em net booking) no geral no mesmo período de 2018, talvez sintomático da falta de novos IPs nos últimos meses, pelas prestações aquém do esperado do já mencionado Breakpoint e sem dúvida que esta decisão de adiar os seus títulos em bloco não beneficiou estas contas. Seja como for, a empresa mostra-se optimista com o seu catálogo para o próximo ano fiscal que se inicia a 1 de Abril.