A nova vida do serviço PlayStation Plus

31

A renovação do serviço de subscrição da plataforma PlayStation está aí. Depois de um arranque faseado, as novas opções de subscrição do PlayStation Plus já “rodam” por cá e já testámos as novidades.

Para muitos, o PlayStation Plus não vai mudar quase nada. Só o nome, na verdade. O serviço clássico continua exactamente o mesmo, chamando-se agora de PlayStation Plus Essential, um título apropriado já que é tecnicamente “essencial” para jogar online na PlayStation 4 ou PlayStation 5, além de permitir salvar progresso na nuvem e outros benefícios. É por isso que, se calhar, podem nem notar que estamos numa nova era PS Plus. Contudo, se querem mais da vossa PlayStation e entender toda esta inundação de publicidade e artigos dos últimos dias, continuem a ler.

Já todos deverão conhecer os benefícios do PlayStation Plus original. Por 8,99€ (24,99€ por 3 meses e 59,99€ por 1 ano), têm direito a, pelo menos, dois jogos a transferir por mês sem custos adicionais, descontos exclusivos na PS Store, o já mencionado armazenamento na nuvem para as gravações de jogos e, claro, o também já mencionado acesso aos modos multijogador online. Já faz parte do “normal” uso das consolas PlayStation nos últimos ano, pelo que não precisa de mais explicações.

Basicamente, se querem usufruir da vossa consola para jogar os modos multi-jogador e ainda ganhar uns benefícios extra por isso, basta subscrever o PS Plus Essential. Contudo, a Sony Interactive Entertainment decidiu mudar as coisas, oferecendo um novo conjunto de benefícios adicionais por um valor mais alto, além de ter absorvido o seu anterior serviço de subscrição de jogos na cloud, o PlayStation Now, no novo pacote Premium. É inevitável que façamos um paralelo com o serviço rival Xbox Game Pass, até porque, claramente, foi daí mesmo que a SIE “emprestou” algumas ideias.

Tive a oportunidade de experimentar nestes dias o PlayStation Plus Premium, o serviço mais apetecível mas também o mais caro desta nova oferta. Por 16,99€ (49,99€ por 3 meses e 119,99€ por 1 ano) mensais, têm direito aos benefícios do PS Plus Essential e ainda uma biblioteca de cerca de 400 jogos da PS4 e PS5, mais 340 jogos, incluindo títulos PS3, disponíveis em streaming na nuvem, um catálogo de clássicos populares da PlayStation original, PS2, PSP e PS4, disponíveis para jogar em streaming ou por transferência e ainda a possibilidade de jogar trials de alguns jogos.

A alternativa a este pacote é o PlayStation Plus Extra. Como o próprio nome indica, é apenas um pacote “extra” ao serviço Essential, pelo que não devem esperar grandes benefícios adicionais. Por 13,99€ mensais (39,99€ por 3 meses e 99,99€ por 1 ano), continuam a ter direito ao benefícios do Essential, o acesso à tal biblioteca de cerca de 400 jogos da PS4 e PS5 e… é tudo. Honestamente, pelo valor, vale bem mais a pena o “esforço” adicional do Premium. Contudo, entendo que nem todos liguem a jogos clássicos ou ao streaming. Se for o vosso caso, basta o PS Plus Extra.

É inegável que o serviço PlayStation Plus Premium é uma mais valia para quem compra uma consola PlayStation 4 ou PlayStation 5 e não tem ainda muitos jogos. De forma instantânea, adquire centenas de jogos, parte deles instaláveis na consola, outra parte jogáveis na nuvem. Isto, sem contar com as ofertas mensais regulares de jogos no PS Plus. Assim, o valor mensal ou anual parece francamente baixo para o que recebemos. Para quem compra hoje uma consola PlayStation, é uma óptima forma de tirar pleno proveito da plataforma, sem ter de gastar assim tanto em jogos.

Podem consultar este outro artigo onde compilámos todos os jogos listados pela Sony para os serviços Extra e Premium. Notarão que as bibliotecas não incluem os grandes êxitos recém-lançados (já falaremos nisso). Também não vão encontrar todos os títulos clássicos que se calhar procuram (também já falaremos nisso). Ainda assim, o leque é vasto, entre AAA e Indies, modernos e clássicos, alguns até reeditados e remasterizados para correrem nas consolas mais modernas. Espera-se que a SIE actualize a lista para incluir e remover alguns destes jogos com o passar do tempo.

Devo advertir que nestas listas de centenas de jogos existem títulos que não estão disponíveis em todas as regiões. Não há grande justificação para o facto, mas arrisco dizer que serão questões relacionadas com direitos de distribuição ou, simplesmente, alguma falta a nível técnico. Se consultarem a lista, notarão que a Sony colocou um asterisco em vários jogos, na sua maioria pequenos títulos independentes ou então clássicos PS3 em streaming. Este asterisco significa uma possível omissão do título em algumas regiões. Devem consultar a lista real na consola ou conta PSN.

Confesso que nunca fui um grande fã de jogar via streaming. Não é porque não seja uma tecnologia revolucionária, admito ser fantástico jogar sem recorrer ao hardware local, instantaneamente e sem instalação. O que sempre me incomodou é que nem sempre esta tecnologia representa bem os jogos que estamos a jogar a nível de visual ou de performance. Quando experimentei o antecessor PS Now, até fiquei bem impressionando com alguns títulos, tanto na PS4 (e PS5) como no PC. Mas…

A grande questão é a largura de banda da vossa ligação à internet. Para usufruir de qualidade 1080p precisamos ter uns 15 Mbps de velocidade disponíveis, o que pode não ser viável para todos, especialmente via wireless. Para os jogos clássicos, o básico 720p até chega muito bem e não estamos muito preocupados com as latências. A emulação dos jogos PS3 via streaming, pareceu-me competente quanto baste, até porque a sua idade não permite muito mais. Agora, em jogos mais modernos ou mais exigentes, estas limitações são bem mais notórias.

Já que falo em clássicos, aproveito para dizer que fiquei um pouco desapontado com o catálogo de jogos PS One e PS2. Esperava ver alguns “incontornáveis” da história da PlayStation, como Metal Gear Solid, os primeiros Gran Turismo ou até Crash Bandicoot. Acredito que a SIE venha a recuperar mais títulos clássicos para o serviço mas esta é para mim uma tremenda oportunidade para trazer de volta a história desta marca. Uma oportunidade um tanto perdida com um lançamento claramente mais focado nos jogos modernos.

Mas, também nos títulos contemporâneos não vemos aqui grande empenho em trazer jogos mais recentes. Tirando as reedições, remasterizações ou upgrades de geração de jogos como Uncharted 4 ou God of War, notarão que êxitos PlayStation como Horizon: Forbidden West ou The Last of Us: Part II não estão neste serviço. As excepções são Demon’s Souls e Returnal. Também faltam bastantes jogos sonantes de terceiros, como é o caso dos mais recentes Resident Evil 7 ou Village, por exemplo. Ironicamente, de todos os Assassin’s Creed, só temos mesmo Valhalla à disposição.

Ao contrário do serviço rival, a Sony não pretende estrear jogos em lançamentos paralelos neste serviço. Isto significa que (até ver) haverá sempre uma “almofada” temporal de estreias de jogos neste serviço, depois do lançamento singular de novos títulos de produção interna ou externa. O que pode significar que, especialmente para os mais ávidos jogadores, esta lista de jogos PS4/PS5 no serviço pode tornar-se rapidamente insignificante. Assim como está agora, parece mais um repositório de jogos semi-antigos, o que não fará grande justiça ao hardware mais recente.

Entendo que a Sony não possa trazer todos os jogos de uma vez ao serviço. Entendo também que é necessário rever cada clássico para o hardware moderno e ainda negociar os títulos modernos, em particular com jogos de terceiros. Também é de esperar que se reservem adições de jogos para o futuro, de modo a garantir uma continuidade. Podemos sempre usar as tais trials para experimentar os jogos mais recentes. Mas, já sabem, as opções e o tempo de jogo são limitados. É bem possível que a Sony mude os seus planos para incluir estreias mundiais, pelo menos de produção interna. Veremos.

Para mim, a principal restrição na oferta está no PC. Se descarregarem a aplicação PlayStation para o vosso computador para jogar algum título em particular na nuvem, é possível que fiquem desapontados. A lista de jogos no PC via PS Plus Premium é francamente reduzida comparando com a das consolas. Entendo que o PC não é bem o foco deste serviço mas faz parte da sua oferta. Imaginem quantas pessoas sem consola gostariam de subscrever o serviço no PC e deparam-se com uma lista diminuta, depois de ouvir falar de “centenas de jogos”. Enfim.

É inevitável que faça a tal comparação com o Xbox Game Pass. Este outro serviço da Microsoft enfrenta já um nível notório de desgaste em termos de novidades e agora tem de lidar com o PlayStation Plus a tornar-se um verdadeiro rival. Ainda assim, o Game Pass oferece estreias “day one” de jogos Xbox (e alguns jogos de terceiros), garante constantes adições mensais de novos títulos, alguns bastante recentes. E ainda oferece acesso ao serviço adicional EA Play na sua variante mais simples.

Ainda assim, o PS Plus Premium é mensalmente 4€ mais caro que o equivalente rival. A diferença parece pouca mas, considerando as limitações e num espírito de concorrência, é um pouco difícil de justificar o valor acrescido. O PlayStation Plus Premium e o Xbox Game Pass Ultimate até são francamente semelhantes. Obviamente, a escolha está restrita à consola que temos, não vamos mudar de plataforma por causa de um serviço. Mas, se tivermos apenas um PC, dá que pensar se queremos pagar mais, especialmente com tantas limitações.

Para terminar, devo informar que vários jogadores reportaram vários problemas a fazer o “upgrade” do serviço clássico para os novos Extra ou Premium. Há quem reporte serem cobrados valores em demasia ou pagar e não ver alteração na subscrição. Também temos lido sobre utilizadores que tiveram de pagar mais do que esperavam, especialmente quem usou vouchers, mas isso poderá ser relacionado com as conversões de tempo para valor monetário no novo formato. Se for o vosso caso, devem sempre consultar o suporte técnico e esclarecer as dúvidas no site do produto.

Veredicto

O novo formato de subscrição do PlayStation Plus é a evolução lógica para um serviço que pretende tornar-se mais que um mero “pay to play“. Aquilo que oferece no nível Premium é impressionante, mesmo que seja algo desapontante para quem procura bibliotecas de êxitos recentes ou de clássicos intemporais. Tem aqui um arranque competente, tecnicamente estável, especialmente ao nível do streaming. Mas, há espaço para melhorar, muito espaço mesmo. São precisos mais clássicos, mais estreias e mais justificações para o seu preço. Especialmente no PC, a concorrência está por aí.