Insólito – Jogadores de Cyberpunk 2077 contra prémio dado… por jogadores

35

Conforme demos conta, Cyberpunk 2077 recebeu o prémio de “Feito com Amor” nos mais recentes Steam Awards 2022. Acontece que, apesar da votação ser de jogadores, os próprios insurgiram-se contra o prémio.

Bom, talvez não quem votou no jogo propriamente, mas falemos na comunidade de jogadores deste título como um todo. Este prémio é dado como demonstração de dedicação a um título lançado anteriormente, por “adicionar novo conteúdo ao fim destes anos”. Até se justifica, já que a CD Projekt RED tem mexido bastante no jogo, corrigindo-o, adicionando conteúdo gratuito e prevendo uma nova expansão ainda neste ano.

Contudo, “a Internet não esquece”. Conforme recordarão, o jogo teve um lançamento atribulado, causando reacções pouco positivas. Na nossa análise, dissemos que “os seus problemas técnicos impedem-no de brilhar, oferecendo momentos frustrantes de falhas técnicas que não fazem sentido num jogo com esta ambição, dimensão e investimento”.

O pior é que, consta, a produtora sabia dos problemas do jogo e mesmo assim decidiu avançar com o lançamento. Por causa disso, foi obrigada a fazer pedidos de desculpas aos fãs. Por outro lado, o jogo foi removido da PlayStation Store, causando outras reverberações que levaram a quebras no valor das acções da CDPR e acções judiciais à mistura.

Ao fim destes anos, (alguns) fãs não perdoam. O prémio do Steam só criou mais divisão entre os jogadores, já que os que votaram a favor foram criticados pelos demais. Basta passar pela secção das meta-análises do jogo na sua página de Steam. Sim, continua com uma avaliação geral de “Muito Positivo” mas, das centenas de análises mais recentes, várias expressam desagrado especificamente pelo prémio em si. São perto de 200 análises negativas, das mais de 1000 avaliações registadas na plataforma, desde a revelação dos vencedores dos prémios.

Esta acção não foi suficiente para alterar o estatuto geral do jogo mas activou os “sensores” da Valve para o fenómeno “review-bombing”. Curiosamente, a percentagem de análises positivas contra as negativas nunca se alterou muito desde o lançamento. Apenas o número total de análises era francamente maior, na casa dos milhares. Apesar de todos os seus problemas técnicos e de conceito, Cyberpunk 2077 nunca chegou mesmo a um patamar negativo de meta-avaliações, pelo menos no Steam.

Assim, este é somente um caso sério de falta de senso dentro da própria comunidade. É também uma demonstração de que há pessoas a quem nunca se poderá agradar completamente. No geral, estas análises negativas não tentam abordar o jogo em si, como seria de esperar, ou sequer se a produção se esforçou ou não por realmente adicionar mais ao jogo. Apenas que uma maioria de fãs decidiu premiar o jogo e os demais não gostaram, então “toca a tentar manchar a imagem desse jogo” só para protestar… “porque sim”.

Notem que, além de vários DLC cosméticos gratuitos, recentemente o jogo recebeu vários extras vindos da série de TV Cyberpunk: Edgerunners. Antes disso, a CDPR teve um trabalho “hercúleo” de corrigir centenas (milhares?) de bugs, sem esquecer a migração para o hardware mais recente. Tudo isto de forma gratuita, sem que a produção sequer lançasse expansões pagas para justificar este investimento. Por isso, o prémio até é bem atribuído, escolhido pela maioria dos seus fãs.

Estes que protestam, até podiam demonstrar desagrado pela próxima expansão ser paga e não um “prémio” para a fidelidade do fãs. Podiam evidenciar que o jogo ainda tem bastantes bugs esporádicos e algumas falhas de conceito. Mas, não. Decidiram apenas “mandar vir” com quem até gosta do jogo e decidiu reconhecer o trabalho da produção. Enfim.

Já agora, recordamos que a expansão “Phantom Liberty” para Cyberpunk 2077 está prevista para algures neste ano. A nota de imprensa diz que só chegará à PlayStation 5, Xbox Series X|S, PC e Google Stadia. Aparentemente, as versões PS4 e XB1 não terão direito à expansão.