Este tem sido um ano peculiar. O novo Microsoft Flight Simulator (analisado aqui, aqui e aqui) veio aumentar a procura por periféricos de simulação de voo e a Thrustmaster não teve mãos a medir. O Thrustmaster TCA Sidestick Airbus Edition que já foi analisado por nós, foi um sucesso tal que esgotou em pouco tempo. E agora o seu companheiro Thrustmaster TCA Quadrant Airbus Edition deverá sofrer o mesmo destino.

O motivo deste sucesso sem precedentes da linha TCA é óbvio. Além destes periféricos serem licenciados pela Airbus Industries, com réplicas dos sistemas do Airbus A320, o novo joystick aposta num design sóbrio que inclui tecnologia de elevada qualidade, com destaque para os sensores digitais magnéticos da tecnologia HEART (Hall Effect AccuRate Technology). O Quadrante de Potência que iremos ver hoje, aposta na mesma qualidade tecnológica e também é uma réplica das manetes de potência do avião real. Entre as suas muitas características que já iremos analisar, tem uma particularidade muito apetecível: o preço. Por 99,99€ (PVP médio recomendado) não irão encontrar um quadrante de potência estilo Airbus, com estas características todas e pronto a usar.

Convenhamos que a Thrustmaster não tem sido feliz com o seu design de quadrantes de potência para aviação virtual. Os primeiros HOTAS Cougar e HOTAS Warthog eram réplicas dos aviões que se dispunham a reproduzir (F-16C Falcon e A-10C Thunderbolt II respectivamente), sendo muito robustos e com a devida precisão necessária. Contudo, depois a TM decidiu apostar em tecnologia mais barata, que não mereceu grandes apreciações. Não por causa da construção ou alguma funcionalidade em falta. Teve mais a ver com o seu design. O anterior TM TWCS Throttle assentava numa lógica de carril que o tornava demasiado linear e nada realista. Felizmente, numa busca por realismo, a TM abandonou esse design falível para algo mais ergonómico.

O novo TCA Quadrant coloca as duas manetes de controlo de potência num sistema de pivot, bem mais natural ao movimento da mão. São pequenas réplicas em plástico de dois motores independentes e, tal como o avião real, é um sistema ambidextro, podendo ser colocado para a mão esquerda ou direita sem quaisquer problemas. A principal característica destas manetes é que possuem os famosos detents com as zonas dedicadas aos modos automáticos de Auto-Thrust da Airbus, a saber: o sector de Reverse e os modos de Idle, Climb, MCT/FLEX e TO/GA. Têm também duas palhetas realistas embutidas que se levantam para poder entrar na zona de thrust reverse. E ainda incluem os práticos botões vermelhos para desligar o Auto-Thrust na lateral das pegas.

 

De um modo geral, as manetes de controlo de potência funcionam como o pretendido, mas há algumas cedências lógicas que gostaria que fossem melhoradas. De modo a operar os detents com espaço, o curso disponível para controlo manual dos motores é, quanto a mim, muito curto com apenas 2.5 cm entre os modos Idle e Climb. Isto é fruto da menor dimensão do quadrante em si, claramente. Por outro lado, a fricção disponível é também um pouco escassa. Podemos sempre ajustá-la com uma chave de parafusos na frente, mas mesmo rodado até ao máximo não é muito forte. É uma fricção ajustada também ao peso leve do sistema, afinal. Se calhar com mais força a prender as manetes sem acoplar o quadrante a uma mesa, é possível que não o conseguissem operar convenientemente.

Se, por ventura não quiserem usar estas manetes como um Airbus, não há problema. Por baixo do quadrante há duas peças que podem ser desaparafusadas e que removem os ímanes nos detents. Ao fazer isto, o curso fica livre de 0 a 100%. É também possível remover o controlo dos reverses, levantando as palhetas e rodando um travão na lateral. E é ainda possível trancar as duas manetes uma à outra, funcionando como um só controlo. Para isso, temos de usar um pequeno grampo fornecido e atravessá-lo num orifício. Um pouco arcaico, mas funciona. E, sim, podem comprar dois quadrantes para simular um quadrimotor. Terão de trocar os autocolantes dos switches do Engine Control e no frontal há um pequeno comutador para indicar que o controlo das manetes correspondem aos motores 1 e 2 ou 3 e 4.

Uma questão pertinente que considero algo preocupante, tem a ver com o sistema de palhetas dos reversers. As duas molas que imobilizam as palhetas estão fixas em dois pequenos braços de plástico que me parecem um tanto frágeis demais. É, de facto, uma operação rara a destas palhetas, quase sempre apenas na aterragem. Ainda assim era bom que a TM apostasse em algo ligeiramente mais robusto.

Na base deste quadrante encontrarão mais alguns controlos importantes na lógica Airbus. Temos dois switches de Engine Control, um selector do sistema de arranque com três posições e dois botões adicionais no lugar dos dois avisadores de cada motor. Uma vez mais, este sistema não é iluminado, tal como o sidestick já revisto. No entanto, gostava que estas luzes avisadoras de falha ou fogo no motor acendessem, mas entendo que o nível de programação tivesse de ser outro.

De resto, contem com a tomada tipo RJ12 para os pedais da Thrustmaster (por enquanto apenas os já conhecidos T.Flight RP), ligando-os assim ao quadrante e poupando uma entrada USB. Também temos uma ligação do próprio quadrante via tomada USB-C (convertida em USB-A normal no outro lado). Uma nota curiosa para duas tomadas do protocolo SATA na parte inferior, estas servirão no futuro para ligar os dois addons ainda não disponíveis (já vou falar neles mais abaixo).

Quadrante de potência num Airbus A320 real.

Pegando no quadrante (e no sidestick) para umas voltas pelos vários simuladores, testei este sistema no X-Plane 11, P3DV5 e, claro, no Microsoft Flight Simulator. De um modo geral, dependendo do módulo do Airbus A320 que optem, gostarão de saber que os detents e reversers correspondem a botões internos e não penas zonas de eixos. Isto é particularmente importante para alguns add-ons que possuem a possibilidade de programar botões específicos para os modos do auto-thrust. Fora desta lógica, podendo, como já disse, desactivar os detents e reverses, a operação linear é também possível para qualquer aeronave. Com excepção de um pormenor: não tem roda de compensador, como já repararam. Enfim, terão de usar o trim eléctrico programado em algum botão do sidestick.

Sim, quando opero o A320 mesmo, o curso manual de controlo de potência é, de facto, muito curto. Dirão os defensores da lógica de Auto-Thrust do Airbus, que é raro controlar um avião manualmente num voo normal. Contudo, em muitas ocasiões, um avião comercial, seja ele mais ou menos automatizado, tem de ser controlado à mão. Tirando as condições atmosféricas adversas, de facto, as descolagens e aproximações são feitas manualmente e o controlo de potência necessita de constantes ajustes. Ajustes esses, que são dificultados com apenas 2.5 cm de espaço de manobra. Felizmente, não temos grandes variações de velocidade, especialmente na aterragem. Noutros aviões, porém, aconselho a simplesmente desactivar estes detents para terem mais curso de operação.

Para além do já mencionado TCA Sidestick Airbus Edition, a Thrustmaster também está a planear mais uns quantos produtos para acompanhar este TCA Quadrant Airbus Edition. Dois importantes add-ons estão planeados, embora ainda não hajam datas de lançamento ou preço anunciado. Um adiciona o controlo dos spoilers/speed brakes, controlo de trem de aterragem e um comutador de auto-brake. O outro adiciona o controlo dos Flaps, travão de parque e o controlo de compensado de leme vertical (rudder trim). Para estes addons, temos quatro peças especiais para os acoplar ao quadrante. Outro add-on importante é o suporte metálico para mesa. Em conjunto com outro suporte para o sidestick, torna a vossa mesa um autêntico cockpit, sem dúvida.

Se ficaram entusiasmados pelo que mostro e descrevo acima, por esta altura estarão prontos para comprar o sidestick, este quadrante ou até o famoso TCA Officer Pack que inclui os dois dispositivos em bundle, por um preço de 159,99€. Contudo, por esta altura, lamento informar, também este bundle ou apenas o quadrante deverão estar esgotadíssimos. A Thrustmaster está a trabalhar continuamente para repor o stock nas lojas, especialmente com as Festividades a aproximarem-se. Mesmo assim, é um pouco imprevisível se conseguirão uma unidade para o vosso hobby tão depressa. Consultem o site da Thrustmaster que vende directamente ou fiquem atentos às lojas da especialidade.

Veredicto

Continuando a excelente missão de replicar os dispositivos de controlo a bordo de um Airbus A320, também o Thustmaster TCA Quadrant Airbus Edition é uma excelente adição para o vosso hobby preferido. Em complemento com o TCA Sidestick Airbus Edition, faz um excelente trabalho de replicar a operação única dos aviões do consórcio Europeu. Tem algumas questões de design que mereciam uma revisão, admito. Mas, sem dúvida, é mais uma excelente relação de preço/qualidade, com um importante intuito de nos trazer algo realista num avião tão peculiar, mas também permitir operar outros aviões com simples alterações mecânicas. O principal problema, é a sua possível escassez nas lojas.