Decorreu neste passado fim de semana em Lisboa, a primeira edição do MOCHE XL Games World. Este é um novo evento de promoção do mundo dos videojogos, com a ambição de ser mais do que uma exposição. Num único espaço, conseguiu os argumentos necessários para reunir todos os tipos de jogadores, desde os mais casuais aos profissionais. Estivemos lá e contamos como foi a experiência.

Sob a alçada da E2Tech, que já conta com mais de uma década de experiência neste tipo de eventos, surgiu o MOCHE XL Games World, a evolução natural do já popular MOCHE XL eSports. Este novo evento albergou não só a grande final da 4.ª temporada do Worten Game Ring League Portugal de CS:GO e várias competições promovidas pela FPF eSports, como também trouxe num só espaço vários pontos de experimentação e demonstração dos jogos do momento, entre alguns já consolidados no mercado e alguns ainda por estrear.

Durante quatro dias, o grande pavilhão do Altice Arena, no Parque das Nações, foi o espaço escolhido para aliar a tecnologia ao entretenimento. Logo à entrada estava, em grande destaque, a área PlayStation com um enorme palco para realizar ali mesmo algumas das competições, como também foram ali transmitidas emissões especiais do programa MODO PlayStation. Neste programa especial foram convidados individualidades como o actor Pêpê Rapazote, o humorista Nuno Markl e Francisco Santos, responsável do jogo Out of Line.

Ainda dentro do espaço PlayStation, para além do seu palco de enormes dimensões, estavam postos com consolas para quem quisesse pegar no comando e jogar. Entre os títulos estavam disponíveis os recentes Concrete Genie e MediEvil, os veteranos Days Gone, God of War e o sempre presente Marvel’s Spider-Man. Em termos de novidades estavam presentes Nioh 2, Predator: Hunting Grounds e Iron Man VR, este último até já fizemos a nossa antevisão, tendo lançamento marcado para Fevereiro em exclusivo para PS VR.

A Nintendo tinha reservado para si o segundo maior espaço deste certame e trouxe um grande destaque que conseguiu roubar a atenção de muitos visitantes. Estamos a falar obviamente do mais recente Pokémon Sword e Pokémon Shield. Além de todas as competições de eSports presentes, o stand da Nintendo Ibéria contou com o evento qualificador Europeu do Super Smash Bros Ultimate. De notar que foi neste espaço que tivemos a maior diversidade de idades a jogar, pelas razões óbvias. No entanto as imagens não são melhores porque o espaço não foi convidativo a fotografia com os seus tons avermelhados, Daí não termos muitas imagens para mostrar.

Entre as maiores atracções noutros lados, estavam os grandes palcos onde se realizaram uma série de torneios importantes. Incluindo a enorme arena Fortnite World que foi descrito pela organização como sendo “a maior arena portuguesa de Fortnite”. Neste espaço eram atribuídos prémios a cada meia hora e todos os visitantes podiam participar. Uma boa iniciativa para atrair visitantes à mais premente tendência do momento.

No que toca aos demais editores e distribuidores, foi agradável ver que a Upload Distribution entrou cheia de força nesta estreia do Moche XL Games World, capitalizando bem as suas principais representações com um espaço dedicado à fabricante Nacon e, como mais recente “triunfo” de representação, a nossa conhecida Thrustmaster. Num espaço decorado a rigor, apresentou toda a sua linha de periféricos destas duas marcas famosas.

A Lenovo e a ASUS ROG, como já tem vindo a ser hábito nestes eventos e com toda a sua presença nos eSports, voltaram com stands para mostrar e vender os seus produtos. No caso da Lenovo, estava presente toda a sua já conhecida linha LEGION com vários computadores, portáteis e monitores curvos em exposição. Como não podia deixar de ser, também estavam presentes diversas lojas da especialidade com hardware para gaming, como foi o caso da PCDiga, GlobalData e Worten. Todos com espaços consideráveis e muita opção de escolha.

Os estúdios independentes também tiveram o seu devido destaque no seu espaço Indie X, este a ser o maior showcase até à data de estúdios independentes em Portugal. Ao todo, foram 50 estúdios presentes, nacionais e internacionais, que tiveram os seus projectos em concurso com um prémio final de 5.000€ para ajudar a impulsionar o seu desenvolvimento. Vamos falar um pouco mais de alguns destes estúdios e dos seus projectos em artigos paralelos, fiquem atentos.

Por fim, os nostálgicos não foram esquecidos e tiveram direito ao seu espaço dedicado na parte superior do Altice Arena. As enormes máquinas de arcada chamavam a atenção, mas o espaço também juntava diversas plataformas e consolas clássicas. Todo este espaço de viagem ao passado teve o patrocínio da RetroShop.pt.

No final, o balanço que fazemos da primeira edição do MOCHE XL Games World é bastante positivo. Havia bastante espaço entre os diversos stands e, como tal, nunca houve problema em nos movimentarmos pelo recinto. Porque as comparações são inevitáveis, temos de concluir que este primeiro evento ainda não está ao nível de outros, como a incontornável Lisboa Games Week, não só em termos de oferta, como de adesão. Também a data não nos parece muito adequada, se a LGW acontece logo uma semana depois.

Apesar disso, nenhum mérito pode ser retirado da organização por ter criado este espaço repleto de actividades para os apaixonados pelo tema do Gaming. Requer muito planeamento, bastante know-how e alguma ousadia em criar algo assim, perante um panorama algo saturado de eventos a cada ano. Os fãs de videojogos passam a contar com mais uma festa totalmente dedicada aos videojogos. E quem é que se vai queixar disso?