Mais infoProdutora: SIE San Diego StudioEditora: Sony Interactive EntertainmentLançamento: 14/03/2020Plataformas: Género:

Quando falamos no 15º jogo numa série, só podemos estar a falar num título licenciado. E, provavelmente, só mesmo um jogo de desporto é que justificará quinze edições sucessivas. É inquestionável que MLB The Show 20 é um jogo de sucesso… não por cá…

Afinal onde é que o Baseball é famoso? Sem dúvida nos EUA e em alguns países da América Central. Fruto da passagem da influência Americana no oriente, também no Japão e na Coreia há alguma popularidade neste desporto. Agora, na Europa é quase inexistente, com excepção de umas quantas equipas e ligas amadoras. E nem vou falar nos restantes Continentes sequer. Por isso, para nós Europeus, analisar um jogo deste calibre, é um tanto ingrato. Pessoalmente, até tenho uma certa curiosidade pelo desporto, tendo experimentado a modalidade e tendo algum conhecimento básico das regras de jogo. Contudo, este é o segundo videojogo dedicado que analiso aqui. Por isso, desculpem-me os possíveis fãs da modalidade se não tiverem aqui uma apreciação de um especialista.

Na minha análise do título anterior da série, MLB The Show 18 (não recebemos a edição de 2019, por qualquer motivo), demonstrei que o interesse individual em compreender a incrível complexidade deste desporto é que ditará o seu sucesso por cá. Entendo o interesse da Sony Interactive Entertainment de ter em mãos um título licenciado nos países onde o próprio Baseball é francamente popular. Mas, uma vez mais, acredito que as suas receitas fora desses mercados seja puramente residual. É que, mesmo como elemento didáctico e talvez como plataforma de aprendizagem, de forma a compreender como se joga este complexo desporto, esta série também não é a melhor plataforma para os recém-chegados.

Nessa minha análise anterior, tentei explicar de forma perfeitamente sucinta algumas das regras básicas, como uma tentativa também de despistar alguns mitos sobre essas regras. Estou certo que perdi muitos leitores nessas linhas, no entanto. Não é de admirar. Como disse também por lá, este desporto nem é dos mais apreciados no seu próprio país de origem, talvez também por causa desta complexidade. Pelo que entendo que basta a barreira levantada pelas regras e a aposta neste jogo é já de si intimidadora. E, depois, a jogabilidade também nunca foi a mais intuitiva, pressupondo que saibamos uma série de normas e procedimentos de antemão. Infelizmente, esta nova edição de 2020 também não faz grandes esforços de cativar novos interessados.

Entre as principais novidades desta nova edição, a que a produção mais destaca é a melhoria geral no motor de jogo e uma revisão na Inteligência Artificial. Segundo o SIE San Diego Studio, as animações e os movimentos estão muito mais precisos, com algumas jogadas mais rápidas a tornarem-se bastante mais realistas. Pelo que me foi dado a perceber, pelo menos as animações e físicas parecem-me realmente credíveis. Se são verdadeiramente realistas, só mesmo quem conhece profundamente o desporto o poderá dizer. Daquilo que sempre pude assistir de jogos reais, pareceu-me haver uma melhor reacção dos jogadores da IA às bolas soltas, por exemplo. E, de um modo geral, não vi movimentos demasiado sintéticos ou “robotizados”.

Noutras novidades, o modo Road to the Show, o modo de carreira para trazer um jogador até à grande Major League, tem agora muitas mais escolhas disponíveis para fazer, numa profundidade ainda mais próxima do Role Play. Há também desafios e recompensas novas para entusiasmar os mais persistentes. Também o modo March to October foi revisto, com o estúdio a revisitar este modo tornado-o mais refinado e, principalmente, menos moroso. A promessa aqui é de mais controlo, estratégia e flexibilidade. E gostarão de saber que o modo Diamond Dinasty também foi revisto, com uma nova fase de “Showdown”. Estas novidades farão bastante mais sentido aos fãs da série, obviamente.

De resto, sinto que o jogo é verdadeiramente uma continuação do que já conhecemos. Em termos de conteúdo realmente novo, a Minor League Baseball está agora mais composta. Embora nas outras edições já estivesse incluída, neste ano a produção esmerou-se a replicar os nomes e feições dos jogadores reais desta liga. Se são realmente realistas ou parecidos com os jogadores reais, como devem calcular, só mesmo os fãs inveterados, aqueles que até a Minor League seguem, é que poderão confirmar. Outro elemento novo é o robusto editor de equipas e logótipos estar agora também no modo Franchise, quando anteriormente era exclusivo do modo Diamond Dinasty. E é tudo.

Quanto a entrar no “diamante”, bom, como acontece na maioria dos títulos sazonais de desporto, as mudanças também não podem ser demasiado radicais. É tecnicamente impossível mudar as lógicas de jogo com um lançamento a cada ano. Uma vez mais, o jogo assenta numa lógica de precisão que exige bastante prática e dedicação. A trajectória e o timing com que tocamos o taco na bola (se a atingirmos), é dos elementos mais importantes a dominar, assim como o ângulo, efeito e força do arremesso no caso do pitcher e dos restantes jogadores em campo. Como já disse, é complicada esta interacção. Mas, há sempre uma sensação de enorme recompensa quando tudo corre bem e, por vezes com um pouco de sorte, fazemos um strike ou lançamos jogadores no campo.

Por fim, o visual. Tal como aconteceu no jogo anterior que analisei, por mais que não apreciem o género, por mais que nem apreciem o desporto em si, MLB The Show 20 é um jogo francamente brilhante em termos visuais na vossa PlayStation 4. Não só pelas animações mais refinadas que já mencionei, mas também por todo o esforço da produção em criar um espectáculo visual em que também estamos a participar. Jogadores famosos, equipamento, incluindo tacos e bolas, assim como os estádios e mesmo a assistência e até o som, são muito bem modelados para a criar uma imersão quase completa. Só falta mesmo o cheiro a cachorro-quente.

Veredicto

Tarefa ingrata esta. Não posso jamais dizer que MLB The Show 20 seja um mau jogo. Pelo menos no plano técnico, é um título polido e cheio de qualidade e rigor visual. No que podemos apreciar na sua oferta e nos esforços de melhorias desde os títulos anteriores, acredito que este seja um dos melhores jogos de Baseball de sempre. Só que, neste Velho Continente, não temos grande conhecimento de causa para o dizer. Um fã encontrará certamente imensas virtudes (e defeitos) nesta edição. Os outros, por seu lado, talvez até queiram aprender mais sobre este estranho desporto. E, embora não faça muitos favores aos novatos, é ainda a melhor forma de tentar compreender o que é o Baseball.

Esta análise foi realizada com uma cópia de análise cedida pelo estúdio de produção e/ou representante nacional de relações públicas.