Mais infoProdutora: SCS SoftwareEditora: SCS SoftwareLançamento: 04/10/2018Plataformas: Género:

Depois do Novo México, vamos agora para o Oregon em American Truck Simulator. O chamado “Estado dos Castores” é vizinho a norte da Califórnia e traz consigo paisagens bem mais rústicas para trilhar com o vosso camião.

Se há algo que pode não reunir muitos fãs, é esta cadência de criação dos Estados Americanos. A equipa da SCS Software não é assim tão grande que consiga trazer mais conteúdo mais rapidamente. Por outro lado, a lógica de pagarmos por cada novo Estado, sem haver um passe de época, por exemplo, torna-se algo dispendioso. A espera é longa e, se fizermos as contas a cada Estado adicionado mais o jogo base, o hobby pode sair caro. Contudo, estes DLC são perfeitamente opcionais, podendo jogar pelas duas regiões originais do jogo base, já com muitas horas de jogo. E também podem sempre esperar por uma versão final futura com todos os DLCs em bundle. Resta saber quanto tempo isso demorará.

O Estado do Oregon é um misto de cidades agitadas, como Portland ou Salem, com densas áreas florestais e zonas e vastos desertos. Na verdade, 60% do Estado é composto por florestas que depois alimentam o importante negócio da madeira da região. Trilhando pelas suas estradas, estão também diversos rios e lagos que também constituem uma importante componente comercial do Estado e nos dão imensas pontes para cruzar. É o 9º maior estado dos EUA, com uma população de 4 milhões de habitantes, maioritariamente concentrada nas cidades e vilas.

Lições de geografia à parte, é preciso que este novo destino traga algo de novo ao jogo. Obviamente, a qualidade de um DLC é dependente da jogabilidade do jogo base. E, sobre ela, já falámos na análise original. Já sabem que gosto de voltar ao volante destas bestas mecânicas, por isso, não é difícil para mim apreciar mais uma região para navegar. Contudo, tirando as novas paisagens para arregalar o olho e os novos pontos de interesse para visitar, o que um novo território acrescenta é, para todos os efeitos, mais quilómetros (ou milhas) para aumentar a longevidade.

E mais território temos. São mais de 5000 milhas para navegar, que incluem uma boa quantidade das principais estradas recriadas, 14 das maiores cidades criadas em escala reduzida, como as já mencionadas Portland ou Salem, contando também com diversos pontos de interesse, como o Monte Hood, Thor’s Well, Crater Lake, Crooked River Valley, Yaquina Head Lighthouse ou Youngs Bay Bridge. Também contam com novos 25 ramais de estradas, 13 novas zonas de descanso e paragem para os camiões e inúmeras zonas de descanso menores e motéis. Tudo isto criado com mais de 700 novos itens personalizados.

Em jogo, também temos 17 novas empresas sediadas neste Estado e não só, incluindo os seus cais de carga. Como sempre, poderão trabalhar com estas empresas embebidas nas demais já contidas no jogo. Esta expansão de empresas fictícias visa dar mais variedade à oferta de trabalhos e também à carga disponível. Obviamente, muitas destas novas ofertas de trabalho passarão por carregar troncos entre madeireiros e serrações. O que permite dar uso aos nossos próprios reboques que, desde há uns tempos, podemos comprar em paralelo com os camiões e explorar como plataforma de aluguer.

E é isto. Mais um mapa, mais território para cobrir, mais trabalhos para fazer e mais cidades para explorar. Embora os fãs mantenham o seu pedido de expansão da jogabilidade, nomeadamente de mais marcas ou modelos camiões, a SCS continua a sua senda de expandir território. Ainda assim, a jogabilidade tem vindo a ser alargada a conta-gotas entre estes projectos, como no caso dos novos trailers que podemos comprar e explorar. Só que essa adição de conteúdo veio com a actualização 1.32 e não com o DLC, ou seja, foi gratuita. O que nos leva ao Oregon, portanto, é apenas o nosso desejo de ir mais longe e por mais tempo.

Quanto ao visual, sim, de facto as novas paisagens são arrebatadoras. Gostei de realizar um trabalho de transporte de madeira que me fez atravessar todo o Estado de ponta a ponta, desde Medford até Pendleton. Deu-me um perfeito vislumbre do tal contraste entre cidade, floresta e até pude ver o deserto por algumas milhas. E, sim, as muitas pontes de Oregon também dão alguma variedade de cenário, sobretudo perto das cidades. American Truck Simulator sempre teve óptimo aspecto. Não é com neste DLC que ficarão surpreendidos, como devem calcular. Contudo, serão dos mais belos cenários que vão contemplar, sobretudo depois do árido Novo México.

Veredicto

Como sempre, voltar ao volante de American Truck Simulator é sempre um prazer. Há qualquer coisa de convidativo nas longas rectas dos EUA. O Oregon é mesmo um Estado de contrastes, onde meia dúzia de milhas nos fazem transitar entre paisagens bastante diferentes. Contudo, não adiciona nada realmente diferente ao jogo, excepto mais milhas e mais locais de destino. Como, aliás, são todos os DLC deste título. São expansões de território, cujo objectivo é, um dia, cobrir todos os EUA. Por mais tempo que isso leve a realizar. O que, a este ritmo, ainda vai demorar um pouco…

Partilhar
Artigo anteriorAnálise – Dakar 18
Próximo artigoAnálise – Super Mario Party