Mais infoProdutora: House HouseEditora: PanicLançamento: 20/09/2020Plataformas: , , , , Género: ,

Untitled Goose Game mostra-nos um bonito dia numa aldeia pacata, onde os agricultores cultivam, a loja de eletrodomésticos está com saldos e o bar serve os habituais clientes. Mas, esta calma está prestes a ser quebrada e ser aterrorizada por, um ganso.

Este título desenvolvido pela produtora independente House House, já anda por aí há algum tempo (desde o ano passado) mas só agora tivemos oportunidade de o testar, desta feita na sua mais recente versão a dois na Nintendo Switch. Este pequeno título é um fenómeno de popularidade, juntando de forma engenhosa mecânicas de Stealth e Puzzles. Na sua curta duração, teremos de executar diversas tarefas para conseguirmos avançar entre os diversos locais da aldeia onde nos encontramos. Tem um estilo visual muito simples, um característico “low-poly” e uma jogabilidade bastante diferente ao que estamos acostumados. Vamos lá perceber o porquê da sua fama.

Aqui não jogaremos como um típico “herói que salva a princesa”, nem com um “soldado encarregue de neutralizar terroristas”. Não. Em Untitled Goose Game jogamos com um simples ganso. A ideia é tão ridícula quanto soa. Sim, jogamos com um ganso que apenas tem as mesmas habilidades do próprio animal no mundo real, por isso não esperem grandes golpes de artes-marciais a atacar os nossos inimigos. Aqui só poderemos andar, apanhar itens com o bico, abrir as asas para distrairmos os diversos NPC’s (personagens não controladas pelo jogador) e ainda grasnar, claro, sem dúvida a parte mais hilariante do conjunto de habilidades ao nosso dispor.

Consigo entender que estejam confusos com esta premissa, pois não parece interessante jogarmos como um típico ganso à solta numa qualquer aldeia. Mas, não poderiam estar mais enganados. Este tema passa a ganhar o vosso interesse quando percebemos que o nosso objetivo é ser truculento para contra todos de forma a alcançar o nosso objetivo final. Paralelamente ao mau feitio, teremos de concluir uma lista de tarefas divididas por zona, de forma a conseguirmos desbloquear o próximo local da aldeia. E, acreditem, poucas tarefas não envolvem chatear alguém.

A aldeia está dividida em quatro zonas diferentes, que estarão ao nosso dispor para causar os mais variados estragos! Cada local traz consigo diferentes objetos com quais podemos interagir e muitos deles são autênticas peças de puzzles, que teremos de ultrapassar de forma a solucionar as diversas tarefas dadas na entrada de cada um dos locais da aldeia. Só assim poderemos avançar para a próxima zona e, consequentemente, terminar o jogo (e o inferno dos pobres habitantes).

Existem seis objetivos que terão de ser cumpridos, estando divididos em duas categorias. A primeira é composta por objetivos diretos, em que basta completar o objetivo pedido. A título de exemplo, pode ser preciso encharcar um agricultor ou carregar um ancinho para dentro de água. Já a segunda envolve trazer um certo número de itens para um local designado. Por exemplo, “fazer um piquenique” que envolve trazer um rádio, uma cenoura, uma abóbora e uma sandes, entre outros itens, para uma toalha localizada perto do lago da primeira zona. Parece simples, mas temos de contar com o agricultor irado que irá procurar os objectos. Temos de ser engenhosos.

Entender as rotas das diversas personagens e como estas reagem a certos eventos, são essenciais para conseguirmos planear e executar o plano perfeito. Antes de fazer seja o que for, é bom fazer uma análise do local para compreender como progredir no jogo. Isto, porques cada um dos NPC’s tem as suas próprias características e reage de formas diferentes a certos eventos causados pelo ganso. Logo, é importante explorar o leque de oportunidades, avaliando qual o melhor percurso a seguir ou que acções fazer para conseguir resolver os quebra-cabeças que se apresentam.

Uma mecânica que foi bastante pedida pelos jogadores durante o desenvolvimento, foi a possibilidade de adicionar um modo multi-jogador local, efectivamente adicionando um segundo ganso ao caos. E a assim a House House o fez! Se quiserem tornar o engraçado em hilariante, esta é claramente a melhor forma de o fazer. Jogamos com um ganso macho e uma fêmea e com um amigo solucionar os diversos quebra-cabeças. Um bom exemplo de como a acção cooperativa funciona é ao “roubar” as chaves do agricultor. Poderemos distraí-lo com um dos gansos, enquanto que o outro segue por trás e usa o bico para o furto, fugindo com estas para dentro dos arbustos.

Apesar deste ser um jogo extremamente divertido e que nada aborrece do início ao fim, tanto a jogar sozinho como com um amigo, é, no entanto, um título muito curto. Jogando pela primeira vez, é possível iniciar e terminar tudo em apenas umas horas, mesmo desbloqueando as tarefas mais difíceis. Considerando a enorme capacidade de entreter, era bem possível criar mais níveis e outros mundos para descobrir. Assim tão curto, é uma pena, pois quando começamos a ficar imersos no mundo, tudo acaba.  

Após a conclusão do jogo ainda são desbloqueadas novas tarefas, um pouco mais difíceis do que as anteriormente apresentadas, estas aumentam um pouco a longevidade do jogo, pois teremos de voltar a zonas anteriores para conseguir solucionar os novos problemas apresentados. Sendo 4 destas tarefas contra-relógio, requerem que todas as tarefas de uma certa zona sejam realizadas em menos de seis minutos. É um excelente desafio para os quem procura algo mais difícil neste título. Mesmo assim, não faz muito para ampliar o jogo.

Como referi no início da análise, Untitled Goose Game opta pelo estilo mais simplista no que toca ao visual. Considero que é algo que favorece bastante este título, uma vez que todos os objetos implementados no jogo têm um charme único e entende-se perfeitamente a sua função. Assim, nunca existe confusão daquilo que é pretendido fazer. Caso a House House tivesse optado por visuais mais realistas, talvez este charme que o título produz e até mesmo a sua mensagem perder-se-ia por completo.

Toda a trilha sonora deste jogo composta por música clássica. A forma dinâmica como música modifica consoante o que está a acontecer no jogo, torna os sons dos pianos ou muito relaxantes ou bastante intimidadores. Depende se estamos a fazer uma simples exploração ou se estamos a ser perseguidos por alguém. Em conjunto com a sua atmosfera única, cria uma harmonia intensa.

Veredicto

Untitled Goose Game poderá ser considerado uma “gema escondida” no que toca aos videojogos indie. Independentemente do tipo de jogador que decida pegar neste título, consegue facilmente entender qual o seu objetivo e basta penar um pouco para cumpri-lo. Só é pena o jogo ser tão curto. Talvez num futuro próximo a produtora do tdecida expandir a aldeia ou mesmo criar um mundo inteiro. Suporte dos fãs é algo que não falta. Caso procurem uma experiência única e bastante engraçada do inicio ao fim, tendo a possibilidade de partilha-la com um amigo, este título é um must!

Esta análise foi realizada com uma cópia de análise cedida pelo estúdio de produção e/ou representante nacional de relações públicas.