Produtora de Atomic Heart criticada por posição vaga em relação à guerra

19

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia não tem dado tréguas, dentro e fora do campo de batalha. A produtora de Atomic Heart, a Mundfish, está a ser alvo de críticas pela sua opinião sobre o conflito.

Para muitos, Atomic Heart, um jogo passado numa utópica antiga União Soviética, tendo um agente do KGB como protagonista, é um jogo de origem Russa. A Mundfish foi, de facto, originalmente fundada na Rússia, actualmente sediada no Chipre depois da guerra começar. Para todos os efeitos, tecnicamente, é uma empresa Cipriota mas… enfim.

Perante a sua origem, muita gente tem-se questionado sobre a posição da empresa em relação à guerra, com o espectro das sanções internacionais à Rússia sempre a pairar, como tem vindo a acontecer ultimamente com quase tudo o que tem origem na Rússia. A resposta da produtora às muitas solicitações, não foi a mais esclarecedora. Ou, pelo menos, a que as pessoas mais esperavam ouvir:

A mensagem é incrivelmente prudente, reconhecendo as várias perguntas quanto à posição da Mundfish, mas não menciona sobre o quê, temos de o sub-entender. A mensagem prossegue dizendo que são uma “organização para a paz e contra a violência contra pessoas”. O que é francamente vago e encaixa para os dois lados do conflito. Bom, encaixa em qualquer conflito actual, passado ou futuro.

Não é de admirar esta busca por uma “neutralidade” da produtora. Em várias ocasiões, tem-se descartado da sua origem, até mesmo na sua página oficial, onde menciona que a equipa é composta por criativos de 10 países… mas só menciona 9, claramente omitindo a origem Russa de alguns elementos. Também nas redes sociais, fóruns e Discord, esforça-se por se esquivar de “perguntas difíceis” e chega mesmo a bloquear algumas intervenções mais incisivas.

De facto, se quiserem fugir à ira da opinião pública, as produtoras Russas (ou de origem Russa) precisam trilhar com cuidado nesta matéria. A ira da opinião pública é muito severa quanto a posições extremistas ou, de alguma forma, “contra a corrente”. A “cultura do cancelamento” está muito activa e é implacável, com notícias de ataques pessoais a elementos de produção, manifestos, comentários públicos depreciativos e até mesmo incitações ao boicote.

A produtora tem muito a perder nesta fase, é preciso notar. Se se posicionar no lado da opinião pública ocidental, a sua “raíz” Russa pode nunca perdoar a “traição”. Também posicionar-se no lado Russo seria absolutamente fatal para o jogo (para já) e para a produtora (a médio/longo prazo), por causa dos vários investidores internacionais e acordos de distribuição com empresas ocidentais. Talvez isso explique o tom da resposta.

Atomic Heart será lançado a 21 de Fevereiro de 2023 para a PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X|S e PC. É um dos jogos que estamos a antecipar para 2023.