Jogadores dizem o que mudariam em Ghost Recon: Breakpoint

16

Cheio de boas intenções, Ghost Recon: Breakpoint foi bastante divisor. E a Ubisoft quis saber o que os jogadores mudariam neste jogo. As respostas não surpreenderam assim tanto: Os jogadores não gostam da maioria das ideias da produção.

Comparado com o jogo anterior, Breakpoint introduziu uma jogabilidade inteiramente online, com modo cooperativo puro, com sessões “drop in-drop out”, anulando os companheiro de equipa controlados pela IA. Também introduziu uma lógica de looter-shooter com equipamento de raridade e pontuação variável. Ora, foram exactamente estes pontos que dividiram os jogadores.

A Ubisoft, como dissemos na nossa análise, “quis aglomerar toda a sua experiência noutras franquias num só local e acabou por exacerbar os seus maiores problemas”. E esta recente sondagem mostra que os jogadores também não gostaram desta misturada de conceitos. Estes são os destaques dos resultados.

  • Mais de 70% dos jogadores querem mais conteúdo de história.
  • Mais de 60% querem mais armas novas.
  • Mais de 50% querem os companheiros IA de volta.
  • Mais de 50% querem mais personalização das personagens e armas.
  • Mais de 40% querem mais inimigos de diferentes tipos.
  • Mais de 35% querem eliminar o esquema de raridade e pontuação do loot.
  • Mais de 30% querem uma forma de jogar offline.
  • Cerca de 25% quer veículos mais realistas.
  • Mais de 20% querem a bússola no HUD.

Em resposta, a Ubi revelou que muitas destas alterações (e outras que não estão aqui listadas), estão já em desenvolvimento ou em investigação. Sobretudo nas imensas reclamações levantadas pela navegação, em tantos momentos frustrante.

No fundo, lendo estes resultados, quase todas as novidades impostas pela Ubi foram apontadas como algo a “resolver”. No fim de contas, os jogadores queriam “Wildlands” de volta, como uma sequela ou expansão nas ilhas Skell. De facto, tanta inovação e divisão dos fãs não beneficiou o jogo que também não agradou assim muito a crítica.