Iron Man VR é uma nova experiência de acção na realidade virtual. Foi anunciada no primeiro State of Play e tivemos a oportunidade de a experimentar durante a Comic Con. Temos alguns detalhes interessantes para vos contar.

Este título está a ser desenvolvido pela produtora Camouflaj, a mesma equipa por detrás de République. Como seria de esperar, interpretamos o papel do famoso Tony Stark, pilotando a igualmente famosa armadura em várias situações. Confesso que tinha algum cepticismo em relação ao conceito no geral, em especial no que toca ao sistema de voo e na forma como iriam adaptar os Repulsor Beams do fato de forma a ser algo intuitivo. E ainda fiquei na dúvida de como iria funcionar com o PlayStation VR. A verdade é que o resultado é realmente muito bom e se não tivesse uma fila tão grande de pessoas à espera no stand da Sony Portugal, ficava lá a jogar mais tempo.

Depois de uma animação em que o grafismo do HUD de Iron Man surge diante de nós, somos levados para os arredores da mansão de Tony Stark onde é explicado o sistema de voo e as diferentes formas de atacar, tudo em jeito de tutorial. No início, sentimo-nos tal como Tony Stark na sua garagem, um pouco perdidos a tentar perceber como colocar tudo em funcionamento. Felizmente, graças ao tutorial guiado pela IA F.R.I.D.A.Y. rapidamente percebemos como é fácil voar usando apenas as mãos. Bom, mais ou menos.

Para controlar os Repulsor Beams é necessário usar as mãos virtuais, sim, mas no rigor usamos dois comandos PlayStation Move. A sua movimentação e orientação irá ajudar a direccionar o voo e também os usamos para mirar e disparar. Para voar ou planar é tão simples como apontar as nossas palmas das mãos para o sentido contrário que desejam ir, numa lógica de repulsa, obviamente. Se quiserem subir apontam os propulsores (situados nas palmas das mãos) para baixo, se quiserem voar em frente apontam para trás e assim sucessivamente, tornando-se perfeitamente intuitivo.

Quanto é ocasião de usar os Repulsors como armamento, terão de largar o propulsor e usar o botão Move para disparar. O melhor desta lógica é que podem combinar os diferentes movimentos: Subir mais alto possível e, em queda livre, disparar para todos os objectos ou, se preferirem, controlar o voo com um só braço enquanto o outro fica responsável pelos disparos.

O resto da nossa demonstração foi passada a aperfeiçoar o voo e a conhecer outros movimentos e habilidades do fato, como o eficiente murro super-sónico. Tudo isto a derrotar drones, no tal tutorial. Como experiência foi algo curta, parecendo apenas roçar os primeiros minutos de jogo. Fiquei na dúvida se este é mesmo um tutorial ou uma demonstração de capacidades, ou se, na experiência final estes drones farão parte de algum vilão ainda não conhecido. Seja como for, a experiência é sólida e quero experimentá-la novamente logo que esteja disponível.

Isto porque visualmente, mesmo com os óculos do PS VR colocados e com as limitações já conhecidas deste sistema, arrisco dizer que esta é uma das melhores experiências de Realidade Virtual para este sistema. Obviamente que o fato do Homem de Ferro é, por si só, um chamariz para quem gosta destas coisas. Mas, a integração em jogo correu muito bem para a produção. Mesmo com algumas limitações de distâncias de rendering e de definição da imagem, os efeitos visuais e a envolvência estão garantidos.

Existem poucos jogos de realidade virtual que nos dão realmente a sensação de estarmos no papel do herói. Batman Arkham VR, também um grande herói de outra franquia, continua no topo das nossas experiências. Mas,  acredito que este Iron Man VR, com a sua jogabilidade única e na forma como me deixou ansioso para explorar os céus, voe directamente para essa lista quando for lançado até ao final deste ano.