À data da publicação desta antevisão, a Beta pública de Star Wars Battlefront deve estar a ser avidamente descarregada por essa Internet afora. Não é por mero acaso. Herdeiro de um sucesso considerável nos videojogos da Saga da Guerra das Estrelas, Battlefront é um título de respeito. Resta só saber se a DICE, habituada a estas lides dos First Person Shooters, está à altura do desafio.

A par de Knights of the Old Republic, Battlefront será um dos jogos mais conhecidos baseado na Saga. Nas duas aventuras pelas consolas e PC (esquecendo, por momentos, que houve tentativas frustrantes em consolas portáteis), as batalhas entre Rebeldes da Aliança e o Império, entre a Confederação e os Clones da República, com Jedi e Sith pelo meio, nos planetas e mapas dos conflitos mais importantes contidos nos filmes da Saga e não só, são incontornáveis. Recriar qualquer jogo é complicado mas, com este peso histórico, a Electronic Arts e a produtora DICE têm em mãos uma tarefa complexa: Honrar o legado, enquanto alegram fãs, tanto recentes como veteranos.

Claro que o que temos em mãos é uma Beta e não o jogo final. Não podemos esperar que deste texto saia uma análise completa. Essa, só mesmo quando tivermos uma cópia final do jogo. Até lá, porém, a Beta serve perfeitamente para aguçar o apetite, mesmo com alguma apreensão pelo meio. É que a DICE, na sua série Battlefield, tem um histórico tanto positivo como negativo, ao nível de opções de design, jogabilidade ou mesmo ao nível técnico. Será que a Beta corre tão bem como se espera do jogo final? Uma vez mais, só a 20 de Novembro, quando o Battlefront for lançado, é que saberemos.

Entretanto, que tal está esta Beta? Como já disse, é óptima para aguçar o apetite. É curta, muito limitada e rapidamente chegam ao topo do que podem fazer. No entanto, é excelente a demonstrar o potencial da sua jogabilidade e a deixar a ideia de que, quem se dedicar, terá aqui um vício pela frente. Muitos modos e opções, como a personalização de personagens e estatísticas, estão bloqueados. A ênfase é dada a dois modos competitivos (PvP) e um único modo cooperativo (PvE). Tudo o resto está bloqueado.

Falando primeiro dos modos competitivos, o primeiro que devem experimentar chama-se Drop Zone. Passa-se na paisagem hostil de Sullust e é um modo do género de conquista de zonas aleatórias temporizadas. Combatem Stormtroopers contra Rebeldes a pé e sem veículos. A coordenação entre a equipa é essencial. O alvo a conquistar é uma Escape Pod que cai aleatoriamente no mapa. A equipa que a conquistar tem de a manter por um período de tempo limitado. Ganha a equipa que conquistar e mantiver mais Pods no fim da contagem do tempo.

Dado que o outro modo, do qual já vou falar, é muito mais exigente, é neste modo que irão passar mais tempo a jogar no início. Apesar desta Beta estar limitada ao nível 5 com apenas umas poucas armas disponíveis, é bom que se habituem ao tipo de jogo e elevem a vossa personagem para obterem armas e power-ups mais potentes, que podemos comprar com dinheiro de jogo (Credits!). Para esses power-ups, o jogo possui um sistema de perks baseado em cartas que vão desde uma espingarda sniper, a um jetpack ou um escudo anti-laser portátil. Só podemos activar estes perks temporariamente e possuem um tempo de espera depois do seu uso, chamado de “cooldown”.

Depois de dominarem tudo isto, já podem jogar o muito mais exigente Walker Assault. O combate é assimétrico recriando a famosa cena introdutória do filme Empire Strikes Back. Os SnowTroopers levam consigo dois AT-AT cujo objectivo é destruir o gerador da base Rebelde em Hoth. Os rebeldes precisam activar e manter bases de modo a iniciar ataques concentrados aos Walkers. Ganha o Império se conseguir eliminar todas as defesas e chegar ao ponto de destruir o gerador. Ganham os Rebeldes se conseguirem destruir os dois AT-AT. A batalha épica é completa com recurso aos AT-ST (Chicken Walkers) e às naves Snowspeeder e Y-wing no lado Rebelde e Tie Fighter e Tie Interceptor no lado Imperial.

Todos os veículos são controláveis através de pick-ups que apanhamos no mapa e que podemos activar por tempo limitado. Estes pick-ups vão aparecendo no mapa de forma aleatória e podemos usar os potentes canhões dos AT-AT ou fazer voos rasantes com um Snowspeeder e tentar a sorte contra a infantaria. Pelo meio, podemos até encarnar Luke Skywalker ou Darth Vader e espalhar o caos. (Genial!) No final, a batalha até 40 jogadores é a mais significativa desta Beta. É onde irão ver os vossos esforços mais compensados. Se bem que me parece que o lado Rebelde está em desvantagem, perdendo quase sempre o jogo. Nas várias sessões que testei, vi apenas uma única vitória para os Rebeldes, curiosamente num servidor em que o lado Imperial estava desfalcado em 4 jogadores. Talvez algum trabalho a equilibrar as defesas?

Notem que esta Beta foi testada em acesso antecipado à imprensa, com os servidores ainda a meio-gás. Estes desfalques de jogadores deverão ser mais raros em servidores mais cheios. E, por falar em problemas de servidores, tenho de referenciar que tive diversas quebras de performance ao longo do jogo. Não tive quebras de ligação em si, mas momentos significativos de paragem ou falha de sincronismo. É normal que estas quebras sejam mais acentuadas na vossa experiência, enquanto a DICE aprimora os seus servidores e serviços.

Falta só falar do modo Cooperativo. Honestamente, eu dispensava este modo na Beta. É bom como primeiro teste do jogo, sobretudo para quem não está habituado aos shooters, jogando contra bots controlados pela Inteligência Artificial. No entanto, não é aqui que vão aprender a jogar nos modos competitivos. Primeiro, porque matamos os Stormtroopers com um só tiro (tirando algumas unidades especiais mais “duras” que surgem nas vagas) e depois porque a dinâmica de jogo é muito mais lenta e espaçada. O que menos gostei deste modo é que tudo o que façam aqui não contribui para a vossa personagem. Joga-se uma ou duas vezes, a solo ou com amigos (porque podemos jogar em sessão online ou em ecrã dividido) e é só. É possível que no futuro a pontuação acumule com a personagem online, mas nesta Beta não o faz. Por isso, aconselho-vos a não perderem muito tempo aqui.

Então este modo Survival é exactamente o quê? Ao que parece, será um dos níveis de várias missões disponíveis no jogo final. Estas missões tentam colocar um modo que se assemelhe a uma carreira (não incluída nem nesta Beta nem no jogo final). Trata-se de uma ampla arena no planeta desolador de Tatooine, onde temos de rechaçar vagas de soldados Imperiais, ao mesmo tempo que recuperamos algumas Escape Pods. Claro que as vagas vão ficando mais difíceis com unidades especiais a darem alguma (pouca) variedade. Apenas 6 das 15 vagas previstas estão disponíveis e já possuem dois desafiantes AT-ST para tentarmos destruir.

Tudo explicado ao nível do que está disponível, falta falar da jogabilidade em si. Como é jogar esta Beta? Saibam que podem optar por combater na primeira ou na terceira pessoa, algo que já era possível fazer nos jogos anteriores. É bom termos a opção só que, no entanto, eu acho que na primeira pessoa o jogo me parece mais refinado. Até porque o cursor da pontaria parece mais preciso nesta visão. Na terceira pessoa, a mira parece algo perdida, sobretudo contra obstáculos ou atrás de objectos. Sem recurso à mira, porém, esta câmara funciona melhor com unidades especiais como o Luke Skywalker ou Darth Vader. Dominada a pontaria, temos em mãos um jogo de combate robusto e de passada lenta, tal como sentimos nos Battlefields, de onde a DICE extraiu muita da experiência de jogo.

Mas não pensem que vão jogar um Battlefield a fazer mira e tiro de precisão. Tal como nos filmes, é normal verem muito tiro rápido (o vulgar “spray and pray”) pelo campo de batalha, de modo a eliminar adversários. As armas estão muito bem desenhadas e os fãs da Saga vão reconhecer os sons e as célebres “explosões” dos alvos atingidos. De notar que não há troca de munições, mas para evitar o spam de lasers, as armas podem aquecer demais e precisam ser arrefecidas durante alguns segundos.

A acção nos veículos é muito interessante, mas algo assimétrica. Os Walkers são incrivelmente potentes e pouca coisa na infantaria os pode contradizer. Para os AT-ST, por exemplo, é preciso muitos mísseis e toda a equipa concentrada a destruí-los. Lá dentro, é um festival de explosões e mortes de adversários. Também as naves são complicadas de voar. Já na série Battlefield, a DICE tem alguma dificuldade em modelar aparelhos voadores. Aqui, é mais do mesmo. Ou dominam e não fazem mais nada, ou esquecem que elas existem.

Duas coisas que gostei: As cartas que podemos comprar e que possuem power-ups temporários, são importantes para situações mais delicadas. Ou usamos um thermal detonator para fugir a uma emboscada, ou usamos uma espingarda sniper para o fulano isolado lá no topo. Mas não é injusto: só pudemos usar uma carta de cada vez e temos de esperar que ela refresque. Sobretudo o escudo portátil seria claramente desequilibrador se não fosse assim. A outra coisa que gostei bastante na jogabilidade foi o balanço da potência e uso das armas. Algumas são mais potentes, mas possuem um tiro mais lento ou não podem correr com elas empunhadas. Já outras são mais rápidas no disparo mas fazem menos dano. O compromisso assume-se no nosso estilo de jogo. Apenas espero que o jogo final, com mais armas e equipamento, continue com esta premissa.

“E os gráficos?” Perguntam vocês e bem. Seria de esperar numa versão Beta que o jogo estivesse aquém, com problemas de optimização de texturas ou animações por aprimorar. Uma vez mais, friso que a DICE é famosa pelos “soluços” das suas Betas. Excepção à regra, porém, esta Beta parece muito próxima do que será de esperar do jogo final. Animações muito bem conseguidas com texturas e efeitos visuais impressionantes, tudo a correr na versão analisada (PS4) com uma fluidez invejável. Os menus são muito sóbrios e fáceis de usar, bem ao estilo da série Battlefield. O ambiente da Saga está garantido por todo o lado com muitas referências aos seis filmes. Sobretudo para os fãs, é impossível não ficar contagiado com a atmosfera Star Wars, onde nem falta a banda-sonora épica de John Williams.

Se ainda forem a tempo, devem descarregar e experimentar a Beta Star Wars Battlefront? Devem pois! Mesmo não sendo fãs, se gostam do género dos shooters de ficção científica, este não deve passar ao lado. A acção é fluída, equilibrada e desafiante. Só é pena que a Beta esteja tão limitada, tornando-se demasiado curta. Mas é de graça e não perdem nada por testar Battlefront. O facto do jogo final não possuir modos offline, pode afastar alguns dos fãs dos jogos anteriores, sobretudo os que gostavam do modo carreira do género do jogo-de-mesa “Risco”. No entanto, depois de testar esta Beta, penso que o jogo final pode muito bem valer a pena. Aos fãs da Saga da Guerra das Estrelas não preciso explicar o quanto devem jogar isto… Encarnar Darth Vader em Hoth a desancar Rebeldes? Que querem mais?