Electronic Arts não terá a sua habitual conferência em directo no EA Play

92

Depois de anos nesse ritmo, este ano a EA não vai fazer uma conferência na E3/EA Play.

Todos os anos, as principais empresas do mundo dos videojogos escolhem um evento de grande escala, como a E3 ou Gamescom, para apresentar as suas novidades. Contudo, as coisas têm vindo a mudar e a Electronic Arts foi das primeiras a adoptar alternativas.

Há cerca de três anos, a EA decidiu abandonar as conferências da E3, criando o seu próprio evento paralelo com o EA Play. É, basicamente, um evento na sombra dessa que é a maior feira de entretenimento do mundo, acontecendo na mesma cidade (Los Angeles) e num fim de semana paralelo. Ao longo de três anos, a EA tem apresentado os seus jogos nesse espaço, através de conferências em directo e demonstrações ao vivo.

Se quiserem saber como foi o EA Play 2018, sigam este artigo onde destacamos as principais novidades dessa edição, que fica assim para a história como a última nesse formato. Até ver, claro.

Mas, este ano será diferente. O EA Play vai na mesma acontecer na mesma semana da E3 e igualmente num espaço nas proximidades desse grande evento. Só que nesta edição, a EA decidiu não realizar qualquer conferência de imprensa, alegando que se vai “falar menos e jogar mais”.

Segundo o anúncio oficial, o EA Play irá arrancar no dia 7 de Junho com demonstrações, transmissões em directo de jogos, algumas palestras e outros eventos semelhantes, que “substituem a conferência de imprensa”, trazendo assim “mais do que os jogadores querem, mais jogabilidade e informações das equipas que fazem os jogos”.

O intuito da EA parece louvável, se de facto é isso que o jogadores pedem. Contudo, é de recordar que os últimos tempos não têm sido muito brilhantes para a EA, lutando com relatórios financeiros menos positivos, jogos que “não atingem a marca” e outras questões que não têm reunido consenso ao longo do tempo.

É bem possível que a EA, perante essas questões menos positivas, não queira se expor num evento público. Há quem avance que, simplesmente, também possa não ter nada de significativo para mostrar. Há ainda quem especule que o orçamento não permite muito mais do que foi anunciado. Seja qual fora razão, este ano, pelos vistos, há mais um tradição de longa data que se perde.