Se há conjuntos de joystick + throttle que são autênticas referências no mercado de periféricos da simulação de voo são os sistemas HOTAS da Thrustmaster. Os lendários TM HOTAS Cougar e TM HOTAS Warthog, têm agora um novo add-on, o F/A-18C Hornet HOTAS Add-On Grip que é uma réplica a pensar no DCS: F/A-18C Hornet.

Se olharem para a gama de produtos da Thrustmaster, sobretudo na linha de volantes de automobilismo, vão notar uma tendência para soluções modulares. Os sistemas de travão de mão, caixas de velocidades e mesmo volantes e bases dos mesmos, assentam numa lógica de escolha do utilizador, permitindo, por exemplo, mudar um volante de Fórmula 1 por um de GT em segundos. Na verdade, tanto o sistema Cougar no seu tempo, como o Warthog, há muito que suportam esta opção modular na sua base de joystick. Acontece que, até agora, apenas a lendária pega do F-16/A-10 esteve disponível para estes sistemas. Outras empresas já tinham aproveitado esta modularidade e lançado pegas da sua autoria. Contudo, a Thrustmaster, em parceria com a Eagle Dynamics, veio agora colmatar esta lacuna com um produto oficial, aproveitando o novo módulo a ser lançado no DCS World.

Estamos, obviamente a falar do DCS: F/A-18C Hornet já por nós visitado. Apesar de continuar (ainda) em acesso antecipado, o Hornet está prestes a ser um dos módulos mais avançados do DCS World. Por isso, nada como ter uma peça de hardware dedicada a si. A nova pega foi fielmente replicada à escala 1:1 de uma pega do flightstick do McDonnell Douglas/Boeing F/A-18C Hornet. A fidelidade é tal, que este é um produto oficial da Boeing, algo que a TM faz questão de mencionar na caixa e no próprio manual desta nova peça Em termos de aspecto e construção, não podíamos pedir algo mais fiel ao original, com uma construção quase totalmente em metal, alguns elementos em plástico de excelente qualidade e um acabamento exemplar.

Curiosamente, o design desta pega não é exclusivo do F/A-18. Como acontece várias vezes na concepção de aviões de combate, o flightstick é muitas vezes partilhado por vários modelos diferentes. É por isso que a pega HOTAS Cougar partilha o mesmo design de joystick que o HOTAS Warthog, por exemplo. O stick usado no venerável A-10 Warthog é o mesmo usado no F-16 Falcon. Há muitas vantagens neste tipo de opção de design, uma delas é facilidade de aquisição de peças em comum e outra é a familiaridade dos controlos para os pilotos. No caso deste design de pega neste add-on do F/A-18, irão notar (nas imagens acima) que partilha o design com o AV-8B Harrier e com o F-15C Eagle, curiosamente, dois módulos que também encontrarão no DCS World.

Sabemos que estamos perante um produto “premium” desde o primeiro contacto com a própria caixa desta nova pega. A Thrustmaster faz questão de nos recordar da sua eterna busca por equipamento de qualidade, quando nos apresenta uma embalagem tão estilizada. Lá dentro, encontrarão uma caixa com tampa dedicada, com uma base no formato da pega, para a armazenar sempre que a troquem por outra. Além disso, encontrarão também o sucinto manual e uma breve explicação de como instalar a pega no Cougar ou Warthog. Só faltou, se calhar, um segundo formato na base na caixa para podermos colocar aqui as pegas do Cougar ou Warthog quando queremos usar esta. É só uma ideia, obviamente.

O primeiro contacto é francamente positivo. Mesmo sem a usar ainda em simulador, notei que a pega é ligeiramente mais leve que a do meu TM HOTAS Warthog. Poderá ser pela densidade da liga metálica usada ou pela inclusão de elementos de plástico, seja o que for, nota-se que é ligeiramente mais leve. E é também um pouco mais alta. Bom, na verdade, o que é mesmo mais alta é a posição da mão. Em utilização dos botões de combate, a nossa mão assenta mais acima, descansando na sua curvatura frontal mais acentuada. E mesmo em cruzeiro, a mão fica mais alta assente mais abaixo. Quando vi as primeiras imagens desta pega, notei que não tem um repouso inferior para o pulso, como tem a pega do F-16/A-10. Agora entendo porquê, mesmo tendo ficado apreensivo pelo potencial cansaço.

Poderão, então, instalar esta nova pega tanto em sistemas HOTAS Cougar como no HOTAS Warthog mas preparem-se para uma cedência ao nível de botões disponíveis. Esta nova pega contém os 19 botões replicados da pega original do F-18, mais um comutador adicional de 2 posições e 1 botão adicional a pensar nos comando de centragem do VR (e Track IR). Irão notar a ausência de um dos comutadores do Cougar/Warthog, de facto não temos três (TMS, DMS e CMS) mas dois (Sensor Control Switch ou “castle switch” e o Weapon Select Switch no polegar). Falta-nos o DMS, o que nos obrigará sempre a ir buscar a pega do F-16/A-10C para estes aparelhos em particular.

E há ainda outra cedência um pouco mais delicada no caso do Cougar. Dado que o F-16 Falcon não possui um botão no selector das contra-medidas (CMS), apenas o selector de quatro posições, este botão em particular não vai funcionar na pega do F/A-18C com esta base. Convenhamos que este sistema HOTAS quer replicar o F-16 Falcon, que não tem mesmo esse botão. Por outro lado, o Cougar foi lançado em 2002, sendo “substituído” pelo Warthog em 2012. Que esta base ainda receba suporte para um nova pega ao fim de tantos anos e depois de já ter sido descontinuado no mercado, é um feito.

A instalação, de facto, não podia ser mais fácil. Desenroscam a pega original do Cougar/Warthog da base, usando o anel apropriado e depois invertem o processo com a nova pega, tendo cuidado para alinhar perfeitamente a tomada tipo PS2 no interior. Não há mais nada a ter em conta. De facto, apesar de no manual ser aconselhado instalar um novo firmware da Thrustmaster para usar a nova pega, notei que o joystick respondeu de imediato, com todos os botões disponíveis. O mapeamento é praticamente igual, com excepção do redireccionamento de alguns botões e da ausência do tal selector DMS.

Dada a nova posição da mão e o peso aparentemente menor da pega, notei nos meus testes no DCS que a operação me pareceu mais “suave”. Pode ser apenas sugestão, mas não me pareceu. A ergonomia, de facto, faz toda a diferença. E a pega do F/A-18 beneficia de alguns anos de desenvolvimento da McDonnell Douglas (agora Boeing) em criar um sistema de interacção mais adaptado ao piloto. A tal falta de uma base de repouso na parte inferior que me deixou apreensivo, não é tão problemática como tinha pensado, mantendo a mão repousada na tal curvatura da pega. É também uma questão de hábito, depois de tantos anos a voar na pega original do Warthog.

De resto, em voo, é sempre útil termos os sistemas exactamente iguais à aeronave que estamos a pilotar. É perfeitamente discutível, obviamente, se preferem adaptar os botões e eixos ao vosso gosto. No caso do quadrante de potência do HOTAS Warthog, por exemplo, é óbvio que tive de adaptar estes botões e eixos, porque estes foram desenhados para o A-10C. Ainda assim, replicar os sistemas directos do avião na pega, faz bastante diferença. O sistema HOTAS, ou Hands On Throttle And Stick, pressupõe que o piloto possa operar uma boa parte dos sistemas, sobretudo armamento, sem tirar as mãos dos controlos. Quando mais próximo estiver do real, mas ergonomia de operação vamos encontrar.

No que toca à operação propriamente dita, não há compromissos possíveis. O pega do F/A-18C é robusta quanto baste como seria de esperar. Uma das principais diferenças, está nos botões e selectores. As molas são fortes e os botões possuem uma sensação de toque muito próxima às teclas de um teclado mecânico. Sobretudo o segundo estágio do gatilho que obriga a carregar com muito mais força que a pega do F-16/A-10. Recordo que estes flightsticks são pensados para serem usados com luvas e todo o feedback mais “presente” é bem vindo. Esta robustez até nos faz esquecer que os próprios botões, selectores e gatilhos são de plástico e não em metal como nas pegas originais.

Por fim, tenho de mencionar aquela que poderá ser a questão que mais se faz nestes dias quando se fala nesta pega: o seu preço. Como já disse acima, este é um produto “premium”. No seu lançamento, os próprios sistemas HOTAS Cougar e HOTAS Warthog foram algo dispendiosos, com este último ainda hoje a ser vendido acima dos 300€. Esta pega para o F/A-18C Hornet tem um custo recomendado de 199€, um preço algo elevado para muitos. Contudo, dada a sua robustez e qualidade geral, aliada ao facto de ser uma réplica licenciada, consigo ver o porquê deste valor associado a um produto que é, para todos os efeitos, um add-on para outro igualmente dispendioso.

Embora paguem um valor algo elevado, não estão a comprar uma peça de plástico “parecida” ao avião em questão. Estão a comprar uma peça em metal, com elementos em plástico, de elevado rigor na reprodução e uma durabilidade invejável. Tal como acontece nos outros periféricos para simulação, quanto maior for a qualidade de construção e rigor técnico, mais dispendiosa é a peça. Isto é uma lógica que sempre acompanhou o mundo da simulação. E qualquer amante de simuladores, seja de aviação, condução, ou qualquer outro meio, sabe que as réplicas se pagam bem. A contrapartida, como sempre, é que não há aqui compromisso nenhum. Melhor, só mesmo a pega real “arrancada” do cockpit de um Hornet.

Em complemento à TM F/A-18C Hornet Add-on Grip e ao TM HOTAS Warthog, recomendo vivamente as botoneiras TM MFD Cougar, os auscultadores TM T.Flight USAF Edition e, obviamente, os pedais TM Pendular Rudder, tudo produtos de excelente qualidade comprovada da Thrustmaster. Fica só a faltar o cheiro a combustível JP-8..

Veredicto

Fiquei francamente bem impressionado com esta pega. A Thrustmaster F/A-18C Hornet HOTAS Add-On Grip é uma peça essencial para quem quer pilotar o DCS: F/A-18C Hornet com o máximo realismo possível. Esta modularidade adoptada pela Thrustmaster é uma excelente ideia que nos permite adquirir um bom sistema e comutar as pegas de acordo com o aparelho que voamos. Só falta mesmo um dia termos um quadrante de potência dedicado e ficamos ainda mais contentes. A ergonomia de um sistema HOTAS tão próximo do avião real, aliada à robustez e qualidade de construção típicas da TM, fazem desta pega obrigatória para os mais exigentes. O preço pode, de facto, ser algo intimidador mas, se o que procuram é fidelidade, o retorno é absolutamente garantido.

Notem que este produto tem data prevista de lançamento apenas para 25 de Julho de 2019. Esta análise foi possível graças à amabilidade da Thrustmaster/Guillemot que nos fez chegar o produto em acesso antecipado.