Tudo que sabemos de Call of Duty: WWII

1261

No final do dia de ontem, a Activision convidou todo o mundo a estar presente na sua revelação do próximo Call of Duty. Não iria entusiasmar tanta gente se fosse mais uma continuação do seu tema futurista. Só que Call of Duty: WWII é um regresso às origens e isso fez com que a Internet parasse para entrar em delírio logo de seguida.

Bom, talvez a palavra “delírio” seja um exagero. Contudo, logo depois da revelação, uma breve passagem pela recém-criada página do jogo na plataforma Steam, dava conta que a sua pré-encomenda já estava na lista de Top-Sellers. O que é um bom sintoma da receptividade deste jogo e da expectativa da comunidade.

Digamos que COD: WWII não deixou ninguém indiferente, sobretudo depois de uns anos a trepar paredes que deixaram muita gente insatisfeita com o rumo deste franchise. Não será nunca possível agradar a todos, obviamente. Mas, com tantos jogos seguidos passados no futuro, notava-se a saturação da comunidade. Infinite Warfare foi um bom jogo com imensas qualidades assinaláveis, mas veio testar a paciência de muita gente.

No rigor, foi com o tema da Segunda Guerra Mundial que surgiram os primeiros Call of Duty. E foi lá que se assumiu como um dos maiores sucessos do género de acção na primeira pessoa. E é, no mínimo, oportuno que regresse em força a esse conflito. A concorrência também apostou numa ida ao passado, embora num conflito diferente, com resultados muito positivos. É notório que a comunidade está a preferir novamente os combates lineares um pouco mais próximos da realidade.

Ao que tudo indica, segundo a própria apresentação de ontem, este jogo esteve a ser planeado desde há cerca de dois anos. Isto leva-nos a crer que a produção da série já estava ciente da saturação do tema futurista. Agora a cargo da Sledgehammer Studios este jogo tem a importante tarefa de devolver o interesse dos fãs pela série. Desaparecem os jetpacks, o parkour, as armas futuristas e até as naves espaciais, regressa a acção pura e dura das botas na lama.

Começando pela oferta a solo deste jogo. Sabemos que Call of Duty WW2 abordará as infames batalhas entre as Tropas Aliadas e os Nazis, desde o primeiro dia da 2ª Guerra Mundial, que se iniciou no “Dia D” a 6 de Junho de 1944. A campanha irá acompanhar diversas missões e batalhas pela visão de personagens da 1ª Divisão de Infantaria do Exército dos Estados Unidos da América, Exército Britânico e pela Resistência Francesa. Diversos conflitos famosos serão apresentados, desde o desembarque na Normandia até à invasão da Alemanha e outros eventos-chave.

Foi revelado que diversas mecânicas foram revistas para tornar esta campanha mais visceral e representativa da brutalidade dos conflitos reais em que se inspira. Regeneração de energia ou pickups de munições não serão adicionados ao jogo, o que significa que é preciso um maior esforço de equipa para passar as missões. Percam o vosso médico ou porta-munições e terão de ser muito mais estratégicos e comedidos a gastar balas.

Não há muito mais para revelar no que toca a esta campanha. Haviam rumores de que poderia haver um regresso de um modo cooperativo nesta campanha, mas ainda não foi possível apurar os moldes em que esse modo será jogado. Ao que parece, será uma experiência à parte da própria história da campanha. Muito possivelmente poderão ser nos moldes das missões cooperativas que tínhamos em MW2.

O que podemos concluir é que a campanha terá o mesmo rigor histórico e cinematográfico que a série já nos habituou. É inegável que as imagens deste jogo que aqui apresentamos possuem imensa qualidade visual. Esperamos apenas que a jogabilidade acompanhe esta qualidade. É que há imensos pormenores de qualidade soberba. E, graças ao trailer alegadamente correr com o motor gráfico do jogo, parece que não é apenas cosmética para a apresentação.

Mas um bom Call of Duty que se preze deve ter bons modos multi-jogador para fazer jus ao seu legado. WW2 terá algumas novidades interessantes neste campo, com um novo modo de jogo chamado “War”, com missões online em jeito de campanha, orientadas para uma narrativa contínua. Este modo fez-nos recordar em parte o lendário modo “Frontlines” de Battlefield 1. Mas, vamos assumir que é só um lapso comparativo.

Também o progresso das personagens online será revisto, com o ingresso de uma nova lógica chamada de “Divisions”. Escolhemos uma divisão e progredimos nas patentes dessa unidade. E todos os fãs de hubs comunitários, como tivemos na “Tower” de Destiny, gostarão de saber que “Headquarters” age exactamente como um local de convívio e interacção com os demais soldados.

E, sim, também teremos Zombies neste jogo. Este modo de campanha cooperativa episódica fará o seu regresso em COD: WWII, como uma história separada e com novos mapas e mecânicas de jogo. Infelizmente, não foram reveladas muitas informações sobre este modo, mas todos desejamos a remasterização do lendário mapa “Nacht der Untoten” que fez nascer este modo em Call of Duty: World At War, na altura também na Segunda Guerra Mundia, sendo aliás o último jogo da série neste tema.

E, se desejarem, já podem pré-encomendar o jogo num dos seus formatos e edições. Como sempre, também este Call of Duty terá edições regulares e especiais, tanto em formato digital como físico. As edições especiais trarão diversos bónus e incluirão um passe de época que dará acesso a diversos DLC previstos na primeira temporada. Eis as versões previstas, embora mais detalhes sejam dados mais tarde:

  • Edição Base (Digital e Física) – Apenas o jogo.
  • Edição Deluxe (Digital) – Jogo, passe de época e mais conteúdo.
  • Edição Pro (Física) – Jogo, caixa metálica exclusiva, passe de época e mais conteúdo.

Todos os que pré-encomendarem o jogo numa das suas versões terão acesso privilegiado a uma futura fase de testes Beta que irá arrancar antes do lançamento do jogo, primeiro na PlayStation 4. Além disso, contem também com algumas ofertas especiais disponíveis apenas em algumas lojas seleccionadas. Fiquem atentos.

Resta-nos apenas mencionar que Call of Duty WWII irá ser lançado em todo o mundo a 3 de Novembro para a PlayStation 4, Xbox One e PC. Não houve qualquer referência a um lançamento para a Nintendo Switch ou menção de uma possível versão optimizada para a Xbox Scorpio, curiosamente. Não significa que estas duas plataformas não sejam contempladas, mas já deu para perceber que muitas mais informações serão dadas mais tarde.

Gostaram da apresentação deste jogo? Já queriam um COD que regressasse ao passado? A reacção global foi muito positiva a este jogo. Resta-nos esperar que a produção esteja à altura da sua promessa. Acreditamos que sim, com tanto a perder em jogo.