Area F2 foi sumariamente cancelado

77

Depois da pressão clara exercida pela Ubisoft, com a acção mais pública ser um processo em tribunal para obrigar a Apple e a Google a remover os jogos das suas lojas, eventualmente Area F2 acabou cancelado. A produtora Ejoy, porém, não admite o plágio.

A história, se bem se recordam, é que o jogo em causa foi acusado pela Ubi de ser uma “quase fotocópia” de Rainbow Six: Siege. Ao que parece, a produtora e editora Francesa terá exigido a remoção do jogo das lojas, entre outras medidas que estamos certos intentou. A pressão foi eficaz, ao que parece, uma vez que o jogo foi, entretanto, cancelado.

Desde os menus, até à jogabilidade, passando pelo design e diversos elementos “criativos”, havia, de facto, uma base clara para a alegação da Ubisoft. Embora o jogo fosse criado para mobile, não escondeu a sua “influência” em R6: Siege, um jogo que ainda não está disponível nas plataformas móveis e que goza de bastante popularidade.

Contudo, a produtora Ejoy afirma que o jogo voltará. Disse em comunicado (em baixo) que vai efectuar “algumas melhorias para melhorar a experiência dos jogadores”. Poderia ser apenas uma pausa na produção, mas a empresa irá cancelar o jogo por completo, oferecendo mesmo reembolsos a quem fez aquisições na sua loja dentro do jogo.

Imagem do site: GamingOnPhone

A justificação da produtora para este cancelamento não podia ser mais “tone deaf”, uma vez que falam que precisam de cancelar o jogo por causa da “curva de aprendizagem” e como, “enquanto produtores” não estão “dispostos a aceitar uma experiência que não seja suave para o máximo de jogadores”. Considerando o plágio a R6: Siege, será esta uma crítica ao jogo da Ubisoft?

Em lado nenhum é mencionada a alegação da Ubisoft. E a Ejoy ainda soube vangloriar-se do seu feito. Com o seu jogo-plágio, argumenta que chegou ao Top 3 dos jogos “free to play” da App Store em algumas regiões, além da sua alegada popularidade entre os streamers e youtubers.

Enfim, parece-nos que a pressão foi demais para esta produtora Chinesa. Por vezes, vemos alguns jogos “inspirados” noutros ou com elementos semelhantes de jogabilidade. Neste caso, porém, parece que temos de dar razão à Ubi. A Ejoy pode ter ido longe demais e ainda finge que nada se passou.