Quando se fala em teclados de gaming, a primeira opção que vem à mente são os teclados mecânicos. O que se diz pela Internet é que “os gamers dedicados não devem perder tempo com mais nenhum tipo de teclado”. Contudo, o Razer Deathstalker Chroma veio dar um outro argumento aos teclado de membrana.

A tecnologia por detrás das teclas de membrana de várias empresas, não só da Razer, tem vindo a evoluir bastante e devemos dar-lhe uma oportunidade. Pelo menos, considerem este DeathStalker Chroma. Este é um dos melhores teclados de baixo perfil com membrana do momento. Mas vamos explicar melhor como é este modelo e ver o que pode oferecer, por vezes de forma superior aos teclados mecânicos.

Para as nossa análises, eu tento utilizar os teclados no meu dia a dia, durante pelo menos uma semana. O meu típico uso passa por escrever aqui para o WASD, jogar algumas horas e navegar pela Internet. Eu já mostrei antes o meu desagrado nos teclados mecânicos que fazem demasiado barulho quando estamos a dactilografar, sobretudo à noite. Este DeathStalker faz precisamente o oposto. É muito silencioso e não é preciso exercer muita pressão nas teclas, graças ao seu baixo perfil. O único ponto contra, tal como todos os outros teclados da Razer, infelizmente, é não existir um layout Português. O que para mim fazia todo o sentido, dada a popularidade da marca das cobras por cá.

Por falar em teclas, o DeathStalker Chroma usa o formato de chiclete e cada uma delas possui uma espessura de 2mm. Desta forma, a Razer garante que o tempo de resposta é menor e mais preciso, reagindo mais depressa a todas as situações. Infelizmente o plástico usado nas teclas tem um revestimento que fica facilmente marcado com a gordura dos dedos e dependendo do vosso uso, terão de limpar o teclado de forma constante.

Sobre o seu design, tal como o título indica, este DeathStalker pode ser personalizado com a cor que mais gostarem. A família Chroma permite-nos escolher uma das 16 milhões de cores e ainda adicionar um dos vários efeitos disponíveis. E ainda podem dividir cores e efeitos por três secções: o teclado de escrita, o sector do cursor + teclas de sistema e o teclado numérico. Qualquer cor que escolham irá decorar o teclado na perfeição, graças o chassis em preto mate e com o contraste do preto brilhante no generoso descanso para os pulsos.

Com o Razer Synapse, o software proprietário da marca, podem controlar toda a iluminação. Por defeito, vem configurado na cor verde da marca, mas podem até misturar várias cores ou usar um dos mais variados efeitos: “Breathing” onde as luzes pulsam com diferentes intensidades; “Spectrum Cycling” onde as luzes trocam de cor aleatoriamente; “Wave” capaz de criar uma onda de cor que percorre o teclado da esquerda para a direita ou vice versa. E tudo separado por três sectores já descritos, ou de uma forma genérica.

Em termos de funcionalidades, este teclado traz consigo as novidades dos modelos anteriores. Possui o Anti-ghost até dez teclas, querendo com isto dizer que podem pressionar até um máximo de 10 teclas sem entrarem em conflito. Este era um problema comum em teclados de membrana. Com a chega do protocolo USB o número máximo aumentou, mas 10 teclas anti-ghost neste tipo de plataforma continua a ser um feito da marca da cobras.

Tal como qualquer periférico de gaming, o Deathstalker também é capaz de usar macros. Contudo, há uma grande diferença. Estas podem ser gravadas em qualquer tecla e sem qualquer software adicional. Para gravar Macros, sem a ajuda do software, têm de activar a tecla proprietária de macros situada nas teclas de Função, um LED começa a piscar e a partir daqui pressionam a combinação de teclas que desejam. Terminam a programação com o mesmo atalho. O LED fica permanente e só precisam de indicar a tecla que ficará encarregue da vossa combinação (macro). Contudo, com o uso do software Razer Synapse, tudo se torna mais simples com apenas alguns cliques do rato. Se optarem por usar a Cloud da marca, terão sempre as vossas definições salvas e sincronizadas entre todos os computadores.

Outra funcionalidade deste teclado Razer é o modo “Game”. Quando activado, as teclas de Windows, Alt+Tab e Alt+F4, ficam desactivadas para que não aconteçam acidentes enquanto jogam. Esta funcionalidade pode ser ligada e desligada através de um atalho no teclado. Infelizmente, este modelo não tem teclas de multimédia dedicadas, usando as teclas de função (F1, F2 e F3) ou definir macros mais diretas.

Veredicto

O Razer Deathstalker Chroma é o teclado que mais gostámos até à data, pelo simples facto de ser cómodo, silencioso e possuir um tempo de resposta excepcional. O preço sugerido para este periférico, ronda os 109,99€, o que pode afastar alguns mais cépticos em relação à sua qualidade. Contudo, lembrem-se do anti-ghost, da rápida reacção e da atribuição de macros a qualquer tecla que desejarem. Se dão uso a tudo isto e preferem usar os teclados de membrana, este é o teclado ideal.