Prémios WASD – Os melhores de 2022

100

Com o ano a findar, já estarão à espera de saber quais os jogos que mais gostámos neste ano nas várias categorias possíveis. Como tem vindo a ser habitual, o WASD premeia o que de melhor se fez em 2022.

Não foi um ano fácil. Foi mesmo um ano horrível, este 2022. Não apenas pela conjectura mundial, com guerras, crises financeiras e pandemias a tornar a vida de todos mais complicada. Venham os jogos para nos distrair da triste realidade. Mas, nem aí as coisas correram bem.

Adiamentos, lançamentos com problemas técnicos, desilusões de conceitos, poucas novas ideias, enfim, é capaz de ser para nós o ano mais fácil para eleger vencedores, porque alguns são tão óbvios e outros ganham por falta de concorrência à altura.

Mesmo assim, tivemos excelentes jogos neste ano. Títulos absolutamente intocáveis em algumas áreas, dando por bem empregue a nossa atenção e investimento. É claro que nem todos podem ganhar. É também óbvio que tudo depende da perspectiva de cada um, a nossa é a que, obviamente usamos para premiar em cada categoria. Confiram então as nossas escolhas para este ano de 2022:

Vencedor: Starfield

A promessa é que este jogo terá a mesma fórmula de sempre da Bethesda ao nível de RPGs… mas no espaço, com mundos fantásticos para explorar e muita acção. Desde a primeira hora que este jogo despertou a atenção de todos, gerando muitas expectativas. Este será também o primeiro grande jogo da nova era Microsoft para a produtora e editora, sendo também um dos primeiros jogos que promete puxar a Xbox Series X|S ao limite.

Menções Honrosas da Redacção

  • The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom
  • Hogwarts Legacy
  • Final Fantasy XVI

Vencedor: Saints Row

Sim, foi um ano complexo, com muitos jogos para integrar esta lista. Gostávamos de “premiar” muitos mais mas só um podia ser o escolhido. A Volition queria fazer um reboot para dar um “novo ar” à franquia e falhou por completo a cativar os jogadores. Pior, o jogo teve muitos problemas técnicos e, especialmente, de conceito. Perdeu-se numa ambição de “mostrar serviço”, acabando a franquia sob alçada de outra gerência.

Menções Desonrosas da Redacção

  • Gotham Knights
  • Overwatch 2
  • Rainbow Six: Extraction

Vencedor: Thrustmaster TCA Yoke Boeing Edition

Já sabem que aqui no WASD somos um “bocadinho” parciais no que toca aos simuladores de voo. De facto, este manche da Thrustmaster foi completamente imbatível nesta gama de produtos, com algumas boas ofertas por aí mas só um claro vencedor. Aproveitando o “embalo” do Microsoft Flight Simulator e da licença da Boeing, pode ser algo dispendioso, mas não oferece qualquer compromisso em termos de qualidade.

Menções Honrosas da Redacção

  • SteelSeries Arctis Nova Pro Wireless
  • Razer Naga V2 Pro
  • Elgato Streamdeck +

Vencedor: PlayStation Plus

Embora não seja, de facto, o líder neste tipo de serviços digitais, o PlayStation Plus teve um ano decisivo de mudança, alterando o seu plano de subscrição e trazendo mais benefícios. O que ganhámos foi um novo conceito, muito mais próximo da concorrência e que converge também o streaming e bibliotecas de jogos contemporâneos ou clássicos, numa selecção de pacotes com muito para jogar.

Menções Honrosas da Redacção

  • Xbox Game Pass
  • Nvidia GeForce Now
  • EA Play

Vencedor: Christopher Judge (Como “Kratos” em God of War: Ragnarök)

“Rapaz!” A inconfundível voz deste actor é já uma imagem de marca. De facto, Judge empresta a sua voz profunda, mas também a sua emoção na captura de movimentos. Mais que apenas falar, o actor dá vida a Kratos e empresta uma inequívoca personalidade ao protagonista. A sua “química” com Sunny Sulkic (Atreus) é impressionante, com cenas intermédias arrebatadoras. É caso para dizer que o casting também vende jogos.

Menções Honrosas da Redacção

  • Ashly Burch (Como “Aloy” em Horizon Forbidden West)
  • Charlotte McBurney (Como “Amicia” em A Plague Tale: Requiem)
  • Sunny Suljic (Como “Atreus” em God of War Ragnarok)

Vencedor: LEGO Star Wars: The Skywalker Saga

A espera foi longa mas finalmente chegaram os nove filmes da Saga maior do cinema no formato de blocos de construção LEGO, numa só compilação. A fórmula não é particularmente perfeita, com cada episódio encurtado e algumas liberdades na história. Ainda assim, é um óptimo jogo para jogar com a família, especialmente com os mais novos. Melhor que jogar este título, só mesmo vendo todos os filmes em maratona.

Menções Honrosas da Redacção

  • Splatoon 3
  • Nintendo Switch Sports
  • Mario + Rabbids: Sparks of Hope

Vencedor: Stray

Mesmo quem não é grande apreciador de gatos, não fica indiferente à história fantástica do felino que só quer voltar à companhia dos seus amigos e familiares. Foi uma história surpreendente, com uma jogabilidade engenhosa e uma arte com muito bom gosto. Quem diria que nos iríamos render a um pequeno animal de estimação que gosta de afiar as unhas no tapete ou lançar objectos de prateleiras? Miau…

Menções Honrosas da Redacção

  • Sifu
  • Tunic
  • Neon White

Vencedor: Among Us VR

Há um impostor entre nós… alí atrás daquela porta… O viciante jogo comunitário só ficou melhor ainda por nos colocar lá, no meio da trama, numa divertida e por vezes tensa interacção directa com outros jogadores. Raramente temos jogos que só melhoram por adicionar o elemento da realidade virtual. Este é um bom exemplo disso mesmo. E se forem ejectados para o espaço, não se preocupem, podem respirar.

Menções Honrosas da Redacção

  • Moss: Book II
  • After the Fall
  • Red Matter 2

Vencedor: A Plague Tale: Requiem

A história de Amicia e Hugo teve elevada concorrência neste ano. De facto, a sua vitória nesta categoria prende-se apenas e só a um pormenor: é uma história realista. Possui elementos fantasiosos, é certo. Mas, é também um conto sóbrio e credível de sobrevivência, de heroísmo perante adversidades aterradoras e também de crescimento. É impossível não ganhar empatia pela demanda dos dois irmãos em busca de paz… e menos ratos.

Menções Honrosas da Redacção

  • God of War: Ragnarök
  • Elden Ring
  • Horizon: Forbidden West

Vencedor: God of War: Ragnarök

Tivemos óptimos jogos a nível de grafismo neste ano. Tivemos títulos de elevado design, estilos muito apelativos, até mesmo conceitos arrojados. Contudo, o Santa Monica Studio foi mais além nas capacidades de hardware da PlayStation 5, trazendo-nos momentos absolutamente arrebatadores e com um rigor técnico irrepreensível. Animações, texturas, efeitos, quase tudo roça a perfeição, num jogo em que o detalhe é tudo.

Menções Honrosas da Redacção

  • Horizon: Forbidden West
  • Stray
  • Elden Ring

Vencedor: God of War: Ragnarök

As faixas de música deste jogo e do título anterior da série (e até mesmo antes destes reboots), são qualquer coisa de épico. A escolha de alguns temas mais melancólicos em cenas mais emocionais, para depois transitar para temas mais dinâmicos nas cenas de acção, adiciona tanto à atmosfera, que é impossível dissociar a banda-sonora do jogo ou vice-versa. Ao fim de umas horas, esta música já não sai da cabeça.

Menções Honrosas da Redacção

  • Elden Ring
  • Gran Turismo 7
  • Call of Duty: Modern Warfare II

Vencedor: Call of Duty: Warzone 2.0

A fórmula criada pela Activision para revitalizar a oferta de jogos anuais sofreu uma profunda reviravolta com o primeiro jogo “free-to-play”. Ao ponto de em 2023, ao que parece, o foco será somente em Warzone 2.0. Uma coisa é certa, o jogo goza de imensa popularidade, muito por causa de novidades como o chat de proximidade. É o grande título online, que inunda canais de vídeo e streaming e não parece parar de ganhar adeptos.

Menções Honrosas da Redacção

  • Call of Duty: Modern Warfare II
  • MultiVersus
  • Splatoon 3

Vencedor: MultiVersus

Pode não ser perfeito, mas este título que junta as personagens de vários universos da Warner Bros. é mesmo muito divertido. Não faz nada rigorosamente novo, pegando na já batida fórmula dos brawlers com os habituais crossovers entre franquias. Contudo, tomou o nosso tempo livre de assalto e deu-nos ainda mais motivos para apreciar este género tão descontraído. E, sim, Batman dá cabo de toda a gente… win/win…

Menções Honrosas da Redacção

  • The King of Fighters XV
  • Sifu
  • WWE 2K22

Vencedor: Gran Turismo 7

Como seria de esperar, o perfeccionismo de Kazunori Yamauchi e da sua Polyphony Digital atrasou este jogo. E ainda bem que assim foi. O que recebemos em troca da nossa paciência, foi mais uma peça de arte, a espremer tudo o que a PS5 consegue dar e com uma condução tão apurada que roça a simulação pura. Este não é apenas um showcase visual, é mesmo uma ode ao automóvel e ao prazer de conduzir.

Menções Honrosas da Redacção

  • F1 22
  • FIFA 23
  • WWE 2K22

Vencedor: God of War: Ragnarök

Que melhor aventura quereriam numa tarde pacata, senão deambular pelos nove reinos a desancar monstros mitológicos, desafiar deuses e tentar prevenir o fim do mundo? A descoberta de todo este lore e mitologia, contados numa perspectiva tão diferente, cria uma atmosfera incrível e que está sempre a suplantar-se a cada nova secção. Do início ao fim, é empolgante, sempre com algo novo para acrescentar. Um feito.

Menções Honrosas da Redacção

  • Horizon: Forbidden West
  • Stray
  • A Plague Tale: Requiem

Vencedor: Victoria 3

É mais um caso de uma longa espera, que recompensa tanto, que desculpamos a produção. É também caso para dizer que a Paradox está cada vez melhor neste género que se tornou quase sua “propriedade”. Tudo bem, as novas lógicas de guerra e de economia não são consensuais entre os fãs do género. Contudo, não há outro RTS no momento que seja tão intrincado e tão engenhoso, tanto quanto consegue ser recompensador.

Menções Honrosas da Redacção

  • Dune: Spice Wars
  • Total War: Warhammer III
  • Mario + Rabbids: Sparks of Hope

Vencedor: Elden Ring

Foi um jogo que nos passou ao lado. Não apenas porque não foi possível analisá-lo mas porque exige uma dedicação que nem todos podem dar. Dos criadores do género “soulslike” temos um “soulslike”, que é também mais que um “soulslike”, nunca perdendo esta identidade… “soulslike”. O novo conceito de mundo-aberto só veio melhorar a oferta e continua difícil e injusto, porque não era de esperar outra coisa da FromSoftware.

Menções Honrosas da Redacção

  • Pentiment
  • Xenoblade Chronicles 3
  • Marvel’s Midnight Suns

Vencedor: Call of Duty: Modern Warfare II

Em paralelo com Warzone 2.0, a oferta de Call of Duty deste ano foi imbatível. Não houve muito mais para competir com este jogo, pelo menos não a nível de títulos AAA sonantes. Contudo, a Infinity Ward não se limitou a entrar na velocidade de cruzeiro, trouxe uma campanha muito bem elaborada, com um visual, história e personagens bem trabalhados, além de uma jogabilidade sólida, sem esquecer os modos online tão viciantes.

Menções Honrosas da Redacção

  • Sifu
  • Neon White
  • Evil West

Vencedor: God of War: Ragnarök

Era óbvio que, depois de ganhar outras categorias, tivéssemos de dar o prémio máximo a Kratos e companhia. Este é um bom exemplo de um jogo completo, onde muito pouco deixa a desejar, onde todos os pormenores contam e, acima de tudo, todo o polimento faz falta. Não é perfeito, não é sequer para todos os gostos. No entanto, é difícil encontrar outro jogo que nos tivesse mantido colados ao ecrã e que nos satisfizesse tanto em 2022.

Menções Honrosas da Redacção

  • Elden Ring
  • Horizon: Forbidden West
  • Stray

É provável que concordem com algumas decisões mas não com todas. Especialmente porque nesta altura surgem vários outros artigos de prémios anuais como este e é inevitável que hajam “tendências”. Como sempre, queremos ouvir as vossas escolhas. Juntem-se à discussão nos nossos canais oficiais.