Canais de notícias Indianos usam imagens de Arma III alegando serem reais

29

Em muitas ocasiões, vimos jogos de computador, sobretudo os mais recentes e impressionantes visualmente, a serem usados para reportagens e vídeos alegamente de situações reais. Arma III é capaz de ser o mais visado nestas situações.

Como todos estarão a par, os dias são tumultuosos no Afeganistão. Na galopante retomada de poder no país pelos Talibã, só faltava consumar a vitória total no vale de Panjshir onde ainda existia (existe?) uma força de resistência. Recentemente, os Talibã declararam vitória no vale, alegadamente com ajuda do vizinho Paquistão, que alguns meios de comunicação avançaram teria efectuado ataques aéreos em posições dos resistentes.

Obviamente, os meios de comunicação, ávidos por imagens que lhes confiram audiências, não perderam tempo a tentar encontrar provas deste envolvimento do Paquistão. Vários canais Indianos, um eterno país rival do Paquistão, precipitaram-se a partilhar imagens do que alegavam ser provas dos ataques paquistaneses. Contudo, olhos mais sagazes viram de imediato a falsidade.

O vídeo em questão, com marca de água de exclusividade de uma tal de “Hasti TV”, não é, de todo, de uma unidade paquistanesa em acção, não representa sequer um ataque real e também nem é exclusivo deste canal. A compressão exagerada da qualidade é propositada para esconder alguns aspectos, especialmente a silhueta do avião. Ainda assim, é fácil ver que vídeo é.

Este é um tristemente célebre vídeo criado no jogo Arma III que mostra um sistema de defesa anti-aéreo contra um modelo A-10C Thunderbolt II recriado em jogo. Mesmo que o vídeo fosse realista, a força aérea do Paquistão nem sequer possui esta aeronave em inventário.

Segundo respondeu um representante da produtora Bohemia Interactive à PC Gamer, as imagens são de facto do seu jogo, sendo “estranhamente usada diversas vezes por meios de informação para dar suporte às suas notícias”. A viralidade deste vídeo é tal que vários outros jogadores já recriaram este mesmíssimo cenário, numa tentativa de aumentar a sua audiência.

Não quer dizer que a televisão Indiana seja uma referência na insenção jornalística, mas é um bom exemplo de como podemos ser enganados e manipulados por imagens enganosas. Os mais atentos dificilmente cairão neste engodo mas nem todos terão a mesma percepção. Enquanto ajudar nas pretensas agendas políticas ou nas guerras de audiências, dificilmente veremos o fim deste tipo de aproveitamento inusitado.