Polémica com Fortnite desaponta produtores de Among Us

17

Dois jogos do momento, dispensam quaisquer apresentações. Tanto Fortnite como Among Us são dois fenómenos de popularidade, em dois géneros bem diferentes… até que a Epic Games decidiu criar um modo”inspirado” no pequeno indie.

Dizemos “inspirado” porque, se calhar, a palavra ideal nem é essa. O modo Fortnite: Impostors estreou-se no colosso “free to play”, praticamente copiando as lógicas de Among Us. Considerando que o modo Battle Royale deste jogo é também um plágio de outros jogos, não é de admirar. O que admira, tanto à comunidade como aos próprios produtores de Among Us, é que a Epic não tenha tentado uma simples parceria com a produtora Innersloth… de apenas 9 pessoas.

Colocando os dois jogos lado-a-lado, não falando de popularidade, mas sim em termos de budget, projecção e base e jogadores, não é que Among Us alguma vez pudesse fazer frente a Fortnite. Mas, as suas ideias são únicas e a diversão que proporciona atraiu milhões de jogadores, exactamente pela sua originalidade. Já vimos alguns projectos “clone” deste indie, mas agora é o grande tubarão “free to play” a plagiar.

Não estamos aqui a falar de “traços gerais” na cópia, notem. Impostors é desconfortavelmente semelhante a Among Us, tanto e mecânicas como em lógicas e até na fraseologia. A reacção da directora para a comunidade da Innersloth, Victoria Tran, transmite bem o desapontamento da produção, não tanto pelo plágio, mas porque a produtora até estaria aberta a uma simples parceria, semelhante às dezenas que a Epic já fez no passado com os seus jogos.

“Seria mesmo, mesmo porreiro uma colaboração”, diz Tran perante a pergunta se teriam gostado de uma colaboração entre a Epic e a Innersloth. “São apenas horas tristes para um indie”, completa. Mais abaixo, Tran aborda a cópia de ideias e diz que nem havia problemas nas mecânicas serem semelhantes mas “pelo menos usarem temas diferentes ou terminologia faria as coisas mais interessantes?”

Como a comunidade tem observado, não houve grande esforço para esconder o “copy-paste”. Até o mapa de Impostors parece demasiado parecido com o mapa Skeld de Among Us. Alguns fãs chegam mesmo a chamar àquilo que a Epic fez de uma manobra estilo “bootleg” (gíria para uma cópia pirata de outro produto). Certamente a equipa criativa da Epic Games conseguiria criar algo único mas sempre mais fácil copiar, como provou com o modo Battle Royale, numa altura em que PUBG o tornou popular.

Para muitos, este é um caso sério de “bullying criativo”, quando uma mega-corporação de milhões pega numa ideia, recicla-a a seu belo prazer e não dá o devido crédito ao pequeno produtor que teve a ideia original, nem que fosse com um acto de reconhecimento. Notem que esta não é uma prática inédita, nem sequer é rara nesta indústria. A Epic Games só está a fazer o que é já uma infeliz “normalidade”, uma vez que patentear mecânicas de jogo não é habitual nem é um processo fácil.