Insólito – EA faz piada com jogos a solo, a comunidade reage

27

Há muitas discussões acesas sobre vários temas no mundo dos videojogos. Marcas, franquias, até estilos de jogo, há sempre um “partido” para tomar. A Electronic Arts acabou por tocar numa das discussões mais delicadas.

Será que os modos de jogo a solo estão realmente obsoletos? Será que nos dias que correm, só mesmo os jogos com modos online interessam? Desde há alguns anos que a tendência é que, mesmo os jogos tradicionalmente “single-player” cada vez “se liguem” mais online. Alguns títulos deixaram mesmo os modos offline para se dedicarem inteiramente ao multi-jogador.

Contudo, muitas séries ainda hoje se mantém de “pedra e cal” no modo de carreira a solo. Outras podem experimentar uma integração de elementos online pontuais, como modos cooperativos ou até de “invasão” de outros jogadores mas, no cerne, continuam a ser jogados a solo. Não imaginamos títulos como Resident Evil, The Legend of Zelda, God of War, The Witcher, Assassin’s Creed e tantos outros sem o seu modo de carreira a solo. Aliás, alguns experimentaram e falharam completamente.

A EA parece pensar outra coisa. Muitos dos seus jogos ainda possuem modos a solo mas nota-se que o foco da maioria das suas franquias, como os jogos de desporto da EA Sports, por exemplo, estão cada vez mais focados no online. Battlefield 2042, inserido numa franquia que tem vindo a trazer campanhas a solo (nem sempre boas) como oferta, foi lançado apenas com modos inteiramente online.

Talvez por causa deste seu foco, a EA decidiu lançar uma farpa, uma piada “fácil” no Twitter que caiu muito mal na maioria das reacções:

A piada vem no seguimento de uma série de memes que visam brincar com um contraste entre o aspecto de alguém atraente, mas que possui um entrave sério, quase sempre jocoso. A piada varia de onde a lerem ou de quem a publica. Poderão encontrar algo do género “ela é uma nota 10 mas anda de sandálias Crocs”, por exemplo. Já devem ter percebido a piada.

Neste caso, a EA diz que “eles são um 10 mas só gostam de jogar jogos a solo”. O que deixa no ar, não só uma piada forçada, como é uma clara intenção de dizer que jogar “single-player” é algo negativo. O pronome “eles” pode aqui ter duas interpretações: ou é um pronome plural propositado para ser genérico (algo “politicamente correcto”) ou está a referir-se à comunidade de jogadores como um todo.

Seja lá qual foi a ideia da EA, sem pensar muito, “insultar” a comunidade de jogadores que prefere jogar títulos a solo, é uma péssima ideia. Aliás, a empresa, como já dissemos, tem até vários jogos para jogar a solo, como os FIFA, The Sims, Need for Speed, Mass Effect, Star Wars Jedi: Fallen Order, entre outros, até títulos futuros como Dead Space.

Por mais que a EA force o online em alguns destes jogos, por mais que o online facture bem mais, a comunidade que joga offline é, claramente, uma importante fatia das suas receitas. Quem quer que seja que publicou esta piada não tem noção destas realidades, não pensou duas vezes ou precisa de umas lições de redes sociais.

É que a reacção não se fez esperar. O falhanço que foram jogos inteiramente online, como Anthem ou o já mencionado Battlefield 2042 foram prontamente usados como (maus) exemplos deste foco da EA. Várias personalidades também se pronunciaram em defesa dos jogos a solo, inclusive produtores, como Cory Barlog, o produtor de God of War. A Electronic Arts lá teve de se retratar mas não se pode dizer que o tenha feito da forma mais “limpa”, gralhas e tudo:

É, de facto, de uma profunda ironia que uma empresa que vive de criar franquias com fortes componentes offline decida insultar meia comunidade. Dos melhores jogos dos últimos anos, a maioria foram experiências a solo ou, pelo menos, possuem uma experiência multi-jogador limitada ou opcional.

Não é, de todo, algo diminuidor que se prefiram jogos a solo, regra geral, baseados na narrativa, com desafios específicos ideais para quem prefere uma experiência solitária ou personalizada. É uma preferência. E a EA devia saber isto tão bem…