Em plena Cidade do Futebol em Lisboa, PES 2019 esteve, literalmente, em casa. Aproveitando a estreia da Liga NOS completa em jogo, o espaço dedicado ao futebol foi o palco ideal para uma apresentação à imprensa, com direito a testar o jogo e tudo.

Para quem não conhece, não, a Cidade do Futebol não é mesmo uma cidade. Trata-se de um espaço da Federação Portuguesa de Futebol junto ao Complexo Desportivo do Jamor em Oeiras, que serve de centro de estágio para as selecções profissionais de jogadores, entre outras funções. Por aqui, já estiveram as vários escalões femininos e masculinos do futebol nacional, desde as selecções de futsal, futebol de praia e, claro, os vários escalões das selecções de futebol. Estão lá todas as taças a provar o palmarés de sucesso destas selecções, inclusive a mais recente Taça de Campeão da Europa de futebol ganha em 2016.

Este foi, portanto, o local perfeito para apresentar a próxima etapa de Pro Evolution Soccer. Numa sala decorada a rigor, o jogo foi colocado para os nossos testes. Contudo, antes de darmos o pontapé de saída, foi a altura de ficarmos a conhecer o jogo que aí vem. Pedro Resende, representante da Ecoplay, a distribuidora nacional que representa a Konami, deu as boas vindas e apresentou o plano de actividades. Depois, deu o lugar a Lennart Bobzien, o Brand Manager de PES na Europa, que se fez acompanhar por Kei Masuda, produtor assistente de PES 2019.

Bobzien começou por falar das novidades que aí virão neste PES 2019. Além da Liga NOS, mais novas Ligas de futebol se vão juntar ao leque de oferta. Algumas são inéditas e há mesmo um exclusivo, a Liga Russa de futebol. As alterações ao MyClub são também assinaláveis, com uma série de novidades ao nível das cartas e dos bónus que proporcionam. Também foram apresentados os novos embaixadores como Coutinho, Falcão ou David Beckham, novas lendas do futebol como David Beckham (com direito a edição especial em seu nome), Ronaldinho Gaúcho ou nosso Luis Figo e a novos clubes em parceria, com especial destaque para o Mónaco e Inter de Milão, este último com direito a caixa exclusiva para o território Italiano.

Há ainda mais novidades para dar sobre PES 2019. Como o jogo está em digressão de apresentação por vários países e territórios, há ainda algumas surpresas reservadas, sobretudo ao nível de novas ligas previstas. A Konami está a trabalhar arduamente para colmatar uma das maiores lacunas da série PES, as licenças. Parece-me que está no rumo certo ao garantir algumas das principais ligas mundiais. É pouco provável que consiga algumas competições que são exclusivas de outros lados mas, quem sabe, um dia essas exclusividades deixam de fazer sentido. Ficávamos todos a ganhar.

Claro que todos os presentes estavam ansiosos para finalmente pegar no comando. Para jogar, estavam distribuídas várias consolas PlayStation 4 Pro para testes. No meu caso, tive a oportunidade de jogar contra outros jornalistas, em modo cooperativo e a solo contra o computador. Infelizmente, não nos foi possível captar imagens concretas do jogo no actual estado, obrigando-nos a recorrer a imagens cedidas pela produção. Contudo, não terão de esperar muito tempo para comprovar o que digo nesta previsão do jogo.

A demonstração presente neste evento é exactamente aquela que vamos ter no próximo dia 8 de Agosto. Ou seja, tivemos doze equipas com Barcelona, Liverpool, Inter Milan, AC Milan, Monaco e Shalke 04, da América do Sul o Colo-Colo, Flamengo, São Paulo e Palmeiras e as Selecções da Argentina e da França. O único modo disponível para jogar foi a exibição (jogo amigável), também nos mesmos estádios da demonstração, o Camp Nou (FC Barcelona) e o Veltins Arena (FC Shalke 04). Gostava muito de poder experimentar outros modos de jogo, sobretudo testar as novidades do myClub e da Master League. Mesmo assim, não pensem que esta oferta limitada de alguma forma deixou a desejar.

Quem faz comparações entre as duas grandes séries de futebol da actualidade, costuma dizer que PES sempre foi um jogo mais rápido de toque de bola e finta. Nunca antes esta apreciação esteve tão certa para este novo PES. A simulação e interacção com o jogo está melhor que nunca. Fiquei rendido ao fantástico ritmo de jogo, a recepção da bola, os ressaltos e as fintas de partir cinturas. É absolutamente fantástico o espectáculo criado por algumas jogadas. O controlo da bola é francamente diferente entre um jogador mediano e um craque. Assim como a sua velocidade e resposta.

Também fica claro que houve muito trabalho na lógica de passes, centros e movimentações dos jogadores. A Inteligência Artificial ainda não está perfeita, é certo, mas proporciona um adversário à altura. O melhor de tudo é que há momentos de imprevisibilidade, seja com ressaltos sortudos, seja com momentos únicos que temos de aproveita. Longe estão os tais remates “de um certo ângulo e numa certa posição” que davam sempre golo. Quem sabe o que mais vão gostar neste jogo é a velocidade imposta pelas fintas e passes curtos ou rasgados. Marquei alguns golos de contra-ataque em jogadas fenomenais.

Uma coisa que apreciei bastante, é o novo esquema de fadiga. Mesmo que um jogador esgotasse a sua energia ao longo dos 90 minutos de jogo, ainda podia ter rasgos de sprint, embora mais curtos. Agora, esta lógica foi substituída por uma fadiga que se vai instalando, inibindo os jogadores de manter o mesmo ritmo até ao fim. Ou seja, lá para o minuto 80 o jogador que se fartou de correr na primeira parte, já não vai conseguir correr na mesma velocidade. Isto obriga a uma gestão cuidadosa da equipa, assim como substituições pontuais mais cirúrgicas.

Já que falo em substituições, tenho de dar destaque ao novo esquema de substituições rápidas. Já não precisam sair do jogo para ir ao menu trocar jogadores que serão substituídos na paragem seguinte de jogo. Agora, basta carregar no touchpad do DualShock 4 e surge um pequeno quadro com os jogadores em campo e os suplentes disponíveis, usando apenas o D-Pad para estas trocas. A ideia é muito boa, evita quebrar o ritmo de jogo, mas serve apenas para trocas directas, não alterando a estratégia. Por outro lado, pode tirar a nossa atenção do jogo enquanto procuramos o suplente que queremos no interface que surge no canto. Quase perdi um jogo por causa disso.

E visualmente, como está PES 2019? Lennart Bobzien já nos tinha dito para escolhermos uma hora de fim de tarde para jogarmos, sobretudo em Camp Nou, uma vez que o Veltins Arena é coberto. O objectivo era que pudessemos ver um das novidades que a produção trouxe nesta nova versão do Fox Engine. Agora, tanto a luminosidade, como os efeitos de visuais que as luzes criam, tanto do sol como os projectores do estádio, criam uma atmosfera absolutamente fantástica e realista. Melhor, consoante a hora do dia, a luz do sol vai também mudando num ciclo realista. Em dia de chuva, o céu nublado dá também outra atmosfera.

Visualmente, o jogo também apresenta inúmeras melhorias visuais. Já sabemos que PES possui das melhores representações de jogadores que há memória. Tanto via scan tridimensional das feições e da captura dos movimentos do corpo, como também no replicar das suas jogadas de marca e nos seus gestos. PES 2019 nesta área está absolutamente irrepreensível. Os modelos e animações dos jogadores roçam a perfeição em vários níveis. De facto, nunca antes um jogo de futebol teve tão bom aspecto.

A minha apreciação desta demonstração de PES 2019 é absolutamente positiva. Digo-vos com toda a franqueza que este Pro Evolution Soccer é dos melhores jogos de futebol que joguei nos últimos tempos. E só joguei ainda esta versão para a imprensa. Estou mesmo ansioso pela demonstração de 8 de Agosto, para voltar a jogá-lo. Não digo isto porque é só o jogo mais recente. No ano passado fiquei apreensivo com o rumo que a série estava a tomar. Este ano, porém, o salto é verdadeiramente gigante. Uma nova muito positiva para o novo aspecto dos menus, mais polidos e com um design mais elegante.

Até que o rival FIFA nos chegue, parece-me que PES 2019 vai sair ao ataque. Para já, o jogo será lançado no dia 30 de Agosto, ficando umas semanas sem concorrência à altura. Depois terá a licença completa da Liga NOS, o que por cá fará toda a diferença. Infelizmente, este ano perde as licenças da Liga dos Campeões e Liga Europa, mas isso não significa que o jogo perca em qualidade. Pelo contrário, a aposta é na simulação e, estou certo, o myClub será novo motor de sucesso para o jogo. Contudo, avaliações concretas, só quando o jogo for lançado no final do próximo mês na PlayStation 4, Xbox One e no PC, pela primeira vez na plataforma Steam.