É já amanhã que chega à Nintendo Wii U o novo IP, Splatoon. Se já é raro a Nintendo anunciar novas séries, novidade é também, desta vez, o género em que Splatoon cai. Não se trata de um título de corridas ou de plataformas mas, sim, de um Third Person Shooter competitivo. Não temos parado de experimentar a nossa versão de teste e já aqui deixámos também as nossas impressões. A um dia do lançamento oficial deste jogo em terras Lusas, nunca é demais recordar o que podem encontrar neste título. Caso tenham ainda dúvidas sobre a sua aquisição, talvez esta antevisão vos dê uma ajuda a decidir.

Splatoon é um shooter muito pouco convencional mas bem capaz de fazer as delícias, tanto dos mais velhos, como da malta mais jovem. Sempre com um espírito rebelde, irreverente até, este título chega até nós como uma original e bem agradável lufada de ar fresco no género. Como já disse, este é um título competitivo. Como tal, tivemos ao nosso dispor um modo chamado Turf Wars. Aqui, duas equipas de quatro jogadores têm um objectivo muito simples: Cobrir todo o cenário com a cor da sua equipa no espaço de três minutos. No final, quem tiver coberto a maior parte do cenário, ganha. Neste modo, o derrotar dos jogadores da equipa adversária não confere pontos mas faz com que, durante o tempo de Respawn, não estejam no campo de batalha a atrapalhar o nosso progresso rumo à vitória. No último minuto, isto pode ser crucial, na medida em que o tempo de resposta pode ficar extremamente limitado, dando espaço para uma enorme reviravolta.

A duração dos combates faz com que estes sejam sempre intensos e frenéticos. Com apenas três minutos para alcançar a vitória, não há mesmo tempo a perder. A jogabilidade oferecida por este título confere, também, uma enorme originalidade e, por isso, ainda bem que, antes de me lançar contra as feras, Splatoon me disponibilizou um tutorial onde tudo foi explicado.

Desde o simples disparo das armas, a saltar e nadar pela tinta que espalhamos pelo cenário, acreditem que é impressionante a versatilidade que Splatoon oferece aos combates. Mal posso esperar para elaborar mais na nossa análise. Aprendi de tudo um pouco mas houve algo que me deixou apreensivo logo de início. Sempre que queria fazer mira, tinha de apontar o Gamepad na direcção que pretendia. O Motion pode ser interessante em alguns jogos, mas num Shooter que requer uma precisão quase imediata, estar a apontar com o comando não me pareceu (e continua a não parecer) muito viável. Assim que terminei o Tutorial, visitei o menu de opções. Aqui, pude designar o controlo da câmara para o analógico do comando e pude também ajustar devidamente a sua sensibilidade.

Foi desta forma que realmente consegui desfrutar da verdadeira experiência que Splatoon tem para oferecer. Mas nem toda a acção se passou online contra outros jogadores. Para descansar um pouco da competição online, teremos também ao nosso dispor um modo Single-Player. Neste modo, não encontramos uma história mas, sim, uma série de áreas, ou mundos, para explorar. Cada área tem uma série de níveis para resolver, alguns mais lineares do que outros. Muitos deles em forma de puzzles, estes níveis contam com a nossa aprendizagem da jogabilidade de Splatoon para a sua resolução. Se tivermos sorte na nossa exploração dos níveis, podemos encontrar receitas para armas, as quais podemos adquirir na respectiva loja em Inkopolis. No final de cada mundo, contem também com uma boss fight. Estes confrontos vão ficando mais complicados à medida que vamos progredindo, resultando em combates difíceis mas bem aliciantes e sempre originais.

E já que falamos nas armas, no calor da batalha, tanto online como no modo Single-Player, à medida que lhes vamos dando uso, seja para cobrir cenário ou os nossos adversários com tinta, elas podem ficar Charged. Se pressionarmos o analógico direito, desencadeamos o seu poder especial. Em momentos de maior pressão, podemos ficar protegidos por um escudo que pode alastrar-se a outros colegas de equipa que estejam nas proximidades quando o utilizamos. Também podemos ganhar acesso temporário a uma série de bombas e até desencadear um enorme e poderoso túnel de tinta.

Não posso também deixar de mencionar nesta antevisão a progressão da nossa personagem. A solo, temos apenas um fato ao nosso dispor mas, online, à medida que vamos evoluindo, vamos poder adquirir outras peças de roupa. Cada uma delas confere um atributo especial ao jogador, como mais poder, rapidez na recarga de tinta e até na nossa mobilidade. No início, cada peça tem apenas um atributo especial, no entanto, se evoluírem, podem adquirir outras com dois ou mais atributos.

Tudo isto, sempre acompanhados por um visualismo que cumpre de forma exemplar ao oferecer ao jogador combates frenéticos e, ao mesmo tempo, vibrantes em cor. Há mais para contar e para elaborar, para isso terão de esperar pela nossa análise. Além desse artigo contem também com um outro com algumas dicas para vos ajudar que será lançado depois!

Aquando do seu lançamento Splatoon irá contar com cerca de cinco cenários diferentes: Urchin Underpass, Saltspray Rig, Walleye Warehouse, Blackbelly Skatepark e Arowana Mall. Não se preocupem que já foi anunciado que mais cenários irão chegar. Além disso e como um Shooter que se diz competitivo, não pode prender-se a apenas um modo. É por isso que, quando for lançado, ficará disponível um outro modo Ranked Battle designado de “Tower Control”, que ficará disponível aos jogadores que atingirem o nível 10. Splatoon chega às lojas já amanhã, dia 29 de Maio e, do que pudemos experimentar, parece que a Wii U vai receber uma abordagem bem irreverente e, ao mesmo tempo, bastante original ao género dos Shooters.