Insólito – Jogadores de Warthunder partilham informação restrita nos fóruns

9

Como em outros jogos, os fóruns do popularíssimo jogo War Thunder são locais de partilha de experiências, ajuda técnica e até de crítica. Contudo, têm-se tornado também quase “repositórios” de informação restrita.

Em, pelo menos três outras ocasiões no passado recente, jogadores deste título foram aos fóruns do jogo partilhar informação que, podendo não ser propriamente secreta (parte dela era mesmo), confidencial ou com acesso restrito era com certeza. Seja qual for o teor, não estamos a ver qualquer força armada mundial a olhar para uma partilha não autorizada da sua documentação numa área pública, em que forças opositoras podem facilmente aceder e obter dados militares preciosos. Mas, há quem não queira saber de alguém a bater à porta.

Em Julho de 2021, o tanque britânico Challenger II em jogo, gerou uma discussão acerca das suas características técnicas e capacidades. Um utilizador, que alegava ser um comandante real do tanque no exército Britânico, partilhou imagens confidenciais do manual restrito do tanque real para provar uma qualquer posição pessoal.

Porque parece “normal”, no mês seguinte, a discussão virou-se para outro tanque, desta feita o Francês Leclerc Serie 2. E é claro que outro utilizador foi buscar o manual de artilheiro do tanque, igualmente confidencial, para provar que o ângulo de volta do canhão principal era de 31º e não 40º como defendia outro utilizador.

Já no ano passado, os fóruns do jogo voltaram a ser notícia pelos piores motivos, agora por causa de tanque asiáticos, o chineses Type 66 e Type 99. Uma vez mais, um utilizador partilhou informação confidencial para defender a sua causa, neste caso uma imagem de uma parte da munição de penetração para o tanque, assim como um documento técnico com as suas características (em baixo, devidamente censurado).

Nestas três ocasiões, a produção da Gaijin Entertainment tentou remover o material o mais rapidamente possível, alertando os intervenientes que partilhar dados confidenciais não era permitido. Alegadamente, os prevaricadores nestes três casos foram também banidos dos fóruns para “segurança da comunidade e deles próprios”. É que, especialmente na China, este tipo de actos são considerados “traição”, uma ofensa séria que pode ser punida severamente. Enfim, aprenderam a lição… certo?

Como é óbvio, a comunidade de War Thunder não aprende com apenas três partilhas indevidas de dados secretos. Há que capitalizar na abertura deste fóruns, na sua anonimidade e na curiosidade dos que por lá passam. Mas, parece que os amantes dos blindados estão mais comedidos. Já que os tanques merecem tanta atenção, que tal descolar?

Uma nova discussão aconteceu nos últimos dias, desta feita em torno do F-16A Fighting Falcon, recentemente lançado no jogo como pacote adicional. Desta vez, não foram partilhados documentos secretos ou classificados propriamente ditos. Ainda assim, a documentação partilhada não é de distribuição livre, mesmo tratando-se de informação datada dos anos 70.

O documento, que mostra o uso de mísseis de várias valências, como o AIM-120 AMRAAM, tinha escrito textualmente restrições de distribuição, que não incluem, obviamente, fóruns de jogo. Não sendo tão grave como um documento classificado, é, ainda assim uma reincidência que se torna já motivo de piada… mas uma piada muito séria. Uma vez mais, a Gaijin apagou as mensagens e documentos, uma vez mais, advertiu os prevaricadores, uma vez mais, pediu que não repitam a façanha…

Inevitavelmente, produzir simulações realistas, que visem algo sério ou, pelo menos, credível, exige acesso a informação concreta do aparelho real. É assim na simulação de algum veículo civil como também o é na simulação militar. Em muitos casos, há documentação desclassificada disponível publicamente, online ou disponível para quem o solicitar.

Quando não há documentação pública, as produtoras até podem contar com a experiência de ex-militares, ex-pilotos ou especialistas para ajudar na concepção, tudo dentro dos limites da legalidade. Ou, pelo menos, é o que deviam fazer. O resto, muitas vezes, está no reino da “adivinhação”, sendo algo “semelhante” mas não forçosamente realista, especialmente se a operação recriada for secreta.

War Thunder não é propriamente a simulação de tanques ou aeronaves mais credível que irão encontrar. É um jogo no seu pleno rigor, com imensas cedências a bem da facilidade de acesso. Ainda assim, é normal que os jogadores sejam apaixonados e queiram algo “realista”. E se tiverem conhecimento de causa, é bem possível que queiram mostrar como estão certos durante uma discussão.

O que não é normal é a repetição. Estas situações já aconteceram em outros fóruns, redes sociais ou áreas públicas de vários jogos. Contudo, não temos memória de acontecerem tantas vezes como nestes fóruns. Ao que parece, a situação gerou tanta discussão, ao ponto do Exército do Reino Unido ter de rever as suas políticas de partilha de documentação entre os seus oficiais.

A piada recorrente é mesmo esta: que os fóruns de War Thunder são óptimos para espionagem. E a fama é da responsabilidade dos que lá passam sim mas também de quem gere este espaço. A Gaijin bem que avisa… várias vezes. Até chega a banir utilizadores (não nesta última situação, pelos vistos). Será que chega? Quantas vezes mais tem de acontecer para os jogadores aprendam? Façamos apostas.