Frente-a-frente: Xbox Series X e PlayStation 5

40

Agora que tanto a Microsoft, como a Sony apresentaram as especificações técnicas das suas próximas consolas, há que colocá-las frente-a-frente para compararmos estes dois importantes projectos. E vamos mais longe que apenas medir forças entre a Xbox Series X e a PlayStation 5, vamos analisar também a visão por detrás destas consolas.

É fácil, numa primeira abordagem, afirmar que há uma consola que se destaca pelo seu superior poder de processamento teórico. Digo “teórico” porque, nesta fase, apenas temos os dados revelados e não há ainda comparações realizadas em ambiente de testes. Isso, só irá acontecer quando ambas as consolas chegarem ao mercado, com diversos sites e grupos especialistas (como a Digital Foundry), com certeza, a realizar ensaios exaustivos.

Mas, sim, olhando somente para os dados em baixo, a consola da Microsoft parece estar uns “furos” acima da rival, pelo menos em capacidade e velocidade do seu hardware interno. Fizemos aqui um pequeno quadro para poderem comparar, ponto-a-ponto, o hardware das consolas. E notarão obviamente uma vantagem a pender para um dos lados.

Xbox Series X PlayStation 5
Processador Central (CPU)
AMD Zen 2 com 8 Cores @ 3.8GHz AMD Zen 2 com 8 Cores @ 3.5GHz (Variável)
Processador Gráfico (GPU) Chip Personalizado AMD RDNA 2 com 52 CUs @ 1.825 GHz Chip Personalizado AMD RDNA 2 com 36 CUs @ 2.230 GHz (Variável)
Capacidade de Processamento
12 TFLOPS Anunciados 10. 3 TFLOPS Anunciados
Memória 16 GB GDDR6 @ 10GB a 560GB/s e 6GB a 336GB/s 16GB GDDR6 @ 448GB/s
Armazenamento Interno
Unidade SSD NVMe de 1TB @ 2.4 GB/s Unidade SSD NVMe de 825GB @ 5.5GB/s
Unidade Óptica
Leitor Blu-Ray UHD 4K Leitor Blu-Ray UHD 4K
Expansão de Armazenamento
Cartão de expansão com 1 TB Slot para unidade SSD NVMe
Armazenamento Externo
Suporte para unidades externas USB 3.2 Suporte para unidades externas USB 3.2
Suporte Vídeo
Até 8K via HDMI 2.1 Até 8K via HDMI 2.1
Suporte Áudio
Dolby Digital 5.1 e TrueHD com Atmos “Tempest” 3D Audio

Como devem calcular, o poder de processamento e a robustez dos sistemas internos, são obviamente proporcionais à capacidade dos produtores de jogos de conseguir extrair todo o “sumo” do hardware. Ainda assim, é inegável a vantagem da Series X contra a PS5. Contudo, como digo sempre, nem só de hardware poderoso é feita uma consola.

Não foi com certeza inocente o anúncio das especificações técnicas da Xbox Series X apenas dias antes da PlayStation 5, quase toldando o anúncio da Sony. E também não foi nada inocente este “espremer” adicional de capacidades da Series X. Nota-se que a Microsoft quis esticar ao máximo a capacidade dos processadores Zen 2 e RDNA 2 da AMD, de modo a conseguir uns valores extra sobre a rival. Assim foi também na anterior geração de consolas, com a Xbox One X a bater a PS4 Pro em capacidades de processamento.

No entanto, como também vimos na anterior geração, a Sony possui uma estratégia algo diferente da Microsoft. E assim será novamente, pelos vistos. Enquanto que Xbox Series X não terá jogos exclusivos no seu arranque, a Sony está a trabalhar exactamente ao contrário, garantindo alguns títulos robustos para puxar pelo seu novo hardware. Também a estratégia da Xbox parece a de apostar mais no streaming de jogos, enquanto que a Sony parece mais focada no mercado de convencional.

Mesmo com um hardware teoricamente inferior, na actual geração a Sony PlayStation ganhou uma hegemonia inquestionável no mercado, tornando-se líder em várias frentes, sobretudo ao nível de produção interna, garantindo alguns títulos da sua chancela nos topos de apreciação e vendas mundiais. E o mesmo deverá acontecer com a PlayStation 5. A consola será bastante mais poderosa que a actual PlayStation 4 Pro e terá muitos jogos para a acompanhar e justificar o investimento, assim como uma promessa de retrocompatibilidade com os melhores jogos actuais.

Enquanto isso, a Xbox Series X terá bastantes jogos não exclusivos de terceiros que, por mais que tirem proveito do poder extra da consola, poderão não justificar o seu investimento. É que temos de pensar com a familiaridade de sistemas e a popularidade das plataformas, que também ditam o número de jogadores activos. Com o arranque do cross-play, torna-se quase irrelevante qual a consola temos para jogar o melhor jogo multi-plataforma do momento. A não ser que seja um título exclusivo e que “venda consolas”. Algo que a Xbox Series X não terá tão depressa.

Resta-nos esperar que estas duas consolas cheguem ao mercado. Ambas estão agendadas para o Natal deste ano. No entanto, dada a conjectura actual, com tantos países em crise e a situação económica dos jogadores tão delicada, é bem possível que estas datas sejam também adiadas. Afinal, sem dinheiro, ninguém compra consolas…