Ora aqui está algo muito diferente para a nossa secção de simuladores. Não é que não tivéssemos já visitado o Microsoft Flight Simulator. O que é novidade é voarmos num helicóptero. Mais precisamente o fantástico Airbus H145 da Hype Performance Group.

Embora este helicóptero já voe pelo MSFS há algum tempo em Acesso Antecipado, a produção lançou nestes dias também em Acesso Antecipado a Action Pack Expansion, uma expansão muito interessante que poderá abrir novas possibilidades para o simulador. Convém mencionar que, para já, o Microsoft Flight Simulator não tem uma simulação nativa para helicópteros. Muito do que temos por aí ao nível de mods e expansões “inventa” dinâmicas que não existem (ainda) no simulador. Por isso, muito do faremos neste addon é um pouco de… magia. E que magia.

Talvez conheçam este helicóptero com outro nome. Pessoalmente, travei conhecimento com este modelo enquanto ainda se chamava MBB/Kawasaki BK 117. Mais tarde, também o conhecemos como Eurocopter EC-145 até que o Consórcio Airbus adquiriu as empresas do grupo Eurocopter, criando mais uma gigante aeronáutica. Agora designado com Airbus Helicopters H-145, é dos modelos de helicópteros mais versáteis do mundo, inclusive com o seu modelo militar H145M (ou UH-72 como é conhecido nos EUA).

Desde simples transporte civil, inclusive com uma versão VIP, evacuação médica, combate a incêndios, transporte de carga, polícia e até variantes de combate militar, o H145 é bastante popular. Possui um cockpit amplo, moderno (com EFIS) e diverso equipamento avançado para o tipo de missão, onde não faltam skis adaptados, flutuadores, guincho, armamento e vários outros extras, desenhados para tirar o máximo proveito da plataforma, de acordo com a sua missão e configuração.

O Hype Performance Group apostou tudo neste módulo adicional para o Microsoft Flight Simulator. Tal como diz na sua página de produto, esta é a aeronave perfeita para explorar o mundo rico em detalhes do simulador. Não só criou todos os modelos possíveis para o helicóptero, desde variantes civis e militares, como ainda foi mais longe por modelar a vasta maioria dos sistemas a bordo, fazendo jus à elevada qualidade operacional que o helicóptero real é conhecido por ter. Só lhe falta mesmo ser um produto licenciado pela Airbus Helicopters. Pergunto-me o que lhe falta, realmente.

Se adquirirem também o adicional Action Pack, ficam com a versão de transporte VIP, a versão Civil, a de Emergência Médica, a de bombeiros e a versão militar. Com cada variante, terão também uma série de pinturas diferentes, inspiradas em pinturas reais de unidades civis e militares que operam o helicóptero. Notem que, depois, cada variante tem ainda uma série de extras visuais e de equipamento que poderão adicionar ou remover através dos sistemas de bordo (o tablet, sobre o qual já falarei).

Como devem calcular, num simulador que aposta muito no visual, também um addon precisa “capitalizar” bastante no seu aspecto. O H145 é uma aeronave com linhas esguias e com um aspecto muito dinâmico. Esse design peculiar com um rotor de cauda Fenestron e uma cabine alongada e de aspecto futurista, foi muito bem reproduzida pelo Hype Group. Este é um design único, fruto de anos de desenvolvimento aerodinâmico e funcional. Como em quase tudo feito pela Eurocopter, aliás.

O cockpit é francamente completo, com grandes mostradores digitais, numa era em que os instrumentos analógicos já não têm lugar no painel. O helicóptero possui cinco grandes MFDs (multi-function displays), três deles dedicados às funcionalidades principais, os demais para a funcionalidade de navegação. Notem que para os dois painéis inferiores é necessário que instalem um pacote adicional (pode ser na sua versão freeware) do GTN750. Assim garantem um GPS funcional com acompanhamento de rota.

Quem sabe o melhor equipamento a bordo, é o pequeno mas robusto tablet acoplado no lado do comando, à direita do painel principal. Este é um pequeno menu acessível em qualquer momento que nos dá uma quantidade considerável de funcionalidades e operações. Desde as simples consulta da posição em mapa, até o controlo de peso e equipamento a bordo, piloto-automático, interligação com outros programas como o Navigraph ou Neofly e até configurações especiais de cada modelo, está tudo devidamente centralizado neste pequeno dispositivo.

É, aliás, com este tablet, na sua página de mapa, que activamos as várias missões do Action Pack. Disponíveis, temos uma série de missões de acordo com a variante, na sua maioria localizadas em áreas geográficas específicas com cenários criados de raíz. Podemos operar o guincho numa missão de salvamento arriscada, evacuar um ferido de um acidente, combater incêndios com balde de água, operar como agente da guarda costeira e levantar carga civil ou militar. Todas as missões são dinâmicas e com objectivos claros, algumas bastante desafiantes.

Infelizmente, não é possível criar missões improvisadas em qualquer local. Podemos fazer algumas operações independentes do local (como largar um recuperador com guincho, por exemplo), mas as mais elaboradas estão “presas” geograficamente a locais previamente estabelecidos. Seria óptimo ter uma possibilidade de criar um incidente aleatório na área onde estamos, variando assim a sua localização. Como está agora, torna-se algo repetitivo.

A operação do H145 é, como seria de esperar, exige alguma aprendizagem. Contudo, na parte do voo, o sistema de estabilização (SAS) a bordo garante que tudo seja domado e bastante suave. O piloto automático é até capaz de efectuar um hover competente e até pode seguir a rota e tudo. Notem que podem activar dois níveis de realismo, um autêntico que reproduz quase todas as dinâmicas e físicas realisticamente e outro mais “arcade” para quem deseja algo mais fácil de dominar. Mas, há limites no realismo.

Estando tão habituado aos helicópteros de outros simuladores, notei que, por mais esforços que a produção tenha feito com sistemas e operação do H145, a limitação está mesmo no próprio MSFS. Desligando o piloto-automático e os sistemas de estabilidade, gera-se uma simulação extremamente instável, num simulador que ainda está longe de perfeito para voo estacionário. Mesmo com SAS ligado, a inércia é algo exagerada. Demora a compensar derivas, o que em operação de guincho com precisão é fatídico. Há que activar o piloto-automático e deixá-lo trabalhar.

Uma nota final para alguns reparos a fazer. No que toca à envolvência da simulação, quase tudo é interactivo mas alguns painéis não são funcionais. Os sons são realistas, desde o ruído do rotor, aos avisos electrónicos. Contudo, alguns destes sons precisam de ajustes de volume. Por vezes algumas missões ficam “presas”, mesmo aterrando no local indicado. E é inevitável falar da falta de efeito do vento do rotor sobre a água. Tudo isto precisa de trabalho. É por isso que estamos em Acesso Antecipado.

Veredicto

Considero o Airbus H145 do Hype Performance Group absolutamente essencial para quem gosta de “aviação rotativa” e está cansado de esperar que o Microsoft Flight Simulator se decida a integrar os muito pedidos helicópteros. O trabalho da produção é de louvar, começando no rigor da modelação visual e dos sistemas, naquele que é um dos melhores helicópteros de sempre. Mas, também houve cuidado em “contornar” as dinâmicas limitadas do simulador, de modo a tentar criar algo credível. Aliás, o que o impede de ser perfeito, é mesmo o simulador em si.

Quanto ao Action Pack, considero igualmente essencial para quem comprar o helicóptero. Trata-se de uma excelente integração de missões improvisadas, com imenso potencial para dar alguma dinâmica ao simulador, muito além das suas missões algo básicas nativas, na maioria de exploração ou de perícia. São missões dinâmicas e divertidas, que exigem alguma destreza e que roçam o Role Play. Só tenho pena que as mais interessantes sejam confinadas geograficamente e não haja muita variedade. Mas, tudo a seu tempo.