Mais infoProdutora: Digital EclipseEditora: CapcomLançamento: 24/07/2018Plataformas: , , , Género: ,

Depois do sucesso de Mega Man Legacy Collection, a Capcom repete o feito trazendo o melhor da série com duas colectâneas que juntam os oito títulos da saga X. Mega Man X Legacy Collection 1 + 2 transporta-nos 100 anos para o futuro, depois da criação do famoso herói de armadura azul.

Esta derradeira colecção chega à PlayStation 4, Xbox One, PC e Nintendo Switch com dois pacotes que podem ser adquiridos em conjunto. Incluí todos os títulos lançados desde a Super Nintendo até à PS2, passando, claro, pela PlayStation, PC e SEGA Saturn. Além de fazer um excelente serviço aos fãs, ainda aproveita para relançar esta saga, considerada por muitos como a melhor de Mega Man. Vejamos se o passar do tempo foi gentil com estes clássicos ressuscitados.

As produtoras nipónicas parecem determinadas em recriar os seus jogos clássicos. Depois da chegada de SEGA Mega Drive Classics e a promessa de remasterização de Shenmue para o mês de Agosto, é a vez da Capcom recordar-se da sua era dourada. Este relançamento foi muito aguardado pelos fãs e, por cá, também estávamos ansiosos por pegar novamente na mais impressionante da saga de Mega Man.

A compilação junta os oito títulos da saga que tiveram início na Super Nintendo em 1993 com Mega Man X, Mega Man X2 (1994) e Mega Man X3 (1995). Depois do enorme sucesso do novo visual criado pela Capcom, a narrativa continuaria na SEGA Saturn e na PlayStation em 1997 com Mega Man X4, Mega Man X5 (PSone e PC em 2000), Mega Man X6 (PSone e PC em 2001), Mega Man X7 (PS2 e PC em 2003) e finalmente com o derradeiro Mega Man X8 (PS2 e PC em 2005).

Analisando esta compilação da saga que vai desde 1993 a 2005 é bastante complicado. É óbvio que os possíveis compradores precisam do gosto necessário pelos jogos clássicos. No entanto, é muito injusto para Mega Man X falarmos apenas em nostalgia. Trata-se de uma série que soube tirar proveito das tecnologias da sua época e foi capaz de nos cativar por muitos anos, mantendo o seu aspecto de anime, sem deixar de nos trazer novas aventuras de qualidade, especialmente numa altura em que começaram a surgir as primeiras cenas intermédias nos vídeojogos.

O que terão com esta colectânea é o acesso a todo um arco narrativo que nos dá a conhecer o novo robô X, muito semelhante ao original Mega Man. Vemos também o surgimento de Zero e o desenvolvimento de um vírus capaz de colocar todos os robôs aliados contra ambas as personagens. A corrida para X chegar até Zero, o medo de Zero se tornar Maverick, o novo arqui-inimigo Sigma e toda a sua evolução ao longo saga como personagem, são apenas alguns dos incentivos para nos empolgarmos a cada novo capítulo.

Para além deste argumento cuidado, Mega Man X demonstrou sempre muito cuidado com a sua arte e grafismo. A produção puxou bem pelas tecnologias usadas na altura, trazendo ideias excepcionais que melhoraram exponencialmente a sua apresentação, a jogabilidade, a estrutura de níveis e as armas e armaduras que se adaptam à nossa forma de jogar. Só queríamos voltar aos originais, mas a Capcom decidiu fazer mais que uma simples reedição.

Estas novas versões trazem também melhorias para todos os títulos. A primeira novidade a destacar são os filtros que vêm incluídos nas primeiras seis aventuras. Estas tentam dar um aspecto clássico aos jogos, tal como os temos na nossa memória, onde podemos até optar pela resolução original, por exemplo. As presença das barras laterais criam a “experiência retro” que muitos procuram. Os mais novos ou aqueles que não gostarem das barras, não desesperem, podem sempre expandir a resolução para ecrã inteiro.

Também para a nova audiência, é adicionado um novo nível de dificuldade que deixa os recém-chegados habituarem-se à dificuldade inerente. Os inimigos causam menos danos e elimina por completo a morte quando caímos do cenário ou em armadilhas. Curiosamente, Mega Man X já tinha uma dificuldade mais simpática comparado com o título original. Agora ainda é mais acessível, felizmente sem estragar a diversão geral do jogo.

Em relação ao resto, toda a saga está intacta com a mesma interacção dos originais. Tem também a possibilidade de enfrentar os inimigos pela ordem que desejamos para ficarmos com as suas armas e equipamento. Esta é uma estratégia bastante conhecida da série para termos a vantagem sobre outros bosses. É bom ver estas lógicas intactas. Ficamos sempre divididos entre os diverso remakes, remasters e reboots. Esta é um reedição que honra bem o seu legado, mantendo-o intacto sempre que possível. E os fãs agradecem, claro.

Para além das melhorias que já falei acima, ainda há ainda mais extras que irão igualmente agradar aos fãs da série. Entre eles está um novo modo de desafio intitulado “X-Challenge”. Este modo convida-nos a enfrentar vários bosses seguidos em combates muitos frenéticos. Não faz muito para dar longevidade à saga, servindo um pouco como um acessório. Tal como o título indica, é só mesmo um desafio para os mais dedicados. E nunca é demais termos um pretexto para jogar mais.

Merecendo um destaque especial, há também um museu, bem ao jeito de outras compilações recentes de séries. Infelizmente, devo dizer este museu contém alguns elementos repetidos em ambas as colectâneas. Mesmo assim, possui extras muito interessantes com inúmeras galerias de ilustrações, materiais promocionais, campanhas publicitárias e merchandise como posters, brinquedos e doces. Por outras palavras, é o tipo de material que um amante de jogos clássicos gosta de ver e conhecer.

Veredicto

As compilações de Mega Man X Legacy Collection 1 + 2 podem ser compradas em separado mas, aconselhamos a comprar as duas. Não só os jogos merecem ser jogados de seguida, como o preço é bem aceitável. É uma excelente oportunidade de jogar toda a saga de Mega Man X. E os novos elementos, especialmente criados para os recém-chegados prometem não estragar a experiência original. O museu é como um brinde para os fãs e todos os amantes de clássicos que desejam saber mais sobre os seus jogos favoritos.

Partilhar
Artigo anteriorAnálise – The Persistence (PS VR)