Jogos do Ano 2021 para o WASD

89

Considerando tantos adiamentos neste ano, 2021 não foi um ano assim muito brilhante para esta indústria. Ainda assim, tivemos óptimos títulos para disfrutar, tornando difícil a nossa escolha para os Jogos do Ano 2021 para o WASD.

Ainda estamos no meio de uma pandemia global, pelo que qualquer tipo de desenvolvimento de jogos e respectivo lançamento é um feito para muitas produtoras e editoras. Este foi um ano de esforço, nada facilitado pela falta de recursos de hardware no mercado e um decréscimo geral no poder de compra.

Tudo somado, porém, poderia ser bem pior. Até tivemos bons lançamentos, com imensos destaques nas várias categorias. Em algumas delas foi mesmo difícil escolher um vencedor destacável. Reunimos para vocês as nossas preferências que, obviamente, variam de acordo com o gosto pessoal de cada um.

Vencedor: Star Wars: Knights of the Old Republic – Remake

2022 terá excelentes jogos em perspectiva, alguns deles são títulos muito esperados, especialmente porque muitos deles foram adiados de 2021 para esse ano. KotOR, porém, tem um lugar especial no nosso coração. É impossível não estar nesta lista, ainda mais impossível não ser o jogo que mais esperamos, já que na redação somos fãs incondicionais de Star Wars. Um remake de um dos melhores RPGs de sempre é sempre uma boa notícia. Se for feito com o devido cuidado será um novo marco para a saga em termos de videojogos. Cá o esperamos.

Menções Honrosas da Redacção

  • Elden Ring
  • Horizon: Forbidden West
  • Starfield

Vencedor: GTA: The Trilogy – Definitive Edition

Qualquer um dos outros jogos nas menções abaixo podia levar o “prémio”. Mas este jogo foi uma completa desilusão em termos de polimento, conteúdo e respeito geral por três clássicos intemporais. É complemente escusado qualquer tipo de desculpas perante os bugs grosseiros, glitches flagrantes e outros problemas que foram encontrados, dando uma irónica sensação geral que os originais eram melhores que as remasterizações. É que a Rockstar sempre teve fama de “perfeccionista”. Como diz o ditado popular: “no melhor pano, cai a nódoa!”

Menções Desonrosas da Redacção

  • Battlefield 2042
  • Werewolf: The Apocalypse – Earthblood
  • PES/eSports 2021

Vencedor: Razer Iskur

Não há volta a dar. São caras, sim, mas são as melhores cadeiras de gaming que temos no mercado. Infelizmente, há tantas cadeiras alegadamente para jogar, quase sempre simples backets de automóvel adaptadas, nem sempre com materiais de qualidade, que os preços pesam na hora da compra. As cadeiras Iskur, porém, são um produto premium, com um design realmente inovador e a pensar no conforto. A Razer aposta sempre na qualidade para justificar o preço. Tantas horas a jogar, é óbvio que não querem compromissos de saúde. Não há melhor escolha, então.

Menções Honrosas da Redacção

  • Thrustmaster TCA Boeing Yoke
  • Intel Alder Lake
  • Razer Kraken Ultimate

Vencedor: Xbox Cloud Gaming

Foi, sem dúvida, das melhores inovações que tivemos nesta indústria. A principal novidade é que permite jogar um título Xbox em qualquer dispositivo compatível, desde um smartphone a um computador de escritório, na pausa do trabalho, isto sem recorrer ao hardware local, necessitando apenas de uma boa ligação à internet. A qualidade tem vindo a melhorar, assim como as latências nos controlos. Embora mais serviços de cloud compitam pela nossa atenção, em conjunto com o Xbox Game Pass Ultimate é a melhor oferta possível do mercado.

Menções Honrosas da Redacção

  • Xbox Game Pass
  • PlayStation Plus
  • Steam

Vencedor: Maggie Robertson como Lady Dimitrescu em “Resident Evil: Village”

Não há como negar que o enorme carisma que Maggie Robertson conseguiu transmitir à personagem Alcina Dimitrescu vendeu o jogo. Mesmo antes de ser lançado, a vampira gigante já possuía uma legião de fãs e o lançamento só veio comprovar a sua popularidade, tornando-a numa das personagens mais memoráveis desta série e desta indústria. Robertson não apenas emprestou a voz, também fez a captura de movimentos de Dimitrescu. Esta entrega deu-nos uma série de cenas intermédias inesquecíveis que criaram momentos memoráveis e… muitos memes.

Menções Honrosas da Redacção

  • Giancarlo Esposito como Anton Castillo em “Far Cry 6”
  • Jason E. Kelley como Colt Vahn em “Deathloop”
  • Ozioma Akagha como Julianna Blake em “Deathloop”

Vencedor: It Takes Two

A produtora Hazelight tem-nos habituado a jogos cooperativos inteligentes. Jogos que alcançaram uma considerável ressonância nesta indústria, como Brothers: A Tale of Two Sons e A Way Out. Contudo, nenhum chegou ao nível alcançado por It Takes Two, que representa muito bem a soma de todas as ideias e engenho aprendidos neste longo caminho criativo da produtora. O irreverente produtor Josef Fares tinha desafiado a comunidade por dizer que pagaria a quem não gostasse do jogo (e explicasse porquê). Pensamos que, por esta altura, ganhou a aposta.

Menções Honrosas da Redacção

  • Mario Party: Superstars
  • Just Dance 2021
  • Let’s Sing! 2021

Vencedor: Kena: Bridge of Spirits

Embora tivéssemos outras expectativas deste jogo, achando mesmo que poderia chegar perto de rivalizar com a série Zelda, este foi um dos melhores jogos independentes do ano. As suas maiores qualidades são o seu design cuidado, a sua acção, tanto acessível, como desafiante e a sua vontade de ser maior. Talvez lhe faltasse um pouco mais para realmente surpreender. Contudo, ficámos rendidos à missão de Kena e, como jogo independente, representa um esforço enorme e um óptimo exemplo que o orçamento não é tudo para criar algo significativo.

Menções Honrosas da Redacção

  • Valheim
  • Sable
  • The Forgotten City

Vencedor: I Expect You To Die 2

Este título, exclusivamente criado para a realidade virtual, coloca-nos no papel de um super-espião capaz de escapar a qualquer situação de morte. Como sequela, consegue manter o humor característico do título original, ao mesmo tempo que adiciona novos e melhores quebra-cabeças, capazes de nos ocupar umas boas horas até descobrirmos como sobreviver a qualquer ameaça. Gostámos tanto de o jogar que, no final, ainda regressámos para fazer todos objectivos secundários e speeds-runs. É absolutamente essencial para quem gosta do género e tem um dispositivo VR.

Menções Honrosas da Redacção

  • Resident Evil 4
  • Hitman 3
  • Sniper Elite VR

Vencedor: Deathloop

Parece uma contradição que um jogo de história não linear, com uma lógica convoluta de viagem no tempo e pedaços de enredo misturados, tenha a melhor narrativa do ano. Contudo, quando tudo se conjuga (eventualmente) cria uma narrativa francamente engenhosa e muito bem construída. Para isso, contribuem as suas personagens principais, entre protagonistas com planos diferentes e vilões ricos em detalhes. Todo o jogo está desenhado para surpreender, sendo a sua história o fio condutor. Em cada loop, há uma nuance, um diálogo, um desenlace. Genial.

Menções Honrosas da Redacção

  • Marvel’s Guardians of the Galaxy
  • Psychonauts 2
  • It Takes Two

Vencedor: Halo: Infinite

Tantos anos de espera só poderiam criar um jogo que tirasse pleno proveito das novas Xbox Series X|S. Visualmente impressionante, com tantos aprimoramentos técnicos mas mantendo muito do design já familiar. Há tantos detalhes brilhantes que é difícil apostar num que se destaque. E a produção não se ficou pela versão Xbox, também no PC o jogo é um marco técnico de enorme envergadura. Tanto online como offline, Zeta Halo é uma peça de arte em movimento, com os seus “actores” criados com enorme cuidado e atenção aos detalhes. E não é só aqui que o jogo convenceu.

Menções Honrosas da Redacção

  • Microsoft Flight Simulator – Xbox
  • Forza Horizon 5
  • Deathloop

Vencedor: Marvel’s Guardians of the Galaxy

Que outro jogo podia ganhar? Nem tanto pela sua banda-sonora original, mais pela selecção de músicas clássicas de vários géneros nos anos 80/90. Culpem os filmes pela influência óbvia em trazer temas musicais intemporais ao jogo. Honestamente, seria impossível jogar com Peter Quill e companhia sem ouvir “The Final Countdown” dos Europe, “Holding Out for a Hero” de Bonnie Tyler ou “Take On Me” dos A-ha. Aliás, ficamos na dúvida se a maior porção do orçamento não terá ido para estas licenças musicais. Seja como for, só adicionou qualidade a um jogo que gostámos muito.

Menções Honrosas da Redacção

  • Deathloop
  • NiER: Replicant
  • Halo: Infinite

Vencedor: Call of Duty: Vanguard

Incontornável. Por mais que a série Call of Duty já não seja propriamente o mesmo colosso online de outrora, é ainda uma das mais importantes franquias da acção online. Não é que hajam grandes novidades, mas a acção tem vindo a ser refinada com imensa qualidade. Num ano turbulento para a Activision, a produção da Sledgehammer Games trouxe-nos uma jogabilidade competitiva bem polida, sem esquecer a acção cooperativa com zombies e, claro, um novo capítulo para Warzone. Há muita oferta online, é certo, mas acabamos “caídos” em Vanguard com os amigos.

Menções Honrosas da Redacção

  • Halo: Infinite
  • Back 4 Blood
  • New World

Vencedor: Guilty Gear -Strive-

Bem recebido por crítica e fãs, o jogo de combate da Arc System Works trouxe tudo o que os jogadores queriam e mais. Visualmente soberbo, com óptimos momentos que fazem lembrar filmes Anime, um balanceamento muito bom entre as suas 15 personagens e uma boa aposta na acessibilidade para os novatos, deram-lhe óptimas pontuações e avaliações. Tem, mesmo assim, uma boa dose de desafio para quem quiser realmente dominar cada golpe e movimento. E cada personagem tem as suas próprias características e habilidades. Não teve concorrência à altura.

Menções Honrosas da Redacção

  • Virtua Fighter 5: Ultimate Showdown
  • Demon Slayer: The Hinokami Chronicles
  • Melty Blood: Type Lumina

Vencedor: Forza Horizon 5

O festival Horizon voltou em força, cheio de vontade de mostrar que a série não é apenas uma “alternativa” a Forza Motorsport. O maior mapa de sempre, um visual arrebatador, só possível com as capacidades do hardware mais recente, é das melhores experiências de condução, variando entre o estilo arcade e a simulação. Neste ano até tivemos vários jogos de corridas de automóveis que poderiam rivalizar com esta nova aposta da Playground Games. Contudo, assim que o tivemos em mãos percebemos que tínhamos algo especial. E os fãs concordaram.

Menções Honrosas da Redacção

  • FIFA 22
  • F1 2021
  • Riders Republic

Vencedor: Resident Evil: Village

Depois do reboot à série feito por Resident Evil VII, as portas estavam abertas a toda uma nova história de maior envergadura. A segunda aventura de Ethan Winters cativou-nos desde o início. Apesar desta nova entrada na série ser mais focada na acção que na temática tradicional de terror, foi um jogo mais ambicioso em dimensão, com uma passada mais rápida e que nunca perde aquela tensão característica da série. O que resultou muito bem em conjunto com uma história empolgante, repleta de locais fantásticos e personagens riquíssimas.

Menções Honrosas da Redacção

  • Marvel’s Guardians of the Galaxy
  • Ratchet & Clank: Rift Apart
  • Metroid Dread

Vencedor: Age of Empires IV

É um óbvio vencedor, a partir do momento em que consideramos o seu longo histórico e a vontade de “reciclar” os jogos tradicionais. Há, de facto, imensa nostalgia latente neste quarto AoE, com a Relic Entertainment a fazer questão de honrar muito bem esse legado. É discutível se esta franquia e as suas mecânicas e lógicas trouxeram algo de novo ao género, mas foram e são dos melhores e mais populares títulos RTS de sempre. E este quarto jogo capitaliza de forma brilhante no seus pontos positivos, trazendo óptimas novas ideias e um visual fantástico.

Menções Honrosas da Redacção

  • Humankind
  • Evil Genius 2: World Domination
  • Inscryption

Vencedor: Mass Effect: Legendary Edition

Ok, ok, não é um jogo novo, bem sabemos. Nem sequer é “um” jogo mas uma trilogia remasterizada. Contudo, depois do flop técnico e comercial que foi Mass Effect: Andromeda, todos estavam com receio que a franquia e a produtora Bioware se perdessem pelo caminho. Nada como recuperar esta que é uma série icónica no género RPG, “lavar-lhe a cara” e devolvê-la aos fãs, num pacote completo (com algumas omissões), reeditado com imenso cuidado. Esta trilogia merecia regressar. Enquanto não chega o prometido quarto jogo, a remasterização dos originais foi óptima.

Menções Honrosas da Redacção

  • Scarlet Nexus
  • Monster Hunter: Rise
  • Tales of Arise

Vencedor: Halo: Infinite

Este é um género sempre difícil de listar, ainda mais difícil de apontar um jogo que se destaque. Invariavelmente, os jogos lançados mais tarde são melhor retidos. Neste ano, o vencedor até foi claro, não apenas porque nos lembramos melhor dele. O multi-jogador é ainda um clássico instantâneo de acção frenética e a carreira a solo foi das melhores experiências Halo de sempre, com um mundo semi-aberto e uma nova história cheia de boas passagens. Em termos de interacção, quando pegamos nas armas, temos o devido desafio desta fórmula com 20 anos mas ainda jovem.

Menções Honrosas da Redacção

  • Far Cry 6
  • Call of Duty: Vanguard
  • Returnal

Vencedor: Halo: Infinite

Já sabem como somos, nem sempre os nossos melhores jogos do ano são consensuais. Contudo, depois de ganhar as categorias de visual e de jogo de acção, havia pouca concorrência para o mais recente jogo da 343 Industries. Em anos idos, conseguimos sempre premiar jogos diferentes nas categorias mas neste ano este jogo foi uma constante nomeação em várias delas. Foi mesmo difícil afastá-lo do pódio. As suas falhas não mancham o empenho da produção em criar algo novo sem desrespeitar os 20 anos de franquia ou a dedicação dos fãs. Adorámos cada minuto.

Menções Honrosas da Redacção

  • Resident Evil: Village
  • Deathloop
  • Marvel’s Guardians of the Galaxy