Square Enix “diminui” Tifa e “moderniza” um nível em Final Fantasy VII Remake

226

Bom, na verdade este foi o melhor título que pudemos criar, dado que a notícia é bem mais… incisiva. Na verdade, o departamento de ética da Square Enix quis modificar os seios de Tifa em Final Fantasy VII Remake e usou o pretexto de querer um “corpo atlético”.

Vivemos mesmo numa era do chamado “politicamente correcto”. Dependendo de quem está do outro lado do teclado, os jogos Japoneses sempre foram alvo de escrutínio no que toca à representação feminina das personagens. Formas exageradas, sobretudo no peito, sempre deram que falar. Só que, ultimamente, as empresas são alvo de crítica cerrada quando não obedecem a um determinado padrão de decência.

Talvez por isso, a Square decidiu que a personagem feminina mais proeminente no próximo FF7 Remake, Tifa, teria umas formas algo avantajadas demais. Segundo o produtor Tetsuya Nomura numa explicação ao site Famitsu (via Gematsu), o medo do departamento de ética era que os seios da personagem se tornassem irreais.

A explicação completa acaba por dar menos ênfase a este pormenor, dizendo que queriam que Tifa tivesse “abdominais, um tipo de corpo atlético. O departamento de ética da Square Enix também nos disse que tínhamos de reduzir o peito para que não ficasse contranatural durante os momentos de mais acção”. Curiosamente, isto também significou ajustes na indumentária, com a personagem a vestir “roupa interior preta e uma camisola”.

Não é a primeira vez que ouvimos (ou vemos) ajustes de carácter ético em personagens femininas. Lara Croft da série Tomb Raider é o exemplo mais flagrante, com os últimos jogos a mostrarem a heroína muito menos voluptuosa e mais vestida. Ainda assim, a tendência dos jogos nipónicos, no geral, não é ainda esta. Vejam o exemplo das séries Dead or Alive ou Soul Calibur, só para nomear dois.

E esta “limpeza ética” não se fica por aqui. Segundo Nomura, por causa desta revisão do departamento de ética, a lendária cena da Honey Bee Inn do jogo original também teve de ser revista. O produtor diz que “modernizaram” a cena e que, se tivessem recriado o local como fizeram no original o “mal-estar criado seria avassalador”.

Para quem não sabe, no FF7 original, havia uma missão opcional em Midgar em que Cloud, basicamente, visita um bordel em que as funcionárias usam fatos de abelha. Como se não bastasse este tema sensível, nesta missão Cloud tem de se vestir de mulher para ter acesso à mansão de Don Corneo.

Depois, há uma cena perturbadora em que Cloud tem de entrar num jacuzzi com diversos homens musculados semi-nus. Ainda por cima, em alguns quartos era possível espreitar pela fechadura e… bom… já estão a ver os problemas que isto daria hoje. Nada é visualmente rude ou explícito, o texto era francamente “estupidificado” para não ser ofensivo. Ainda assim, os eventos são hoje em dia complicados de abordar em jogo.

Final Fantasy VII Remake será lançado a 3 de Março de 2020 para Playstation 4.