Throwback WASD – Esta semana de Junho em 2017

42

“Throwback Thursday” é uma popular tendência na Internet que certamente já devem conhecer. É principalmente usada nas redes sociais, onde os utilizadores partilham à Quinta-Feira uma publicação nostálgica de uma diferente era da sua vida. Esta nova rúbrica tem o mesmo intuito.

Tendo em conta que já contamos com uma década de artigos, será interessante revisitar alguns dos mais antigos e, assim, conhecermos a evolução de um determinado jogo, relembrar anúncios de  títulos marcantes e, quem sabe, sugerir novos jogos para experimentarem.

Xbox One X

Foi por esta altura, em 2017, que ficámos a conhecer o nome final da Xbox One X. Até então conhecida como Project Scorpio. A revelação foi feita na conferência na E3 deste mesmo ano. Não só conhecemos o seu nome oficial como também o seu aspecto final e especificações. Iríamos encontrar no seu interior “um aumento de 31% na velocidade de processamento e mais 50% de memória RAM comparando com a anterior consola.

Hoje já temos connosco a nova geração com as Xbox Series S|X, mas não podemos ficar indiferentes à evolução desta consola que levou alguns jogos a ser “actualizados para suportarem a resolução 4K. Entre eles, Minecraft, Halo Wars 2, Gears of War 4, Forza Horizon 3 e Killer Instinct, todos irão receber as actualizações de forma gratuita. A Microsoft indicou ainda que, ao todo, serão mais de 30 títulos que irão receber estas actualizações até ao seu lançamento.”

Também neste ano, a retrocompatibilidade dava um importante passo com a Microsoft a revelar que os clássicos da sua primeira consola seriam compatíveis com a Xbox One. “Em termos de reacção, a notícia foi muito bem recebida, não só pela audiência [E3 2017] presente no espaço da Conferência, mas também um pouco por toda a comunidade. Contudo, é de notar que o abismo técnico dos títulos da primeira consola será assinalável. Essa diferença visual é já tão notória em jogos X360 que só mesmo os nostálgicos darão o devido valor. Sobretudo numa Xbox One X e numa televisão UHD 4K.” 

Assassin’s Creed Origins

Foi ainda na conferência da Microsoft também na E3 que conhecemos Assassin’s Creed Origins, um título da famosa série da Ubisoft que iria explicar as origens dos assassinos e a criação da irmandade através do novo protagonista Bayek. Pela primeira vez, faria um salto no tempo até ao Antigo Egipto, dando-nos a possibilidade de escalar pirâmides e combater gigantes cobras.

Este título quebrou o ritmo da série, que trazia uma nova aventura anual. Após um ano de pausa, estávamos todos ansiosos para ver o que a Ubisoft tinha preparado e não ficámos decepcionados. Na nossa análise, Origins revelou-se “uma excelente experiência a vários níveis, não só pelo seu fantástico rigor visual, mas também por muita da sua acção revista e melhorada. Há também muita qualidade na sua representação histórica e no enredo escolhido que dará origem ao lore que tanto apreciamos.

Assassin’s Creed Origins recebeu ainda vários DLCs e um “New Game +” para todos aqueles que fizeram todas as missões principais e secundárias e mesmo assim queriam mais. Para quem não sabe o que é, esta opção permite reiniciar o jogo mantendo o progresso alcançado numa passagem anterior. Também permite manter armas e equipamento, assim como o seu nível de dano, aumentando a dificuldade geral dos adversários ou missões.

Assassin’s Creed Origins pode ser jogado actualmente na PS4, Xbox One e PC.

Anthem

Por esta altura estávamos também a conhecer o novo projecto da Bioware, a mesma equipa que nos trouxe as populares séries Dragon Age ou Mass Effect. As expectativas estavam bastante altas e este RPG de acção prometia levar-nos ao “papel de Freelancers, o nome dado aos corajosos que arriscam a sua vida para proteger a humanidade. Equipados com fatos especiais, chamados de Javelin e com o mais variado tipo de armas, estes combatentes terão um mundo pós-apocalíptico para explorar e limpar dos mais variados inimigos.

Quando menos esperávamos, recebemos a notícia que seria adiado por mais um ano e foi só em 2019 que tivemos a oportunidade de experimentar os famosos Javelin. No entanto, esta aventura chegou com algumas questões técnicas e o facto de não ser bem um RPG, mas sim “um shooter disfarçado de RPG, sem que nada salte realmente à vista, além do seu grafismo aprimorado. Tenta ser abrangente demais, seguindo modas e tendências e, com isso, não oferece nenhuma profundidade em nada“, tal como indicámos na análise.

Anthem pode ser jogado na PS4, Xbox One e PC.

Age of Empires

Antes de terminarmos, não podemos deixar de falar do regresso daquele que começou uma grande série de jogos de estratégia. A edição definitiva de Age of Empires com novas funcionalidades multi-jogador e suporte para resolução 4k. No momento da revelação, os detalhes ainda eram escassos e só tínhamos conhecimento que grande parte do jogo tinha sido recriado de raiz. Mas, foi o suficiente para nos deixar entusiasmados.

Na nossa análise falámos como a sua “renovação técnica, traz-nos um grafismo e sonoridade mais polidos e também a jogabilidade foi ligeiramente aprimorada e polida, mantendo sempre a sua personalidade única.” No fundo era o nosso velho amigo modernizado, mantendo aquilo que nos fez gostar desta série. Age of Empires II e Age of Empires III também tiveram direito à sua edição definitiva em 2019 e 2020, respectivamente.

Não esquecendo que foi também em 2017 que a Microsoft anunciou o quarto capítulo da série com um toque português no seu trailer. Foi só nesta última E3 2021 que podemos ver um pouco mais do combate e elementos de estratégia de Age of Empires IV, com data de lançamento marcada para o final de Outubro para Xbox e PC.

Chegamos assim ao fim de mais um artigo nostálgico. Não percam a próxima Quinta-feira, quando regressarmos com mais uma data para recordar.