Entrevista – Pedro Silveira (Moche XL Games World)

51

O Moche XL Games World, a decorrer em Novembro, promete ser o maior evento de eSports (e não só) em Portugal. A decorrer no próximo mês, tivemos a oportunidade de conversar com Pedro Silveira, responsável pela organização do novo evento.
O Moche XL Games World vai ser palco de importantes finais de competições de CS:GO, vários torneios competitivos de Fortnite, Call of Duty e PES e um jogo da selecção nacional de futebol de eSports Portuguesa contra a congénere Espanhola. Há áreas dedicadas aos Indies e até formações e palestras nas áreas do desenvolvimento de jogos. Ou seja, há grande ambição neste novo evento.

Segundo a organização, este novo certame foi criado “da necessidade de criar um conceito diferente nesta indústria em Portugal”. E nós quisemos falar com o homem por detrás do evento, sabendo onde, de facto, será diferente e aproveitámos para ver a sua visão de como está o panorama dos eSports em Portugal. Esta é a nossa entrevista com Pedro Silveira, fundador e director da E2Tech:

WASD – Antes de mais, explique-nos um pouco sobre si e como se envolve com os videojogos e com o panorama dos eSports.

Pedro Silveira – Trabalho na área da organização de eventos de videojogos há mais de uma década, mas estou ligado aos jogos há bastante mais tempo. Desde muito novo, sempre fui um apaixonado por esta forma de entretenimento, desde o Chuckie Egg ao Unreal Tournament joguei de tudo um pouco. Mais tarde, em 2006, com um grupo de amigos decidimos criar uma LAN party, a XLParty, em Palmela, que juntou centenas de pessoas. Após o sucesso dessa iniciativa, surgiu a E2Tech, para que o projeto pudesse ter um cariz mais profissional com a realização de etapas trimestrais em várias localidades de Portugal. Em 2011, visitámos o Paris Games Week e, nessa altura, percebemos que o XLParty poderia vir a evoluir para um evento semelhante, mas à nossa dimensão em Portugal. Foi o que acabou por acontecer. Em 2013, e após 25 edições, decidimos que estavam reunidas as condições necessárias para criarmos o Lisboa Games Week. Neste momento, e após 5 edições de sucesso, seguimos para uma evolução natural dos nossos eventos e lançamos a 1.ª edição do Moche XL Games World, um evento de outro mundo.

Pedro Silveira, director da E2Tech e responsável pelo Evento

W – Como acha que estão os eSports por cá? Olhando lá para fora, o que ainda falta trazer para cá nesta área de competição?

PS – Acho que a forma como o eSports estão a evoluir em Portugal é bastante positiva. Existem cada vez mais eventos dedicados aos videojogos e eSports, bem como uma aposta em equipas, ligas, torneios e jogadores profissionais. As marcas têm assumido uma importância relevante no meio, tendo os eventos várias parcerias e patrocínios a apostar no sector. Mesmo com um crescimento mais lento, como é natural para um país pequeno, temos conseguido acompanhar os mercados mais fortes, como a China, os Estados Unidos da América (EUA) ou o Norte da Europa, no entanto continuam a existir grandes marcas direccionadas aos eSports e aos videojogos que não estão representadas directamente em Portugal, o que atrasa um pouco o processo. Provavelmente não será tanto o que falta trazer, mas sim o que é necessário, regular, investir, criar ou exportar. Esses serão os pontos que poderão fazer com que este mercado cresça em Portugal.

W – Das questões que mais vemos por aí serem colocadas, é de como um jogador pode passar do hobby à competição. Não basta saber jogar, obviamente. Onde é que estes eventos ajudam os potenciais atletas?

PS – Estes eventos podem ajudar potenciais atletas porque espelham a realidade de um jogador profissional, mostrando como estes conseguiram transformar o hobby numa profissão ou, noutra vertente, como conseguem conciliar a vida de jogador com uma vida profissional diferente dos videojogos. É importante que se perceba que, para passar ao regime de competição, é exigida muita disciplina e dedicação por parte dos jogadores e assistindo a este tipo de torneios apercebemo-nos do nível de entrega envolvido. Além disso, estes eventos dão oportunidade aos potenciais jogadores de conhecerem e experimentarem os diferentes tipos de jogos disponíveis no mercado e contactarem com as entidades promotoras de cada uma das várias modalidades.

“Mesmo com um crescimento mais lento, como é natural para um país pequeno, temos conseguido acompanhar os mercados mais fortes, como a China, os Estados Unidos da América (EUA) ou o Norte da Europa”.

W – Da nota de imprensa, cito, que o Moche XL Games World pretende “criar um conceito diferente na indústria dos videojogos em Portugal”. Onde é que este evento será, então, diferente?

PS – O Moche XL Games World será uma experiência em que envolvemos todo o público. Pretendemos que este evento seja direccionado a todos os simpatizantes por videojogos, os que jogam ocasionalmente uma partida de FIFA, ou aqueles que se entretêm a jogar durante a viagem de metro. Todos temos um pedaço de jogadores dentro de nós. A nossa ideia é que seja um evento que alie a tecnologia ao entretenimento, tendo uma forte componente de realidade virtual e realidade aumentada, reforce positivamente a relação da sociedade com este universo imaginário e, principalmente, que faça com que os jogadores profissionais também saiam da sua “zona de conforto” e experienciem algo a que não estão habituados. Essa é a nossa principal diferença. O Moche XL Games World pretende ser mais do que um evento de exposição de videojogos, mas uma experiência para todos os envolvidos. A nossa ideia é reinventar a experiência dos participantes, com uma viagem pelo mundo dos videojogos destinada a jogadores e não jogadores e a pessoas de todas as idades.

W – Apesar de ser um evento dedicado aos eSports, o Moche XL Games World também terá atracções para os jogadores casuais, não é verdade?

PS – O Moche XL Games World não é um evento dedicado apenas aos esports, é uma experiência para todo o tipo de jogadores desde os mais casuais que jogam apenas com amigos em casa aos profissionais. A nossa ideia é que qualquer pessoa que gosta desta temática consiga desfrutar dos videojogos.

“É importante que se perceba que, para passar ao regime de competição, é exigida muita disciplina e dedicação por parte dos jogadores”.

W – Que principais destaques gostaria de fazer sobre o evento?

PS – Nos quatro dias, as grandes marcas do sector irão apresentar alguns dos seus mais aplaudidos e aguardados títulos e os participantes poderão vivenciar alguns dos mundos imaginários dos videojogos. Vamos ter uma área dedicada à realidade virtual (VR) e à realidade aumentada (AR), com experiências pela primeira vez em Portugal. O Fortnite World, um mundo dedicado ao Fortnite, onde os visitantes poderão fazer competições e um Salão de Jogos dos anos 80. Ainda podemos esperar várias competições de esports ao mais alto nível, com a final da 4.ª temporada do Worten Game Ring League Portugal by ASUS de CS:GO e também com várias competições promovidas pela FPF eSports, que irá promover vários torneios e um jogo de futebol entre a selecção de Portugal e a selecção de Espanha.

W – E os Indies terão o seu devido destaque.

PS – Sim, os estúdios independentes também estarão em destaque com o Indie X, o maior showcase de jogos de estúdios independentes em Portugal. Durante o evento, os estúdios, tanto nacionais como internacionais, colocarão a concurso as suas criações, sendo que a melhor receberá um prémio de 5.000€ para impulsionar o desenvolvimento do título. É importante para nós continuar a dar visibilidade aos estúdios independentes e acabar com a ideia de que só o trabalho feito por grandes estúdios poderá ter sucesso, bem como ajudar os nossos criadores a alcançarem o sucesso num sector altamente competitivo.4

“A nossa ideia é reinventar a experiência dos participantes, com uma viagem pelo mundo dos videojogos destinada a jogadores e não jogadores e a pessoas de todas as idades.”

W – Este é um evento para repetir nos próximos anos? Acredita que haverá espaço para mais edições?

PS – Sim, acreditamos que há espaço para a inovação, enquanto conseguirmos fazer um trabalho que consiga criar valor para o público e trazer novas experiências para este sector. A indústria dos videojogos é muito grande e ainda não atingiu todo seu potencial em Portugal, pelo que acreditamos que existe espaço para proporcionarmos diferentes eventos e experiências, de forma a continuarmos a ser a empresa líder na organização de eventos de videojogos e eSports no nosso país.

O Moche XL Games World realiza-se de 14 a 17 de Novembro no Altice Arena (Pavilhão Atlântico) no Parque das Nações em Lisboa.

Agradecemos ao Pedro Silveira, à E2Tech e à agencia The Square pela oportunidade para a realização desta entrevista.