Baldur’s Gate III não será afectado por novo licenciamento de D&D

6

Nos últimos dias, terão notado que a comunidade de Dungeons & Dragons está ao rubro com uma pretensa alteração de licenciamento da franquia. Felizmente, Baldur’s Gate III parece a salvo de repercussões.

A editora Wizards of the Coast, detentora dos direitos de D&D, está a causar imensa contestação nos últimos dias. Em causa estão alterações profundas no licenciamento que está a preparar para o conteúdo de terceiros baseado nesta franquia. Estas alterações não entraram em vigor, é preciso notar. Foram reveladas numa pretensa fuga de informação (via Gizmodo) e já foram revistas, mas o mal está feito…

Em termos gerais, as novas propostas de alteração ao licenciamento visam restringir os direitos sobre todas as histórias, personagens e eventos criados por terceiros inspirados no lore de D&D. Até à data, todas essas criações, comerciais ou não, teriam de obedecer a uma Open Game License (OGL) de 2000 que foi sempre considerada bastante leniente e aberta.

Contudo, desde que a CEO Cynthia Williams entrou nos comandos da WotC em Dezembro passado, por orientação da empresa-mãe Hasbro, essa “abertura” parece estar a mudar. A revelação deste documento interno parece indicar uma frieza na avaliação do conteúdo, restringindo o uso do material inspirado em D&D, considerando posse da Hasbro tudo o que for criado neste universo e ainda pagando royalties mais altos de “até 25% dos lucros”, sendo estes retroactivos!

Este documento gerou uma profunda contestação, não apenas de empresas que criaram jogos, livros e outro conteúdo baseados em D&D, mas também dos fãs que escreveram e criaram o seu próprio conteúdo, alguns deles fazendo disso a sua carreira profissional. Para muitos, esta é uma “traição”, um acto de “ganância corporativa” e que, claramente, irá a destruir uma comunidade com décadas de trabalho e dedicação.

Entretanto, uma petição crescente de mais de 50.000 mil assinantes foi criada (via TechCrunch) a repudiar as propostas contidas no documento. O êxodo de fãs e criadores de conteúdo, no entanto, já está a acontecer. A Wizards of the Coast lá se viu na obrigação de responder às imensas críticas dos fãs. Anunciou mesmo um retrocesso nas cobranças de royalties mas… ainda ficaram muitas perguntas no ar e nem todos gostaram da reacção.

O momento é crítico para a franquia, portanto. Ainda por cima, há uma nova edição do lendário jogo de tabuleiro prestes a ser lançada. Ver os fãs a abandonar a franquia é tudo que a Hasbro não queria ouvir neste momento. E, é claro, teremos o muito aguardado Baldur’s Gate III que tem esta franquia como base, a ser lançado ainda neste ano. E é aqui que nos afecta em particular.

Ao que tudo indica, segundo o site VG247, os estúdios Larian confirmaram que o jogo “não será afectado pelas alterações da Open Gaming License”, embora preferissem “não comentar o debate a decorrer em torno das mudanças” tornadas públicas. Não foi esclarecido se a produtora recebeu a notificação com a nova OGL, mas várias produtoras confirmaram que a receberam. A produtora também não quis partilhar a sua opinião sobre esta discussão.

Na nossa análise de acesso antecipado, dissemos que Baldur’s Gate III tem “uma história fantástica, personagens interessantes e uma jogabilidade viciante”. O jogo está ainda em desenvolvimento, com o seu lançamento oficial será ainda neste ano. Entretanto, está já disponível em acesso antecipado via Steam.