O convite para entrar novamente no mundo de Tamriel era impossível de negar. Por isso, aceitámos de bom grado o convite da Bethesda para nos juntarmos à beta, na versão PC, de The Elder Scrolls Online que decorreu no passado fim de semana. Estas são as nossas primeiras impressões na antevisão WASD a um dos MMO’s que promete virar o panorama do género em 2014.

“Fui eu quem causou tudo isto. Se Molag Bal conseguir levar a sua avante e destruir este mundo, a culpa vai ser minha. Minha, eu sei.”

The Prophet

Se jogaram Morrowind, Oblivion ou Skyrim sabem que o mais certo é que The Elders Scrolls Online esteja predestinado a ser mais uma aventura fantástica no mundo de Tamriel. Para aqueles que nunca pegaram na saga mas têm interesse no mundo dos MMO’s, este poderá vir a ser o melhor jogo para se contextualizarem neste universo. Pude testar a versão beta no último fim-de-semana e posso dizer que fiquei impressionado com o que vi.

Inevitavelmente, como já o tinha feito em Oblivion e Skyrim, comecei o jogo por criar um Nord e, por isso, juntei-me também à aliança Ebonheart Pact colocando de parte a hipótese de me alistar nos quadros da Daggerfall Convenant ou da Almeri Dominion. A frágil coligação entre Nords, Argonians e Dunmer parece pronta a estalar por dentro a qualquer momento mas, até que esse momento de facto aconteça, a Ebonheart Pact será uma das alianças mais fortes de Tamriel.

As quatro classes disponíveis à entrada eram Dragonknight, Sorcerer, Nightblade e Templar. Se a primeira e a última são duas classes a fazer lembrar o Warrior, o Death Knight ou o Paladin de outros MMO’s, com acesso a resistentes armaduras apostando no poder físico, por sua vez, o Sorcerer e o Nightblade são classes mais frágeis no confronto directo mas nunca menos fortes por isso. O Sorcerer é uma classe baseada no uso de feitiços e cujo longo alcance é fantástico. Quanto ao Nightblade, é uma classe mais furtiva, que aposta nos ataques curtos e rápidos e que em muito se assemelha à classe Rogue de World of Warcraft.

Escolhi então a classe Dragonknight e o enredo começou pouco depois em Coldharbour, um reino de Oblivion associado a Molag Bal, um Príncipe Daédrico e o principal antagonista de The Elder Scrolls Online, cuja representação em estatueta faz parte da edição de coleccionador anunciada a semana passada. Por entre os seus esquemas de unir o mundo do Oblivion com o mundo de Nirn, onde existe Tamriel, a personagem que criamos é apanhada no meio da confusão e é-nos roubada a alma. É por isso que ficamos conhecidos como o Souless One (numa tradução livre, “Aquele sem alma”).

Não obstante, conseguimos fugir do reino de Molag Bal graças à ajuda de um misterioso velhote cego, The Prophet, encarnado pela voz inconfundível de Michael Gambon. Não vos quero desmistificar muito mais a trama de The Elder Scrolls Online mas fiquem a saber que esta personagem terá, fatalmente como o destino, um papel central no desenrolar de toda a história que, assuma-se, é digna da saga Elder Scrolls.

Fui então parar a uma pequena ilha, Bleakrock Isle, ao largo de Skyrim para depois voltar a Morrowind após tantos anos desde o lançamento do jogo que antecedeu Oblivion. Devo confessar que durante todo estes momentos raramente me lembrei que estava a jogar um massive multiplayer online. O sentimento Elder Scrolls está tão vivo através do excelente trabalho de voz, a banda sonora e as quests empolgantes que nos agarram mesmo quando não estejamos a jogar missões da trama principal que só nos lembramos que TES Online é um MMO quando vemos uma figura que não se move como uma inteligência artificial o faria. Para além do mais, há qualquer coisa de fantástico no acto de entrarmos por uma mina/cave/masmorra/buraco num Elder Scrolls. Admitamos em prol da Bethesda que nenhum dungeon crawler lhes chega sequer aos calcanhares.

Seja como for, The Elder Scrolls Online é um MMO e existem algumas coisas que a icónica saga tem de sacrificar pelo caminho para finalizar esta transformação para o multijogador. A primeira e a mais clara parece-me ser a parte gráfica que, embora cumpra, não é deslumbrante como o era em Skyrim. Por outro lado também a fluidez da narrativa desaparece quando temos de esperar por conseguir convencer um grupo de pessoas para seguir connosco para completar determinada dungeon ou matar determinado boss.

Por outro lado, parece-me impecável o megaserver que a Zenimax Online confirmou para The Elder Scrolls Online e que funciona de uma maneira revolucionária no género. Neste MMO esqueçam a pergunta que toda a gente faz quando quer jogar online com os amigos: “Em que servidor estás a jogar?” Aqui todos os jogadores jogam no mesmo servidor, embora num mundo que funciona por instâncias, já visto no primeiro Guild Wars, mas aplicado aqui de uma forma diferente. Ou seja, os efeitos que nós vemos no mundo de Tamriel depois de completar determinada missão são diferentes do que a outra pessoa vê se ainda for numa parte mais atrasada da mesma missão. Os reais resultados desta fórmula só os poderemos desvendar quando o jogo for lançado e os jogadores lhe acorrerem em massa. Por enquanto, e apenas com os beta testers dentro do jogo, a ideia pareceu funcionar às mil maravilhas.

No que diz respeito à jogabilidade, a adaptação online do mundo de The Elder Scrolls parece, por enquanto, um Skyrim evoluído e mais refinado já que continua, na senda dos anteriores, a utilizar o sistema de RPG de acção na primeira e terceira pessoa alternadamente conforme as preferências do jogador, embora, com animações mais modernas. O próprio sistema de crafting também é baseado naquele que era utilizado na anterior entrada da série assim como a evolução das habilidades da personagem que acontece mediante o seu uso dentro do jogo.

A grande diferença surge na barra de skills, inexistente nos jogos anteriores, e que aqui limita o jogador à utilização de apenas 6 habilidades de cada vez. Algo que muda a partir de nível 15, quando desbloqueamos a hipótese de usar uma segunda arma e consequente segunda barra de skills.

Voltam também as guildas com missões que só abrilhantam ainda mais o MMO da Bethesda. Daquilo que experimentámos, tivemos acesso às campanhas da Mages e da Fighters Guild. As desta última são quase peças chave na narrativa principal já que durante as missões temos de ir lutando contra Daedras e destruindo os Dark Anchors que tentam unir a realidade de Coldharbour à de Tamriel, como vos tinha falado lá em cima.

Esta foi uma das betas mais suaves em que participei e o jogo parece-me muito perto da conclusão. De entre as quase centena de missões que completei durante o fim de semana da beta, e após chegar a nível 16, apanhei uma única quest com bugs que não me deixavam terminá-la. Um número muito diferente, por exemplo, da beta do Guild Wars 2 que, inclusivé, já após lançamento ainda tinha várias quests que não funcionavam de todo.

A Bethesda, com o apoio da Zenimax Online, parece trazer novas tendências para o mundo dos MMO’s com este The Elder Scrolls Online. São elas a excelente construção da narrativa que, à excepção de World of Warcraft, é quase inexistente no género e o excelente trabalho de voz em todas as missões, assim como o “megaservidor” instanciado. Vamos ver até onde este MMO nos levará à data do seu lançamento, no dia 4 de Abril para o PC, e mais tarde, em Junho para a PS4 e Xbox One.

Algumas perguntas ficam, no entanto, a pairar no ar. Como funcionará a vertente Player versus Player? Será competitivo e equilibrado o suficiente? E a parte final do jogo? Valerá o endgame realmente a pena? Conseguirá a Bethesda um produto que justifique a compra de The Elder Scrolls Online mais o pagamento de uma mensalidade?

Vejam a continuação desta antevisão WASD a The Elder Scrolls Online aqui.