Throwback WASD – Esta semana em 2016

40

“Throwback Thursday” é uma popular tendência na Internet que certamente já devem conhecer. É principalmente usada nas redes sociais, onde os utilizadores partilham à Quinta-Feira uma publicação nostálgica de uma diferente era da sua vida. Esta nova rúbrica tem o mesmo intuito.

Tendo em conta que já contamos com uma década de artigos, será interessante revisitar alguns dos mais antigos e, assim, conhecermos a evolução de um determinado jogo, relembrar anúncios de  títulos marcantes e, quem sabe, sugerir novos jogos para experimentarem.

Escape from Tarkov

Para começar a rúbrica, escolhemos aleatoriamente o ano de 2016 e precisamente nesta semana estávamos a conhecer o primeiro vídeo da fase Alpha de Escape From Tarkov, um First Person Shooter que experimentámos um ano mais tarde e explicámos que “Tarkov é uma cidade assolada pela guerra, situada entre a Europa e a Rússia. Nela, os sobreviventes lutam, literalmente, para fazer face à adversidade, enquanto deambulam por ruínas e tentam fazer sentido no caos imposto pela lei das armas. Duas empresas paramilitares, a USEC contratada pela Terra Group pretende proteger actividades ilícitas na região, enquanto que a BEAR é contratada pelo governo Russo para investigar essas actividades.

Escape from Tarkov continuou a ganhar tracção e em 2020 recebeu o seu maior mapa: Streets of Tarkov. Uma área maior, mais urbana e mais densa, principalmente ao entrar em apartamentos, onde a acção é mais intensa.

Escape from Tarkov está disponível somente para PC e ainda se encontra numa fase Beta. Se tiverem curiosidade podem fazer a pré-encomenda no site oficial, que garante acesso à Beta.

Project CARS

Outro título que ainda dava que falar nesta época era Project Cars, dos Slightly Mad Studios. Foi um título que ganhou a nossa atenção desde início por ser um projecto independente deste estúdio, que nos trouxe anteriormente Need for Speed: Shift. A promessa deste título era oferecer uma condução mais realista possível de 74 carros diferentes. Foi um título lançado no ano anterior, mas facilmente atingiu o estatuto de Jogo do Ano e a nossa análise abordava esta edição em particular. onde indicámos que foi a “edição definitiva de um dos melhores jogos de condução em circuito. Tem tanto de condução em arcada para principiantes, como de simulação para os mais exigentes, claramente orientado para esta última vertente.

Hoje em dia, Project Cars já se tornou numa série. A sua sequela chegou em 2017 e os Slightly Mad Studios foram adquiridos pela Codemasters em 2019 por qualquer coisa como 30 milhões de dólares. No ano seguinte, foi lançado o terceiro jogo da série mas não foi tão bem recebido como os dois primeiros.

Uncharted 4: A Thief’s End

Também por esta altura, Uncharted 4: A Thief’s End tinha sido lançado há poucos dias e já conquistava as críticas especializadas e também as vendas, batendo em alguns recordes.
Só na primeira semana a última aventura de Nathan Drake vendeu 2,7 milhões de unidades.
Até hoje, sabemos que Uncharted 4 conseguiu atingir o incrível número de 37 milhões de unidades vendidas. Foi um fecho de uma série com chave de ouro… ou terá mesmo sido o seu fim?

Na nossa análise não pudemos ficar indiferentes a este título da Naughty Dog que “juntou tudo o que havia de bom nos jogos anteriores e conseguiu melhorar em várias frentes. Os ambientes que se visitam ao logo do jogo são deslumbrantes, a acção foi melhorada com o modo furtivo e a história desta vez é mais pessoal e não se baseia apenas na personagem principal.” Acreditávamos ser um sério candidato a jogo do ano, mas Overwatch da Blizzard acabou por levar a melhor nos The Game Awards 2016. Após estes anos, Uncharted 4 ainda se mantém um grande jogo e um regalo visual. E até já foi confirmado que irá também ser relançado para PC.

Ainda sobre Uncharted 4, em 2017 chegou The Lost Legacy uma expansão independente e a primeira aventura sem Nathan Drake como protagonista, tendo sido substituído por Chloe Frazer, o interesse amoroso do herói, com a ajuda da ex-mercenária Nadine Rosse e de Samuel Drake, irmão de Nathan.

Chegamos ao fim desta viagem no tempo. No entanto, já temos alguns artigos preparados para recordarmos com vocês na próxima Quinta-Feira. Fiquem atentos.