Começamos o ano em beleza, a voar, claro. Por cá continuamos no Microsoft Flight Simulator (analisado aqui, aqui e aqui) e não abdicamos da qualidade do Thrustmaster TCA Sidestick Airbus Edition (analisado aqui) e do seu companheiro Throttle Quadrant da mesma linha, analisado em baixo. E agora há mais dois grandes argumentos, com os Thrustmaster TCA Quadrant Add-on Airbus Edition. Longo título, sem dúvida.

Embora reconheça que estas duas extensões tinham mais sentido se fossem lançadas em conjunto com o quadrante, até entendo os motivos da Thrustmaster vender este kit em separado. Eventualmente, todos os amantes da linha Airbus (e não só, como irão ver) gostarão de completar esta colecção TCA para “voar em beleza. Contudo, há muitos anos que o mercado de periféricos para simulação de voo tem um padrão de simplicidade, com a dupla Joystick + Quadrante a dominar os pacotes mais procurados. Por outro lado, há uma questão de preço, aliado, claro, a uma outra questão de oportunidade comercial, mesmo que este kit tenha chegado mais tarde que os produtos base.

Contudo, há aqui uma grande contradição neste último ponto. É que não poderão usar estas duas extensões sem o quadrante base. Por baixo, a ligação é feita com dois cabos tipo SATA (sim, dos discos rígidos nos PCs) e não é possível qualquer tipo de utilização sem os mesmos. O que significa que não os podemos usar a solo ou em conjunto com outro quadrante, pelo menos saídos da sua caixa. Este pormenor só reforça a minha posição, em que me parecia mais interessante um kit completo com o quadrante e add-ons, ao invés desta venda em separado e desfasada no tempo.

E este é outro pormenor curiosos. Só no final de 2020 é que este conjunto ficou disponível na Europa. Até lá, se encontrassem stock nas lojas, só mesmo o conjunto Sidestick + Quadrante ficou disponível. O mesmo aconteceu com os suportes de mesa para esta linha de produtos, já agora. A causa, segundo a TM, foi mesmo a lenta retoma na produção das fábricas e várias questões de logística, com a pandemia a dificultar todas estas operações. Agora que temos tudo completo e do nosso lado, vamos finalmente analisar o conjunto como um todo, especialmente o que este novo kit adiciona ao já fantástico quadrante.

Como já disse, a ligação dos dois add-ons é feita ao quadrante com uns pequenos cabos SATA na parte inferior. É também necessário aparafusar umas pequenas peças de plástico que, elas sim, fixam as duas adições no quadrante. No final, ficamos com uma peça robusta, que não oscila muito e beneficia de uma base larga em prol da estabilidade. Ainda assim, aconselho a aparafusarem esta base a alguma superfície mais sólida, recorrendo aos orifícios próprios. A alternativa é usar fitas de velcro para prender toda a unidade. É que, apesar de tudo, é um conjunto leve no seu todo.

Tal como o avião em que se inspira, o Airbus A320, o add-on esquerdo traz uma manete de spoilers/speed brakes e o da direita traz uma manete de flaps, ambas desenhadas tal qual as manetes reais do A320. Dado o design deste conjunto, porém, quando montamos as duas peças, estas não estão localizadas na sua posição real, abaixo da linha do quadrante de potência no A320, ficando no lugar das rodas de compensação. É uma opção de design, torna o conjunto visualmente mais harmonioso mas removem um pouco o conceito de “réplica” que vimos, tanto no sidestick, como no quadrante.

Infelizmente, estas manetes não possuem duas importantes funcionalidades e uma delas, sinceramente, faz imensa falta na operação do Airbus. A manete de flaps tem lá o pequeno puxador, como podem ver na imagem, mas falta-lhe o travão de posição, que no avião real temos de levantar para mover esta manete. No entanto, para mim a maior perda é a da posição de armar spoilers na manete esquerda, levantando-a na posição “RET”, um dos procedimentos importantes na aterragem. Num lado positivo, as duas manetes possuem os respectivos dentents para cada posição, devidamente identificada.

Nas bases dos dois add-ons estão diversas funcionalidades que, não sendo correctamente posicionadas, são importante adições para qualquer cockpit caseiro. A da esquerda dá-nos a manivela de duas posições (up e down) do trem de aterragem e um sistema de Auto-Brake que, infelizmente, faz lembrar (demais) o design Boeing, com um selector rotativo. Funciona, claro, mas creio que os puristas não irão gostar desta substituição. Felizmente, no outro add-on o travão de parque e o selector de compensação do leme vertical são bem mais realistas.

Operando o novo quadrante com estes extras, eleva bastante a quantidade de funcionalidades disponíveis, prescindindo mais do teclado e dando-nos mais facilidade e acessibilidade na operação. No fundo, é o pretendido. Confesso que algumas posições não são muito ergonómicas, fruto de uma compactação que não pensou em mãos grandes. Operar com a mão esquerda nas as manetes de potência com flaps seleccionados, por exemplo, tende a prender um pouco os movimentos. É um compromisso de um design compacto, cujo benefício é não ocupar a mesa inteira. Há que saber lidar…

Por outro lado, gostei bastante da facilidade e integração com o Microsoft Flight Simulator. Uma vez mais, a ideia é voar o seu Airbus A320 mas podemos usar este sistema com qualquer aeronave no simulador. Obviamente, as posição dos detents de flaps e spoilers são específicas do avião em que se inspira mas tudo o resto é perfeitamente adaptado a outros aparelhos. E notem que, tal como acontece com o quadrante de potência, também podem comutar duas peças na parte inferior, que basicamente eliminam os ímanes dos detents, criando dois eixos completamente livres.

Veredicto do TCA Quadrant Add-on

É uma importante adição ao já aclamado quadrante da Thrustmaster nesta linha TCA. Não é propriamente uma réplica realista dos controlos reais do Airbus A320 mas o kit TCA Quadrant Add-on Airbus Edition prima pela facilidade de acesso a importantes operações do avião replicado e dos demais aviões que decidam voar. A sua montagem é simples, é suficientemente robusto e completa bem qualquer cockpit caseiro. Apenas reforço que devia fazer parte do conjunto original e a sua venda em separado e posterior, quanto a mim, não me parece uma boa estratégia.

[Análise original do Thrustmaster TCA Quadrant Airbus Edition de 26 de Outubro de 2020]

Este tem sido um ano peculiar. O novo Microsoft Flight Simulator (analisado aqui, aqui e aqui) veio aumentar a procura por periféricos de simulação de voo e a Thrustmaster não teve mãos a medir. O Thrustmaster TCA Sidestick Airbus Edition que já foi analisado por nós, foi um sucesso tal que esgotou em pouco tempo. E agora o seu companheiro Thrustmaster TCA Quadrant Airbus Edition deverá sofrer o mesmo destino.

O motivo deste sucesso sem precedentes da linha TCA é óbvio. Além destes periféricos serem licenciados pela Airbus Industries, com réplicas dos sistemas do Airbus A320, o novo joystick aposta num design sóbrio que inclui tecnologia de elevada qualidade, com destaque para os sensores digitais magnéticos da tecnologia HEART (Hall Effect AccuRate Technology). O Quadrante de Potência que iremos ver hoje, aposta na mesma qualidade tecnológica e também é uma réplica das manetes de potência do avião real. Entre as suas muitas características que já iremos analisar, tem uma particularidade muito apetecível: o preço. Por 99,99€ (PVP médio recomendado) não irão encontrar um quadrante de potência estilo Airbus, com estas características todas e pronto a usar.

Convenhamos que a Thrustmaster não tem sido feliz com o seu design de quadrantes de potência para aviação virtual. Os primeiros HOTAS Cougar e HOTAS Warthog eram réplicas dos aviões que se dispunham a reproduzir (F-16C Falcon e A-10C Thunderbolt II respectivamente), sendo muito robustos e com a devida precisão necessária. Contudo, depois a TM decidiu apostar em tecnologia mais barata, que não mereceu grandes apreciações. Não por causa da construção ou alguma funcionalidade em falta. Teve mais a ver com o seu design. O anterior TM TWCS Throttle assentava numa lógica de carril que o tornava demasiado linear e nada realista. Felizmente, numa busca por realismo, a TM abandonou esse design falível para algo mais ergonómico.

O novo TCA Quadrant coloca as duas manetes de controlo de potência num sistema de pivot, bem mais natural ao movimento da mão. São pequenas réplicas em plástico de dois motores independentes e, tal como o avião real, é um sistema ambidextro, podendo ser colocado para a mão esquerda ou direita sem quaisquer problemas. A principal característica destas manetes é que possuem os famosos detents com as zonas dedicadas aos modos automáticos de Auto-Thrust da Airbus, a saber: o sector de Reverse e os modos de Idle, Climb, MCT/FLEX e TO/GA. Têm também duas palhetas realistas embutidas que se levantam para poder entrar na zona de thrust reverse. E ainda incluem os práticos botões vermelhos para desligar o Auto-Thrust na lateral das pegas.

 

De um modo geral, as manetes de controlo de potência funcionam como o pretendido, mas há algumas cedências lógicas que gostaria que fossem melhoradas. De modo a operar os detents com espaço, o curso disponível para controlo manual dos motores é, quanto a mim, muito curto com apenas 2.5 cm entre os modos Idle e Climb. Isto é fruto da menor dimensão do quadrante em si, claramente. Por outro lado, a fricção disponível é também um pouco escassa. Podemos sempre ajustá-la com uma chave de parafusos na frente, mas mesmo rodado até ao máximo não é muito forte. É uma fricção ajustada também ao peso leve do sistema, afinal. Se calhar com mais força a prender as manetes sem acoplar o quadrante a uma mesa, é possível que não o conseguissem operar convenientemente.

Se, por ventura não quiserem usar estas manetes como um Airbus, não há problema. Por baixo do quadrante há duas peças que podem ser desaparafusadas e que removem os ímanes nos detents. Ao fazer isto, o curso fica livre de 0 a 100%. É também possível remover o controlo dos reverses, levantando as palhetas e rodando um travão na lateral. E é ainda possível trancar as duas manetes uma à outra, funcionando como um só controlo. Para isso, temos de usar um pequeno grampo fornecido e atravessá-lo num orifício. Um pouco arcaico, mas funciona. E, sim, podem comprar dois quadrantes para simular um quadrimotor. Terão de trocar os autocolantes dos switches do Engine Control e no frontal há um pequeno comutador para indicar que o controlo das manetes correspondem aos motores 1 e 2 ou 3 e 4.

Uma questão pertinente que considero algo preocupante, tem a ver com o sistema de palhetas dos reversers. As duas molas que imobilizam as palhetas estão fixas em dois pequenos braços de plástico que me parecem um tanto frágeis demais. É, de facto, uma operação rara a destas palhetas, quase sempre apenas na aterragem. Ainda assim era bom que a TM apostasse em algo ligeiramente mais robusto.

Na base deste quadrante encontrarão mais alguns controlos importantes na lógica Airbus. Temos dois switches de Engine Control, um selector do sistema de arranque com três posições e dois botões adicionais no lugar dos dois avisadores de cada motor. Uma vez mais, este sistema não é iluminado, tal como o sidestick já revisto. No entanto, gostava que estas luzes avisadoras de falha ou fogo no motor acendessem, mas entendo que o nível de programação tivesse de ser outro.

De resto, contem com a tomada tipo RJ12 para os pedais da Thrustmaster (por enquanto apenas os já conhecidos T.Flight RP), ligando-os assim ao quadrante e poupando uma entrada USB. Também temos uma ligação do próprio quadrante via tomada USB-C (convertida em USB-A normal no outro lado). Uma nota curiosa para duas tomadas do protocolo SATA na parte inferior, estas servirão no futuro para ligar os dois addons ainda não disponíveis (já vou falar neles mais abaixo).

Quadrante de potência num Airbus A320 real.

Pegando no quadrante (e no sidestick) para umas voltas pelos vários simuladores, testei este sistema no X-Plane 11, P3DV5 e, claro, no Microsoft Flight Simulator. De um modo geral, dependendo do módulo do Airbus A320 que optem, gostarão de saber que os detents e reversers correspondem a botões internos e não penas zonas de eixos. Isto é particularmente importante para alguns add-ons que possuem a possibilidade de programar botões específicos para os modos do auto-thrust. Fora desta lógica, podendo, como já disse, desactivar os detents e reverses, a operação linear é também possível para qualquer aeronave. Com excepção de um pormenor: não tem roda de compensador, como já repararam. Enfim, terão de usar o trim eléctrico programado em algum botão do sidestick.

Sim, quando opero o A320 mesmo, o curso manual de controlo de potência é, de facto, muito curto. Dirão os defensores da lógica de Auto-Thrust do Airbus, que é raro controlar um avião manualmente num voo normal. Contudo, em muitas ocasiões, um avião comercial, seja ele mais ou menos automatizado, tem de ser controlado à mão. Tirando as condições atmosféricas adversas, de facto, as descolagens e aproximações são feitas manualmente e o controlo de potência necessita de constantes ajustes. Ajustes esses, que são dificultados com apenas 2.5 cm de espaço de manobra. Felizmente, não temos grandes variações de velocidade, especialmente na aterragem. Noutros aviões, porém, aconselho a simplesmente desactivar estes detents para terem mais curso de operação.

Para além do já mencionado TCA Sidestick Airbus Edition, a Thrustmaster também está a planear mais uns quantos produtos para acompanhar este TCA Quadrant Airbus Edition. Dois importantes add-ons estão planeados, embora ainda não hajam datas de lançamento ou preço anunciado. Um adiciona o controlo dos spoilers/speed brakes, controlo de trem de aterragem e um comutador de auto-brake. O outro adiciona o controlo dos Flaps, travão de parque e o controlo de compensado de leme vertical (rudder trim). Para estes addons, temos quatro peças especiais para os acoplar ao quadrante. Outro add-on importante é o suporte metálico para mesa. Em conjunto com outro suporte para o sidestick, torna a vossa mesa um autêntico cockpit, sem dúvida.

Se ficaram entusiasmados pelo que mostro e descrevo acima, por esta altura estarão prontos para comprar o sidestick, este quadrante ou até o famoso TCA Officer Pack que inclui os dois dispositivos em bundle, por um preço de 159,99€. Contudo, por esta altura, lamento informar, também este bundle ou apenas o quadrante deverão estar esgotadíssimos. A Thrustmaster está a trabalhar continuamente para repor o stock nas lojas, especialmente com as Festividades a aproximarem-se. Mesmo assim, é um pouco imprevisível se conseguirão uma unidade para o vosso hobby tão depressa. Consultem o site da Thrustmaster que vende directamente ou fiquem atentos às lojas da especialidade.

Veredicto

Continuando a excelente missão de replicar os dispositivos de controlo a bordo de um Airbus A320, também o Thustmaster TCA Quadrant Airbus Edition é uma excelente adição para o vosso hobby preferido. Em complemento com o TCA Sidestick Airbus Edition, faz um excelente trabalho de replicar a operação única dos aviões do consórcio Europeu. Tem algumas questões de design que mereciam uma revisão, admito. Mas, sem dúvida, é mais uma excelente relação de preço/qualidade, com um importante intuito de nos trazer algo realista num avião tão peculiar, mas também permitir operar outros aviões com simples alterações mecânicas. O principal problema, é a sua possível escassez nas lojas.