Este é o primeiro artigo da nossa rubrica “Jogos que completam 20 anos em 2018”. Em vários artigos regulares iremos abordar, não só títulos marcantes, como outros jogos que tiveram um grande impacto na indústria dos videojogos. O primeiro, acelera já aqui.

Nos dias que correm, Gran Turismo é sinónimo de simulação automóvel. A série já vendeu mais de 70 milhões de unidades em todo o mundo, tornando-se no franchise mais vendido de sempre da marca Sony PlayStation. No entanto, quando foi lançado há 20 anos para a primeira consola Playstation, os jogadores não sabiam bem o que poderiam esperar. Vamos recordar como tudo começou e como ajudou a revolucionar esta indústria.

Gran Turismo só chegou à PlayStation três anos depois da consola da Sony entrar no mercado. Descrevia-se como um simulador de condução “real”, com a promessa de levar o prazer da condução para um jogo de consola. O projecto foi liderado por Kazunori Yamauchi, que indicou que o principal objectivo da equipa era criar um simulador de condução realista sem distrair do prazer de jogar. “Não estamos a tentar imitar a realidade” disse Yamauchi. “Prefiro criar a sensação de lidar com um carro telecomandado, mas com o tipo de dinâmica de um carro real”. Um objectivo bem traçado desde o primeiro jogo.

O lançamento deste primeiro GT coincidiu também com a chegada do primeiro comando DualShock, permitindo aos jogadores sentirem todos os ressaltos, curvas e batidas com a vibração deste comando. Além desta interacção mais imersiva, o que saltava logo à vista neste título era a qualidade do seu grafismo e o seu vasto conteúdo. No total, existiam 11 pistas diferentes e ainda o incrível (para a altura) número de 178 carros, espalhados por catorze marcas licenciadas. Um número considerável de carros, tendo em conta que a maior parte dos jogos da época não apostavam em tanta variedade.

Por outro lado, a concorrência também não apostava muito no realismo, preferindo um controlo mais Arcade. Um bom exemplo foi Ridge Racer, que se manteve no pódio dos melhores jogos de condução para a consola da Sony, até surgir GT, claro.

Grande parte do encanto do primeiro Gran Turismo estava no facto de conter automóveis actuais e bem conhecidos. E não apenas as super máquinas da altura, também haviam carros do nosso dia-a-dia. A possibilidade de comprar um carro e depois poder melhorar a sua performance com novas peças e com ajustes no motor, levou GT para um patamar diferente do habitual e acabou por ditar o seu grande sucesso. Perguntem a qualquer jogador, que tenha gasto horas a aplicar os mais meticulosos ajustes para que o seu carro conseguisse atingir só mais 10km/h, eles vão dizer-vos o quanto este título é rico em pormenores.

Mas, havia mais para descobrir em Gran Turismo. Todo o jogo estava repleto de pequenos detalhes que ajudaram a destacá-lo da concorrência. A banda sonora, por exemplo, era composta por 11 músicas, algumas delas de bandas famosas como Garbage.

Em termos e oferta de entretenimento, o jogo também sabia agradar a quase todos os jogadores, com dois modos distintos. Para os mais exigentes, havia Simulation Mode, onde estava a maior parte da diversão responsável por perdemos horas a fio para garantir aquelas medalhas de ouro na escola de condução, nas corridas e nas provas de Endurance. Os mais descontraídos podiam optar pelo Arcade Mode, onde podiam conduzir livremente com qualquer carro ou jogar com um amigo em ecrã dividido. Embora não tivesse a opção dos tais ajustes de performance, oferecia uma interface simples e intuitiva.

20 anos depois e já com quinze títulos no seu catálogo, a série Gran Turismo evoluiu imenso e possui ainda dois programas paralelos que misturam a realidade com o virtual. Um dos mais conhecidos é GT Academy, um programa criado em 2008 em conjunto com a Nissan que tem o objectivo de encontrar o melhor jogador de GT, através de uma competição internacional. Este evento permite que jogadores compitam por uma oportunidade única de se tornarem verdadeiros pilotos profissionais de competição. Um excelente exemplo é o português Miguel Faísca, vencedor da edição de 2013, que hoje continua a correr pela marca japonesa.

Um outro programa interessante é Vision Gran Turismo. Este começou com uma pergunta simples de Kazunori Yamauchi: “Estaria disposto a criar para nós a sua versão do modelo Gran Turismo?”. Para quem não sabe, Gran Turismo ou GT refere-se a um modelo específico de automóveis de 2 portas dentro do segmento desportivo, também conhecido como “Grand Touring”. As mais populares fabricantes, responderam à pergunta de Yamauchi e usaram tecnologia de ponta para criar novos protótipos de carros para serem apresentados na série, alguns deles chegando até a marcar presença em exposições de automóveis. O melhor exemplo, é o Mercedes-Benz AMG Vision Gran Turismo, que também marcou presença no filme Justice League, como o carro próprio de Bruce Wayne.

Para os aficionados dos bólides, Gran Turismo é como um paraíso automóvel. Delicia os pilotos digitais com realismo, detalhes técnicos apurados e um visual muito polido. Para muitos, a condução da Polyphony Digital tem vindo ditar o “standard” dos jogos de corridas de automóveis, chegando até a servir de inspiração para outros títulos. Contudo, também é uma realidade que esta sua aposta nunca foi realmente melhorada ao longo dos tempos. Há quem defenda que a série “parou no tempo”, apostando só em algumas actualizações visuais pontuais.

Para os jogadores comuns, porém, GT é um excelente jogo de corridas, com milhares de opções de tuning e uma escola de condução impiedosa. Consegue agradar aos casuais com as suas corridas improvisadas ou com o seu modo de carreira mais elaborado. No fundo, a mesmíssima oferta do original, mesmo que agora seja mais refinada.

Por fim, há outro tipo de jogadores que não entende o encanto à volta deste título, não compreendem a sua física realista, a sua seriedade sofisticada ou a sua falta de danos nos veículos. Mas, uma coisa é certa, estes jogadores não discutem a qualidade geral da série que revolucionou a indústria de videojogos. E a cada novo Gran Turismo, só queremos mais e melhor.

Infelizmente, o primeiro Gran Turismo não está disponível para instalação, a não ser pelos discos originais em formato físico. Se desejarem uma cópia, terão de obter através dos sites habituais de vendas em segunda mão ou leilões.