Qual será o plano da Atari para a Ataribox?

155

Ao fim de algum tempo a tentar perceber este projecto, parece que a fabricante também tem dúvidas no seu rumo.

Quando a Atari indicou que estava de volta ao fabrico de Hardware, estávamos longe de imaginar que estaria a trabalhar numa consola. Baseada na arquitectura de um computador, a consola irá correr, tanto os clássicos da marca, mas também jogos de PC modernos. Pelo menos é isso que a fabricante está a tentar realizar com a sua nova Ataribox.  

O anúncio da nova consola surgiu numa altura em que a Nintendo já tinha anunciado o lançamento da sua SNES Mini, seguindo o fantástico sucesso da antecessora NES Mini. Isto levou-nos a pensar que a Atari viu a oportunidade de criar uma plataforma do mesmo género e, quem sabe, aproveitar o momento em que nós, o consumidor final, estamos a procurar uma cura para a nossa nostalgia.

Contudo, o que nos deixa mais cépticos quando falamos nesta plataforma aqui na redacção, é o facto da informação chegar de forma muito faseada e sempre muito escassa. No primeiro anúncio tínhamos apenas um teaser do logótipo. Não há nada de mal com um teaser, afinal de contas tinha o intuito de chamar a nossa atenção. No entanto, no segundo anúncio, para além de revelar um design arrojado com algumas linhas clássicas da Atari 2600 (com alguns toques futuristas), veio a indicação que o projecto seria alvo de uma campanha de angariação de fundos na plataforma Indiegogo.

Esta suposta campanha de crowdfunding, ainda não tem uma data certa e apenas foi indicado que arrancará durante este Outono. Ora, se a Atari procura financiamento é preciso que esclareça algumas das nossas dúvidas. Terá um preço a rondar os 80€ como as mini consolas da Nintendo? Funcionará apenas com os clássicos da Atari ou terá jogos modernos? Será possível usá-la para outras funcionalidades? Estas são apenas algumas das dúvidas que a maior parte dos internautas colocam pela Internet fora.

Para tentar acalmar os ânimos, a Atari revelou ontem novos detalhes sobre o hardware que a consola terá no seu interior. Mesmo assim, ainda não foi desta que tivemos grandes pormenores. O lançamento, por exemplo, está marcado para a Primavera de 2018 e já sabemos que a Ataribox terá um custo entre 250 a 300 dólares, algo a rondar os 255€ na pior das hipóteses, longe do valor inicial que tínhamos idealizado. No seu interior, conta com um processador da AMD personalizado e um processador gráfico Radeon da mesma fabricante. Além disto, contará com o sistema operativo Linux.

Uma vez mais, temos de assinalar como toda esta informação é muito vaga. Mesmo assim, pelo que é dado a entender, com este tipo hardware é certo que a fabricante não pretende apenas colocar jogos clássicos no seu interior. Para o site The Verge, a Atari clarificou que têm em mente oferecer uma mistura entre títulos clássicos da Atari e também outros jogos mais modernos. Entretanto, salvaguarda que a Ataribox irá conseguir competir com computadores médios, dando Minecraft e Terraria como títulos que poderão correr sem problema. Sabendo que esses títulos não são grandes colossos visuais, dá para entender que, se calhar,  jogos com mais detalhes no grafismo serão para esquecer.

Conseguem ver porque muita gente está preocupada? Pelo preço pedido, parece-nos algo avultado para uma máquina mediana que apenas pretende ser um PC limitado com Linux com um emulador de jogos Atari. Para efeitos de nostalgia, parece-nos interessante, mas não a esse preço.

A fabricante deve perceber que o facto de termos uma pequena caixa com detalhes em madeira e o logotipo da Atari, não é suficiente para dar garantias de um bom produto. Tem vindo a criar a esperada expectativa, mas parece-nos algo dispersa. Principalmente porque a informação que tem sido veiculada, cada vez mais parece dar a ideia que a própria fabricante não sabe ainda que caminho irá tomar.

Será mesmo para recordar os clássicos da marca? Ou estamos perante (mais) um projecto para trazer um quarto comando para a nossa mesa que vá competir com as consolas que já estamos habituados? Vejamos o que o futuro reserva.