Mais empresas de videojogos suspendem vendas na Rússia

54

Depois de vermos como a indústria dos videojogos se galvanizou para protestar contra a invasão da Rússia na Ucrânia, lentamente outras empresas se têm juntado. Agora são mais três com enorme peso.

A Nintendo suspendeu as vendas na sua loja Nintendo eShop Russa, depois de vários utilizadores terem reportado dificuldades a fazer pagamentos. Horas depois dos primeiros alertas, a Nintendo acabou por colocar a loja em “modo de manutenção”, efectivamente encerrando-a neste território.

Segundo a Nintendo, esta situação foi causada pela suspensão do processamento de transacções em Rublos (moeda Russa) no serviço de pagamentos. Ou seja, neste caso a Big-N foi forçada a suspender a loja sob pena se não ser possível pagar compras na loja. Até ver, não parece que se trate de uma acção de protesto.

Também a Epic Games Store tem a sua loja suspensa em território Russo. Desta feita, porém, esta sim é uma acção de protesto e não um acto involuntário. Num comunicado sucinto, a Epic Games informa que a loja foi bloqueada neste país. No entanto, diz a empresa, a sua aplicação continua acessível, pelo menos na parte das comunicações, uma vez que a Epic diz que “o mundo livre deve manter todas as linhas de diálogo abertas”.

Em sincronismo com a sua empresa-mãe Microsoft, que recentemente inibiu novas compras Russas nas suas plataformas. também a Activision-Blizzard decidiu suspender as vendas na Rússia. Segundo o presidente e COO Daniel Alegre num comunicado oficial, a suspensão de novas vendas de jogos e de transacções nos mesmos na Rússia, surge em solidariedade com a Rússia. Anunciou ainda que está a apoiar activamente organizações humanitárias na Ucrânia.

Será de prever que nas próximas semanas várias outras empresas se juntem em medidas semelhantes. É preciso notar que, por mais que ninguém fique indiferente e deseje contribuir, cada dia em que uma loja é restrita numa região representa perdas para esta empresas.

É discutível se as suas perdas financeiras são equivalentes à perda de vidas humanas, é verdade, mas também não se sabe até que ponto estarão estas medidas a fazer o efeito desejado no lado Russo. Para o Presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, as sanções internacionais são “declarações de guerra”. O que serão estas restrições de lojas internacionais?