Tudo o que precisas de saber sobre a PlayStation 4!

1921

Agora que a poeira assentou e já são conhecidos mais detalhes sobre a nova PlayStation, decidi que era a altura ideal para juntar toda a informação disponível num só artigo e tudo começou num evento à porta fechada e transmitido em directo na internet. Foram mais de 6 milhões de pessoas que tinham os olhos postos neste evento especial para conhecer o futuro da PlayStation. 

Andrew House não demorou em revelar que o evento era de facto sobre a nova geração e após com uma breve introdução passou o microfone a Mark Cerny, responsável pela arquitectura da consola, que subiu ao palco para dar a conhecer o monstruoso hardware presente dentro da nova consola.

A Sony abandona agora o processador Cell, apesar de ser um CPU muito bom, era muito difícil de programar devido à sua arquitectura e nem todas as produtoras souberam tirar total partido dele, vejamos por exemplo o caso do Skyrim ou de Fallout.
Agora o processador, também com 8 núcleos, usa a arquitectura x86 a mesma que um computador comum e até mesmo com a Xbox. Esta arquitectura não só é mais acessível e amigável para a produção de jogos como também será mais fácil de fazer ports de jogos sem grandes erros.
A memória RAM salta de 256Mb para uns incríveis 8Gb de RAM GDDR5, capaz de uma largura de banda de 176GB/segundo dando um boost em performance nos gráficos e em todo o processamento da PlayStation.
A gráfica é agora baseada na actuais Radeon e tem um poder de processamento de 1.84 teraflops, pouco mais se sabe sobre a gráfica, mas ficaremos atentos a mais detalhes. Pelo menos já é conhecido que os jogos continuarão a ser FullHD, mas há a possibilidade de ver filmes em 4k.

Para além deste hardware possui ainda processadores secundários que ficarão responsáveis por trabalhar em plano de fundo sem darmos por isso. Farão updates, downloads e outras funções enquanto jogamos ou até mesmo com a consola desligada, é também possível jogar um jogo que ainda está a descarregar. Devido a este processador secundário e à nova memória da PS4, será possível suspender a consola, guardando o último estado em que ficou. Querendo com isto dizer que podemos pausar um jogo e desligar completamente a consola, quando voltarmos estaremos imediatamente prontos para continuar onde deixamos o jogo.

DualShock 4

O DualShock 4 foi revelado, mas com uma apresentação talvez rápida de mais. Sabemos que tem uma light bar no topo e servirá para detectar a profundidade do jogador em relação ao meio ambiente, mas não foram dados exemplos sobre o que é possível fazer com esta funcionalidade.
Neste novo comando, totalmente redesenhado está presente um painel sensível ao toque com a mesma tecnologia da traseira da Vita, capaz de detectar um máximo de dois toques, mas mais uma vez não tivemos qualquer tipo de exemplo para ver o que é possível fazer. O botão share, que podemos ver no topo superior esquerdo, permite partilhar imagens e vídeos do que estamos a jogar e ainda transmitir em directo via streaming para os nossos amigos. Os amigos para além de assistir, podem também interagir no jogo mesmo que não possuam o jogo. Voltando ao comando, ele possui agora uma coluna de som, ao género de wiimote e uma ficha para headset por baixo, tal como o comando da Xbox.
Tanto o headset como a nova PlayStation Eye, vêm incluídos na consola.

PlayStation Eye

O PlayStation Eye sofreu uma grande evolução em relação à actual câmara da PS3, está agora equipada com duas câmaras com uma resolução máxima de 1280×800, quatro microfones e um campo de visão de 85 graus. Uma das câmaras é responsável por capturar o ambiente que rodeia o jogar e por assegurar uma boa qualidade de imagem enquanto que a segunda câmara fica responsável por detectar os movimentos. Ao contrário do DualShock 3, o Move será totalmente compatível com a PlayStation 4.

Gaikai

A chegada do Gaikai abre as portas para novas funcionalidades à PlayStation, temos o caso do streaming que falei anteriormente e a eventualidade de deixarem de existir demonstrações de jogos. David Perry chegou mesmo a dizer que basta carregarmos no botão X para começarmos imediatamente a experimentar um jogo que esteja na PSN, com um limite de tempo obviamente. Parece uma boa solução, visto que as produtoras não precisam de criar demos focando assim no seu jogo final.

A ideia que fiquei da apresentação é que o streaming vai ser o principal foco nesta consola, a possibilidade de assistir e interagir directamente no jogo de um amigo ou transmitir a nossa sessão de jogo para vários amigos é o termo social que a Sony se refere e com o Gaikai chega também a possibilidade de jogarmos qualquer jogo de PlayStation 1,2 ou 3 através de streaming na Vita ou na PS4, prestando tributo ao slogan “Everything everywhere”.
E agora conseguimos perceber porque o remote play entre PS3 e Vita foi posto de lado, segundo Andrew House, todos os jogos da nova PlayStation terão remote play com a Vita… finalmente!

A Sony também está empenhada em levar a marca PlayStation mais longe. Irão disponibilizar uma aplicação intitulada de “PlayStation App” para tablets e smartphones que funcionará como uma espécie de Smart Glass da Microsoft, colocará os nossos dispositivos Android e/ou iOS como segundo ecrã do jogo, permitirá navegar na store e fazer downloads para a consola e ainda ver o que os nossos amigos estão a jogar remotamente. Isto tudo em qualquer lugar!

A PlayStation 4 já tem o apoio de cerca de 150 produtoras, as mais conhecidas não é supresa, mas o que surpreendeu foi o facto de ver produtoras como a Mojang e Vlambeer na lista. Mostrando que a Sony está a dar a especial atenção a produtoras independentes (indie).

Agora vamos ao que interessa – os jogos!

Vários jogos foram apresentados no evento, o primeiro, intitulado de Knack, não me surpreendeu e nem achei que tivesse sido apresentado num evento onde todos queríamos ver gráficos de deixar de boca aberta. Knack é um jogo em terceira pessoa ao género de Ratchet e os seus gráficos podem muito bem correr numa PlayStation 3, como podem ver.

O novo Killzone foi apresentado e inicialmente não estava surpreendido até que reparei no depth of field e em tudo o que estava acontecer ao mesmo tempo enquanto estavam a jogar.

DriveClub é o jogo de carros que está a ser produzido pela Evolution Studios (MotorStorm), apesar de parecer mais um jogo de carros tem uma particularidade que saltou à vista, é possível controlar a nossa personagem fora do carro e em primeira pessoa.

https://www.youtube.com/watch?v=wlPaTqDKxs8

The Witness é um jogo quebra-cabeças pelo mesmo criador de Braid, será exclusivo para a PS4 por tempo limitado e mais tarde chega ao PC e a iOS.

Sucker Punch revelou também uma prequela de inFamous. Foi revelado com um teaser e vai chamar-se inFamous: Second Son

Este foi o jogo que mais me impressionou. Watch Dogs, da Ubisoft, é um promissor jogo com data de lançamento já para este ano.

Para além dos jogos a Quantic Dreams mostrou-nos o que a PlayStation é capaz de fazer com um Tech Demo de uma cara ultra realista a ser renderizada em real-time, a qualidade é equiparada a um vídeo CGI. Capcom também mostrou Deep Down, um jogo em produção que usa o novo motor gráfico Panta Rhei e por último, como não poderia faltar, Unreal Engine 4 a correr na PS4.

O que mais estranhei foi chegar ao fim do evento sem conhecer o verdadeiro aspecto da consola. Inicialmente ainda pensei que fosse uma manobra de marketing visto que também não foram revelados preços, talvez estivessem a guardar para a E3, pensei eu!
Mas também ocorreu que a PlayStation 4 podia ainda nem estar pronta e uma entrevista ao Presidente da Sony Japão confirmou esta ideia quando disse numa entrevista feita pela 4Gamer que ainda não viu o design da consola e o comando final tinha visto um dia anterior ao evento. Estará a Sony a trabalhar sobre o joelho para tentar lançar a PlayStation antes da Xbox?

Para resumir todo o artigo juntei os que são na minha opinião, os prós e contras da PlayStation 4 e do evento em si:

Melhor:

  • Streaming
  • Vertente social
  • Hardware
  • Vídeos em 4k
  • Não requer ligação permanente à internet, confirmado por Shuhei Yoshida
  • Possibilidade de suspender a consola
  • Jogar enquanto faz download

Pior:

  • Falta de exemplos para o DualShock 4
  • Incompatível com jogos PS3
  • Não foi revelada a própria consola
  • Não é compatível com os actuais jogos da PSN