Nem sempre tenho a possibilidade de falar de um add-on para o Microsoft Flight Simulator de um avião real que já tenha, de facto, pilotado. Esta é a excepção quando vos falo do Just Flight PA-28R Turbo Arrow III/IV.

Bom, na verdade não foi bem o Turbo Arrow, mas um mais pesado PA-28 Cherokee Six mas, na essência, uma versão “alargada” do Arrow, desta feita de aspiração natural, sem turbo. O painel de controlo, as lógicas de operação e até as checklists (no essencial), porém, são idênticos. De facto, voar neste novo add-on para o Microsoft Flight Simulator foi uma viagem de nostalgia a um avião onde passei algumas horas. Não sou propriamente “certificado” neste avião, mas julgo ser suficientemente conhecedor da plataforma para aferir a sua qualidade.

A história do PA-28 Cherokee é das mais brilhantes da história da aviação. Nascido de uma evolução do primeiro avião metálico da Piper, o PA-24 Comanche, o PA-28 era maior, mais rápido, tinha trem de aterragem retráctil (mais tarde também teve variantes de trem fixo) e hélice de passo-fixo (mais tarde também teve variantes com passo variável). Contudo, era também menos dispendioso de fabricar para a Piper e mais barato para os pilotos comprarem e manterem. Foi claramente desenhado para combater a hegemonia do Cessna 172, o que também terá sido a sua “sina”.

Com uma extensa linha de variantes e evoluções, ainda hoje são produzidos Piper PA-28, nas sub-variantes, Arrow, Archer e Warrior, com diferentes motorizações, equipamento e aviónicos. Até hoje já foram produzidos mais de 32 mil PA-28, entre variantes civis de recreio ou de instrução e também variantes militares para as mais diversas missões. Em Portugal, não temos muitos exemplares do PA-28, especialmente comparando com os bem mais populares Cessna. Curiosamente, o avião é muito bem conhecido no Brasil, onde é produzido pela Embraer, chamando-se EMB-711 “Corisco”.

Este pacote que a Just Flight me deu acesso, inclui duas versões do PA-28R, a versão III de cauda convencional e a versão IV de cauda em “T”. As duas variantes são virtualmente idênticas, com excepção desse design da cauda. Ambos são equipados com um motor Lycoming TSIO-360 turbo-aspirado, que lhes confere impressionantes 200cv de potência. Esta não é, de facto, a versão mais popular do PA-28, sendo essa talvez a Warrior II. É, no entanto a que se apresenta com mais “genica”, sem dúvida, um avião divertido para recreio e muito competente na instrução.

Dada a apetência do MSFS para a simulação de voo VFR, estamos “em casa” com este aparelho. É um avião ligeiro de grande performance, excelente para sair de aeródromos pequenos e voar baixo. É capaz de fazer bons rácios de subida graças à potência do motor, mas também de graciosamente planar para uma suave aterragem, provocada pelo seu plano alar de grande envergadura, com uma ligeira curvatura. Apenas há um senão no que toca ao treino, especialmente VFR: o plano inferior das asas corta alguma visibilidade ao piloto, algo que a Cessna mitigou nos seus 172.

No que toca à oferta da Just Flight, os dois aviões aqui simulados possuem a elevada qualidade esperada de um add-on que a produtora Britânica tem vindo a produzir para os vários simuladores. No MSFS, os aviões contam com uma extensa recriação do cockpit e cabine adjacente, dos vários sistemas do painél (vácuo, eléctrico, etc) e da performance geral do modelo. Temos imensas animações de elevada qualidade, inclusive de abertura de portas (tomem nota, Asobo), texturas de qualidade acima da média e muitos efeitos visuais a roçar o realismo.

Curiosamente, também este modelo oferece um tablet que, não sendo propriamente um Electronic Flight Bag, permite controlar algumas opções do avião, desde colocar ou remover o co-piloto, colocar ou remover as cordas e calços de parque, alternar entre instrumentação analógica ou o Garmin 500, entre outras opções. Há até uma opção para substituir o óleo do motor, nem faltando a animação da pequena porta sobre o capot para a verificação do nível do óleo. Detalhes, sim, mas ajudam muito na imersão, especialmente se alguém precisa treinar esta aeronave na realidade.

Tive a oportunidade de realizar vários voos com estes dois PA-28R e, devo dizer, é um avião realmente dinâmico, com a tal “genica” própria de um motor turbinado, mas nunca com algum tipo de performance “acrobática”. É um avião perfeito para VFR, mas também é capaz de voar IFR, graças à instrumentação fornecida, com opção de integrar um HSI e o já mencionado GPS, além de um competente piloto automático. Claro que uma operação limitada em capacidades, nunca poderíamos fazer aproximações de baixa visibilidade, por exemplo. Mas, nem foi para isso que foi concebido.

Mais notas positivas vão para a iluminação impecável, diversas falhas possíveis (inclusive induzidas por má operação), uma sonoridade competente com excelente direccionamento e muitos outros detalhes de grande cuidado. Devo dizer que o modelo de voo está muito bem concebido, dentro das tabelas de performance do avião real. Apenas tive algumas reticências sobre as velocidades de perda, algo baixas demais e em muitas ocasiões sem o vulgar aviso sonoro de perda. Algo a rever, estou certo.

Veredicto

Se procuram uma simulação competente de um avião ligeiro, especialmente se procuram algo que replique uma aeronave que é usada para instrução e treino, o pacote Just Flight PA-28R Turbo Arrow III/IV para o Microsoft Flight Simulator tem tudo o que é preciso. É uma réplica muito bem concebida do avião real, mesmo com algumas limitações que logicamente temos num simulador de recreio como este. Tem tanto de “turbinado” como de “teco teco simpático” e é por isso que não o devem deixar descolar sem vocês.

A versão de testes usada para esta análise, foi gentilmente cedida pela Just Flight. Está disponível na loja oficial da empresa que podem visitar aqui. Os dois modelos III e IV podem também ser adquiridos em separado.