Konami Code: O legado de Kazuhisa Hashimoto

65

É o mais famoso dos “códigos” de videojogos. Uma sequência de dez botões que dá acesso a funções ocultas. O seu autor, o japonês Kazuhisa Hashimoto, faleceu no passado dia 25 de Fevereiro, aos 61 anos de idade. Deixando-nos o seu enorme legado que ficará para sempre nesta indústria.

Kazuhisa Hashimoto é um nome que pode não vos parecer familiar, mas a sua criação em particular tornou-se famosa a um nível icónico, sinónimo do mundo dos jogos e de outras áreas mais abrangentes da cultura pop. Hashimoto foi programador na Konami, juntou-se em 1981, numa altura em que a produtora se focava, essencialmente, em máquinas coin-op. Começou por ajudar nos circuitos integrados e mais tarde acabou por converter alguns jogos para a NES, incluindo Track & Field (1983), um projecto que demorou cerca de meio ano com o seu trabalho e de outros três programadores. Gradius (1986) foi outro título encomendado para Hashimoto converter, tendo demorado menos de seis meses com outros tantos programadores. E este foi o primeiro jogo a dar uso ao mítico Konami Code.

A famosa sequência de botões foi colocada no jogo como uma ajuda para testar a sua conversão, sabendo de antemão que nunca iria conseguir terminar o jogo. Era uma sequência fácil de decorar para quem testasse o jogo e simultaneamente difícil para ser descoberto ao acaso. Houve a intenção de retirar o código antes de enviar o jogo para produção mas, por razões desconhecidas, tal não aconteceu. Acabou por ser lançado com o código embutido. Eventualmente, quando se aperceberam da gaffe, já era tarde demais. E a sua remoção implicaria chamar unidades de volta para reprogramação, o que também poderia resultar em inúmeros erros e glitches.

A popularidade do Konami Code acabou por crescer, resultado da insistência dos programadores em mantê-lo nos jogos editados pela Konami. Em 1988 atingiu um pico de popularidade com o famoso Contra. Neste jogo, uma vez introduzido este código obtínhamos vidas adicionais. Para além dos títulos já mencionados, tivemos inúmeros jogos a dar uso a este truque. Entre eles está a série Castlevania, Dance Dance Revolution, Teenage Mutant Ninja Turtles, Street Fighter II, Metal Gear Solid, Bioshock Infinite, Anthem, entre muitos outros clássicos e jogos modernos, muitos em jeito de homenagem.

Segundo o Guinness Book of Records, o mítico código surge em mais de 151 títulos, mas o seu uso não se ficou apenas nos videojogos. O Google já aplicou o código em vários dos seus produtos como Google Hangouts e Google Assistant. A assistente virtual da Apple não poderia ficar atrás e também reage com humor se comunicarem a mesma sequência. Há ainda alguns sites onde também podem aplicar o código como o Twich, iFixIt ou até mesmo aqui, no WASD (experimentem!). Por fim, há ainda referências em músicas e em filmes como Wreck it Ralph! da Disney, por exemplo. Todas as suas referências, mesmo fora do mundo dos videojogos demonstra como a sequência de dez teclas ganhou um lugar especial na cultura pop.

Há muitos legados e “easter eggs” deixados por produtores e criativos de videojogos ao longo da história desta indústria. Sem dúvida que o Konami Code é dos mais marcantes e icónicos, um clássico revisitado e uma homenagem ao espírito criativo que é capaz de brincar com os seus próprios erros.